Instituição e Missão

O Instituto Missões Consolata (IMC), fundado pelo Padre José Allamano (1901) é uma Instituição Religiosa com uma organização internacional, uma espiritualidade trinitária, de comunhão, e mariana, de Consolação-liberação, com uma metodologia missionária de Anuncio do Reino de Deus e promoção da vida, caraterizada por três qualidades, segundo o Fundador: “perseverante, concorde e iluminada” (Carta aos missionários do Quênia, 2 de outubro de 1910).

Por Salvador Medina *

Quando celebramos 120 anos de vida e missão do Instituto Missões Consolata, a memória se volta às origens e se pergunta pela primeira motivação geradora deste movimento missionário espalhado pelo mundo afora. Perguntando ao padre da “boa ideia”, o Bem-aventurado José Allamano, responde: “Como eu não pude ser missionário quis ajudar os que desejavam seguir tal caminho” (Conferência às Missionárias da Consolata, 19 março de 1916).

allamanoaparecida1

Quatro lições para hoje

Instituto, como um organismo vivo e não apenas instituição, cresce e amadurece ou se estaciona e empobrece, com o contributo de todos e cada um dos seus membros.

A fidelidade, tão necessária nestes tempos de consumo-descartável e pluralismo de opções e oportunidades, não é à Instituição, à qual se deve pertença ativa e participativa corresponsável, mas a missão do Senhor Jesus, numa palavra, a Ele mesmo.

A Animação Missionária, entendida como a facilitação para que os outros vaiam em missão, é fundamental na sociedade e na Igreja.

O intercambio de conteúdos e práticas, entre a missão nos diversos contextos e a instituição, bem acompanhado, sistematizado e comunicado, é fundamental para a formação continua dos missionários, a eficácia da missão e o crescimento integral do Instituto e da Igreja.

fundacao_consolata_superiores

Na sala Clementina no Vaticano, Roma, papa Francisco recebe irmã Simona Brambila e padre Stefano Camerlengo. 05/06/2017. Foto: ANSA

A missão: uma atitude de espírito

Na despedida dos missionários (2 de novembro de 1913) o Padre Allamano afirmou: “Esta casa encheu-se continuamente, mas não é o número que importa, mas o espírito” (Conf. I, 610).

Numa outra despedida de missionários (12 de dezembro de 1920): “… o lugar é uma materialidade, não importa estar num lugar ou num outro… somos todos missionários, estamos todos juntos, fazemos todos o mesmo trabalho, como se estivéssemos todos aqui, todos no Quênia, todos no Kaffa, todos no Iringa …” (Conf. III, 499).

Frequentemente falava da necessidade de “ter espírito”. Espírito de: pobreza, humildade, sacrifício, oração, fé, trabalho, desapego, caridade, mansidão… para tornar-se missionários e para realizar a missão.

Ter espírito significa “viver em função de”, porque é na direção da Missão que deve ser encaminhado o ser e o agir do missionário.

Celebração presidida por padre Stefano Camerlengo em comemoração dos 120 anos de vida e missão do Instituto Missões Consolata, Roma, Itália.

Celebração presidida por padre Stefano Camerlengo em comemoração dos 120 anos de vida e missão do Instituto Missões Consolata, Roma, Itália.

“Espírito de” é: uma realidade que penetra, sustenta e valoriza outras realidades; sal que exalta os sabores; mola que impele; luz que ilumina; profundeza e intensidade; interioridade; totalidade; constância, “habitus”, virtude; ir ao essencial; transformação; coerência; modo de ser e de agir; unidade e harmonia; tensão ao melhor, à santidade: “Primeiramente santos e depois missionários”; “Fazer o bem com perfeição”, “da melhor maneira possível”, “cada dia melhor”. Mais zelo, mais santidade, mais amor para com Deus, mais virtude, mais ciência… qualificam o missionário. O “espírito de” é um “mais”, é a resposta à vocação mais sublime que é a vocação missionária.

* Padre Salvador Medina é Missionário da Consolata na Colômbia.

Deixe uma resposta

sete + 12 =