Um estilo de vida ecologicamente sustentável

Rezemos para que todos façamos escolhas corajosas através de um estilo de vida sóbrio e ecossustentável, alegrando-nos pelos jovens que se empenham resolutamente por isso.

Por Stephen Kawuki*

Fotos: Divulgação

À primeira vista, o termo estilo de vida me faz pensar em muitas coisas e às vezes pode ser confundido com a palavra moda, mas o que é um estilo de vida em um sentido estrito? É um termo peculiar, como muitas outras palavras. Porém, o que o torna único é o fato de definir o que as pessoas fazem com seu tempo, como por exemplo: trabalho, entretenimento, viagens, vida social, família, religião, educação, enfim, a lista é infinita. Inclui também o ambiente em que essas atividades são realizadas – onde alguém vive, trabalha ou estuda. No entanto, a questão é: o que o estilo de vida tem a ver com sustentabilidade?

Não é simplesmente o que fazemos, mas como nosso estilo de vida impacta os sistemas naturais em um sentido profundo, não é apenas sobre o que estamos escolhendo consumir, mas onde estamos escolhendo viver. Cada um de nós se alimenta, move e consome bens e serviços, mas muitos agem irresponsavelmente em relação ao meio ambiente. Isso, ao longo prazo, causa maior degradação ambiental. Defensores do meio ambiente afirmam que é devido às ações do ser humano que o meio ambiente está no estado em que está. Se fôssemos mais cuidadosos e cuidássemos da casa comum como o Papa define, não estaríamos em um estado devastador e o aumento dos desequilíbrios climáticos, entre outras catástrofes climáticas que estamos enfrentando não existiria. Os defensores do meio ambiente afirmam que precisamos desenvolver estilos de vida que consumam menos e não prejudiquem os ecossistemas.

A seguir, temos alguns exemplos de nossos hábitos diários que podem ter um grande impacto no meio ambiente: o consumo irresponsável, em que muitas pessoas atraídas por novidades que surgem diariamente pelas indústrias capitalistas adquirem produtos muitas vezes desnecessários, consequentemente descartando mais. Com isso, pouco a pouco o lixo no ecossistema é aumentado, alguns produtos não são recicláveis e acabam causando mais danos à nossa mãe terra. A solução para isso seria conscientizar os consumidores sobre a redução do desperdício de alimentos e água, e apostar na economia circular e na eficiência energética.

planetaOutra questão que precisamos abordar é a mobilidade sustentável. Atualmente, é considerado moda ter um carro pessoal, tirar longas férias e viajar de carro, podendo, a longo prazo, causar um impacto no meio ambiente. A partir dos materiais de produção que são utilizados para a produção de veículos, combustível utilizado, óleos que não podem ser reciclados e são jogados no ecossistema principalmente nos rios, entre outros, todos estes levam à degradação ambiental. A solução adequada para isso, por mais que possa incomodar é optar pelo uso de bicicletas ou patinetes elétricos, carsharing e transporte público, pois leva a uma redução na destruição do ecossistema.

Outro fator que minimiza a degradação ambiental é o alimento sustentável. Nestes tempos modernos, muitas pessoas optaram por fast foods e muito junk food em vez de escolher alimentos nutritivos e dieteticamente equilibrados, além de serem ecologicamente corretos. Estes fast foods são quimicamente produzidos e envoltos em produtos que não são naturais. A forma de armazenamento em armazéns também afeta o ecossistema devido aos gases emitidos na atmosfera, aumentando assim o aquecimento global. A solução para esta questão seria ingerir alimentos frescos e ecológicos, além de comer mais frutas e vegetais que não requerem soluções de armazenamento ao longo prazo e menos carne e peixes que requerem armazenamento a longo prazo.

No que diz respeito ao design sustentável, é evidente especialmente em tempos de celebrações, em que toneladas de lixo são sempre deixadas para trás, nas ruas, estádios, entre outros locais de emoção social. Estamos cientes de quanto tempo leva para o plástico decompor? O conselho dos defensores do meio ambiente é estarmos atentos ao design ecológico, de camisetas a copos, sapatos ou escovas de dente, reciclar e usar menos plástico. Devemos reciclar corretamente e evitar plástico de uso único.
É um apelo a todos nós para examinar o tipo de estilo de vida que estamos vivendo para que a geração do futuro não sofra as consequências de nossos atos e escolhas que ainda somos capazes de mudar para tornar nosso planeta um lugar mais seguro para viver. Todos precisam estar atentos à educação ambiental, ou seja, compartilhar sua experiência com amigos e familiares para que todos estejam cientes da importância da sustentabilidade.

Em um vídeo que o Papa fez em 1º de setembro, Francisco se dirigiu às pessoas dizendo: "Estou muito feliz em ver que os jovens têm a coragem de empreender projetos de melhoria ambiental e social, já que os dois caminham juntos. Nós adultos, podemos aprender muito com eles porque em todos os assuntos relacionados ao cuidado com o planeta, eles estão na vanguarda. Tome o exemplo e reflita sobre o estilo de vida que tem escolhido, especialmente nesses momentos de crise de saúde, social e ambiental. Vamos refletir sobre a maneira como nos alimentamos, consumimos, viajamos ou a maneira como fazemos uso da água, energia, plásticos e muitos outros bens materiais, que muitas vezes é prejudicial para a Terra. Vamos escolher mudar! Rezemos para que todos nós façamos escolhas corajosas e necessárias para um estilo de vida simples e ambientalmente sustentável, inspirando-se em nossos jovens que estão resolutamente comprometidos com ele. Eles não são tolos porque estão comprometidos com seu próprio futuro. Eles querem mudar o que herdarão em um momento em que não estaremos mais aqui." (Setembro: um estilo de vida ambientalmente sustentável Vatican News - Inglês)

Está claro pelas intenções deste mês que precisamos considerar nosso estilo de vida. Neste ponto, devemos lembrar como o Papa Francisco nos encorajou a pensar em "ecologia holística". Simplificando, isso significa como tratamos nosso meio ambiente, nosso "lar comum", e precisamos refletir em como tratamos uns aos outros. Nossas interações às vezes são caracterizadas por egoísmo, desperdício e falta de caridade? Se olharmos para o nosso modo de vida, é provável que descubramos que essas atitudes lamentáveis também são a maneira como tratamos o planeta. Portanto, uma parte importante da oração com o Papa este mês é realizar tal verificação sobre a consciência, pedindo graça para saber quando e como somos viciados em cultura única, tratando as pessoas e a terra como objetos descartando-os quando já não são mais úteis para nós.

Stephen Kawuki, imc, é estudante de teologia.

Deixe uma resposta

3 × 5 =