Dois anos com o Papa Francisco: a opinião de um agnóstico

Rádio Vaticano

Na última quinta-feira, dia 19, celebramos dois anos do início solene do Pontificado do Papa Francisco. Nestes dois anos as palavras e os gestos do Santo Padre suscitaram interesse inclusive entre muitos que não creem, como nos confirma o testemunho do docente ordinário da Universidade de Urbino - região italiana das Marcas - Luigi Alfieri, coordenador da Escola de ciências políticas e sociais da instituição acadêmica. Entrevistado pela Rádio Vaticano, ele nos diz qual aspecto do Magistério de Francisco mais o impressiona:

Luigi Alfieri:- "Com certeza, o aspecto social, que, creio, seja o aspecto que o próprio Papa quis colocar em primeiro plano. O Papa Francisco está levando a sério e fazendo levar a sério a ideia de uma Igreja dos pobres, que não é algo abstrato, ao menos não o é em seu caso. Aliás, diria que se configura como uma verdadeira e precisa escolha política que, como todas as escolhas políticas verdadeiras, é também uma escolha de parte, não em sentido banal e muito menos ideológico ou partidário; mas certamente implica opções fundamentais em relação aos valores, em relação a quem tutela estes valores e a quem, ao invés, não os tutela; implica certamente um juízo muito preciso sobre o atual sistema econômico mundial e sobre isso me parece que o Papa tenha sido totalmente explícito. Portanto, diria que neste momento a Igreja do Papa Francisco se apresenta como uma Igreja que dissente com uma ordem mundial que certamente não pode definir-se - se algum dia já pôde - uma ordem cristã."

RV: Sendo uma pessoa que não crê, como considera a imagem recorrente de uma "Igreja em saída" tão querida pelo Papa Francisco?

Luigi Alfieri:- "Diria que é uma imagem inerente ao nome que escolheu para si. Certamente ninguém jamais pensou que a escolha de chamar-se Francisco - mais ainda, por um não-franciscano - fosse um detalhe sem importância. Evidentemente, é uma indicação de linha política, também uma precisa escolha de imagem: propriamente, uma Igreja que fala fraternalmente aos últimos e que, portanto, escolhe colocar-se do lado dos últimos, e não pode fazer isso eficazmente sem recorrer - justamente - ao nome e à imagem e à dimensão simbólica que está por trás de Francisco. Além do mais, com a consciência plena daquilo que o problema da pobreza foi ao longo dos séculos, nos milênios, diria, na história da Igreja. Foi um dos problemas cruciais e também uma das maiores fontes de lacerações, na Igreja. Certamente, o Papa atual pensa que Francisco pode ter no mundo de hoje uma atualidade e, consequentemente, um papel simbólico comparável ao que desempenhou no mundo medieval."

RV: Como estudioso, como o senhor explicaria a capacidade comunicativa do Papa Francisco?

Luigi Alfieri:- "Certamente, se o meio é a mensagem, vale também a ideia oposta: que a mensagem é o meio. E, justamente, uma mensagem da simplicidade, uma mensagem da rejeição aos adereços, uma mensagem - num certo sentido - de "dessacralização" da Igreja, uma Igreja fraterna, uma Igreja que socorre, não uma Igreja que "julga" e "reina", evidentemente se essa é a mensagem deve ser expressa de modo adequado. Portanto, a escolha de uma linguagem simples, na realidade muito mais refinada do que possa parecer, é consequente. O Papa Bergoglio é um grande intelectual, não é certamente um simples pároco do campo, embora por vezes escolha precisamente "aquela" linguagem ou "aquele" modo de colocar-se; mas o faz de modo refinado, com a plena consciência daquilo que quer dizer: para dizer "aquilo", deve dizê-lo "daquele modo". Não me entenda de modo errado: certamente não estou dando a isso um sentido negativo, mas o Papa Bergoglio é um político finíssimo, com certeza, um dos mais finos políticos que a Igreja teve nas últimas décadas..."

Fonte: br.radiovaticana.va

Deixe uma resposta

1 × três =