A missão é uma aventura que vale a pena viver

Missionário relata a experiência de acompanhar jovens seminaristas em Centro de Formação no Benin

No início de janeiro de 2022, eu me mudei para Calavì, Benin, para o Centro "Brésillac", onde os seminaristas da Sociedade das Missões Africanas frequentam o Ano Internacional de Espiritualidade (Noviciado), entre dois ou três anos de filosofia e três ou quatro anos de teologia. Assim, o padre Giovanni Benetti relata a experiência que está vivendo entre os jovens seminaristas do Centro de Calavì, na periferia da grande cidade de Cotonou, ao sul do país.

benin"Estou no meio de tantos jovens que, junto com os pais formadores e amigos do Centro, alimentam um ambiente de fraternidade e simplicidade", escreve o missionário. "Estou envolvido em seu acompanhamento espiritual, na preparação de alguns retiros e cursos de formação, e na participação em diversos encontros previstos para os formadores. De acordo com o tempo disponível, tento também oferecer, especialmente aos domingos, meu serviço pastoral em algumas paróquias próximas. O trabalho não falta e requer um grande senso de responsabilidade, uma vez que está em jogo a vocação e, portanto, a vida dos seminaristas, futuros missionários do SMA, que esperam de mim e dos outros pais um autêntico testemunho cristão. Isso requer uma humildade que permita aos formadores compartilhar os problemas e se envolver na história pessoal desses jovens em seu caminho em direção ao sacerdócio e ao compromisso missionário sem fronteiras."

"É claro que aqui como em todos os lugares, nem tudo é cor-de-rosa. A água, por exemplo, não é potável, então é preciso filtrá-la ou ferver. Ao contrário de Nairóbi, onde estou desde 2021, o clima tropical de Calavì é pesado e os mosquitos anofeles estão muito presentes e são ativos; tenta-se lutar contra eles com mosquiteiros e repelentes. No entanto, atrevo-me a dizer sem rodeios: a missão é uma aventura que vale a pena viver porque ajuda a captar o que é essencial na vida e a relativizar o que corre o risco de se tornar absoluto. Peço ao Senhor que me ajude a ser reflexo do seu amor, aqui e onde o sopro do seu Espírito me levar. Meu desejo é, antes de tudo, compartilhar com simplicidade o precioso dom que recebi Dele: a fé, que dá sabor, serenidade e sentido à vida."

Os países de origem dos 37 seminaristas atualmente presentes no Centro "Brésillac" de Calavì são Nigéria, Gana, Quênia, Tanzânia, Togo, Costa do Marfim, Angola, Libéria, Zâmbia, R. D. do Congo, Benin e Índia. Há cinco padres formadores do SMA, dos quais um é da Índia, dois da Nigéria, um da Polônia e um da Itália.

Fonte: Fides

Deixe uma resposta

1 × 1 =