A ACN (Ajuda à Igreja que Sofre) na Ucrânia

Arcebispo Vitaliy Herasymiv rezando com soldados num posto de bloqueio. Foto: ACN

Arcebispo Vitaliy Herasymiv rezando com soldados num posto de bloqueio. Foto: ACN

A ACN realizou mais de 290 projetos na Ucrânia, desde a invasão russa em 24 de fevereiro de 2022

Por O São Paulo

Distribuídos em diferentes projetos em toda a Ucrânia, a ACN incluiu dioceses católicas latinas e gregas, apoiadas com ajuda existencial, alimentos e serviços básicos, transporte, geradores e sistemas de isolamento ou aquecimento e apoio aos refugiados.

Quando as tropas russas começaram uma invasão em grande escala na Ucrânia, em fevereiro de 2022, bombardeando grandes cidades e tentando capturar Kiev, a Fundação Pontifícia ACN (Ajuda à Igreja que Sofre) foi uma das primeiras organizações de socorro a fornecer assistência imediata aos civis ucranianos. Após 12 meses de guerra, a ajuda total à Ucrânia soma 292 projetos.

“Ao longo do ano, não houve trégua nesses esforços; pelo contrário, eles se multiplicaram e ajudaram diretamente mais de 15.000 religiosos, entre sacerdotes, freiras e leigos, a maioria das quais se dedica a servir os mais necessitados e desesperados, incluindo aqueles que perderam todos os seus bens, ou mesmo membros da família, durante a guerra”, informa Valter Callegari, diretor executivo da ACN-Brasil.

Uma grande parte destes projetos consistiu em ajuda existencial de emergência, que beneficiou 7.447 sacerdotes, religiosas e funcionários diocesanos. Estes são os homens e as mulheres que permaneceram no terreno, por vezes nas situações mais perigosas, mantendo a vida e as atividades da Igreja em curso e permitindo-lhe continuar a prover às necessidades espirituais e materiais da população local.

Como circunstâncias extraordinárias exigem medidas extraordinárias, muitos seminários e outros edifícios da Igreja abriram suas portas para as famílias que fugiam do conflito. Alimentos e serviços básicos foram garantidos pela ACN, através da ajuda a 738 seminaristas, bem como o financiamento de 231 melhorias de cozinha e fornos portáteis, ou outros equipamentos domésticos para paróquias, mosteiros, seminários e outras instituições que estão ajudando os refugiados.

As primeiras semanas e meses da guerra viram uma grande onda de pessoas deslocadas se dirigirem para o oeste da Ucrânia. A ACN também esteve presente para essas pessoas e forneceu apoio direto a 2.274 refugiados, na forma de ajuda humanitária através de instituições da Igreja.

Distribuição de ajuda humanitária. Foto: ACN

Distribuição de ajuda humanitária. Foto: ACN

Alívio social e espiritual para crianças e jovens

As crianças e os jovens estão sempre entre os mais afetados nestas situações, pois a guerra impõe mudanças radicais de hábitos e interrompe as rotinas escolares. Durante este ano, a Igreja local prestou uma atenção especial às necessidades educacionais, incluindo oportunidades de lazer que são essenciais para um desenvolvimento saudável. A ACN contribuiu para este esforço financiando atividades pastorais juvenis e campos de férias em áreas seguras, longe das zonas de combate, para 1.712 jovens.

Agentes religiosos e milhares de voluntários leigos deram tudo de si para ajudar os seus irmãos e irmãs em perigo, assumindo o risco de exaustão física e espiritual. Portanto, a ACN também financiou 16 projetos de sessões de formação e retiros espirituais para 3.280 pessoas, a grande maioria das quais – 2.640 – eram leigos e famílias envolvidas nos esforços pastorais da Igreja, com os restantes 640 sendo religiosos, sacerdotes ou catequistas.

Gerando calor e esperança

Com a persistente crise energética resultante da guerra, a aproximação do inverno trouxe consigo novas necessidades em termos de aquecimento. A ACN conseguiu fornecer 205 geradores e 78 sistemas de isolamento ou aquecimento a diferentes comunidades de religiosos consagrados, permitindo-lhes assim permanecer nas suas residências. A estes esforços podem ser adicionados 25 projetos de construção ou renovação para melhorar, reparar ou ampliar edifícios, incluindo igrejas; três projetos de água ou saneamento e três projetos para a instalação ou substituição de janelas.

Além de todos esses projetos, a Fundação Pontifícia também ajudou na compra de 80 carros e vans que foram doados a dioceses, paróquias, seminários e ordens religiosas, entre outros, e são usados para prestar assistência pastoral e distribuir suprimentos.

Como sempre, uma parte muito importante da assistência da ACN veio na forma de estipêndios de Missas que ajudam a apoiar os sacerdotes em seu trabalho diário. Estas Missas são celebradas pelas intenções dos benfeitores e, naturalmente, pelo fim das hostilidades. Pelo menos 6.549 sacerdotes receberam estipêndios da Missa, e o benefício espiritual deles é incalculável.

A ACN também ajudou a comprar 130 kits litúrgicos para que os sacerdotes pudessem celebrar o Mass em diferentes situações e ambientes, às vezes em movimento ou em zonas de conflito.

A entidade de caridade católica internacional continua a receber mensagens de profunda gratidão dos seus parceiros locais.  Em uma mensagem de Natal enviada à ACN, o Arcebispo Maior Sviatoslav Shevchuk, da Igreja Greco-Católica Ucraniana, disse: “Deixe-me transmitir-lhe os melhores desejos e agradecimentos da Ucrânia, em meio ao frio. Sem eletricidade, sem aquecimento. Mas com Deus, que vem para nascer de novo entre nós. Que a presença de Deus seja a nossa esperança, seja a nossa fé e seja a fonte da nossa vida nas circunstâncias atuais de guerra na Ucrânia!”.

O arcebispo greco-católico de Lviv, Mieczyslaw Mokrzycki, e seu bispo auxiliar Volodymyr Hrutsa, também expressaram seus “sinceros agradecimentos a todos os benfeitores da ACN” e pediram que eles “continuem a prestar ajuda à Ucrânia, especialmente na temporada de inverno”.

Durante uma conferência online em 8 de fevereiro de 2023, o Mons. Visvaldas Kulbokas, Núncio Apostólico na Ucrânia, disse à ACN que: “Sentimos a sua presença. Sentimos suas orações e todos os dias estamos testemunhando pequenos milagres – suas orações são muito importantes para permanecer fortes e somos gratos”.

Sobre a ACN (Ajuda à Igreja que Sofre)

A ACN (Ajuda à Igreja que Sofre) é uma Fundação Pontifícia que auxilia a Igreja por meio de informações, orações e projetos de ajuda a pessoas ou grupos que sofrem perseguição e opressão religiosa e social ou que estejam em necessidade. Fundada no Natal de 1947, a ACN tornou-se uma Fundação Pontifícia da Igreja em 2011. Todos os anos, a instituição atende mais de 5.000 pedidos de ajuda de bispos e superiores religiosos em cerca de 140 países, incluindo: formação de seminaristas, impressão de Bíblias e literatura religiosa – incluindo a Bíblia da Criança da ACN com mais de 51 milhões de exemplares impressos em mais de 190 línguas; apoia padres e religiosos em missões e situações críticas; construção e restauração de igrejas e demais instalações eclesiais; programas religiosos de comunicação; e ajuda aos refugiados e vítimas de conflitos.

Deixe uma resposta

onze + quatro =