Emergência pandemia e a saudade da comunidade em carne e osso

Homilia do Papa na Santa Marta: “A familiaridade dos cristãos com o Senhor é sempre comunitária. É pessoal, mas em comunidade. Uma familiaridade sem comunidade, sem pão, sem a Igreja, sem o povo, sem os sacramentos, é perigosa.”

Por Andrea Tornielli

“Uma familiaridade sem comunidade, sem pão, sem a Igreja, sem o povo, sem os sacramentos, é perigosa.” Francisco, na homilia da missa matutina na Santa Marta, encontro que acompanha e conforta milhões de pessoas neste período de isolamento forçado e ajuda a manter as comunidades unidas, falou do risco de uma fé vivida de maneira íntima. A reflexão do Papa parte da história do Evangelho de João: Jesus, que espera os discípulos na margem do lago de Tiberíades, entretém-se com eles e come com eles o peixe assado na brasa. É uma familiaridade que passa através do estar à mesa discutindo juntos.

A do cristão, explicou Francisco, é “uma familiaridade cotidiana com o Senhor”, como a de quem se senta à mesa para tomar café da manhã e falar naturalmente do que está em seu coração. Uma familiaridade que é sempre comunitária, mesmo sendo pessoal e íntima. Porque uma familiaridade sem comunidade, sem relações humanas, sem a partilha do pão, sem os sacramentos, pode correr o risco de se tornar “gnóstica”, evanescente. Isto é, ser reduzida a “uma familiaridade apenas para mim, separada do povo de Deus”. Enquanto a vivida pelos apóstolos com Jesus sempre foi uma familiaridade comunitária, vivida à mesa, sinal de comunidade, “com o Sacramento, com o pão”.

O isolamento a que somos obrigados neste momento devido à pandemia e a impossibilidade de participar da celebração eucarística nesta situação de emergência, não devem trazer o risco de nos acostumar a viver uma fé íntima. Hoje, milhões de pessoas se conectam através dos meios de comunicação para tentar viver sua pertença à comunidade; estão juntas através de uma tela, sem estarem fisicamente. Uma modalidade necessária, neste momento, a única possível na emergência que todos esperamos que termine em breve.

Mas isso não pode nos fazer esquecer que a Igreja, os Sacramentos, o povo de Deus são concretos. A familiaridade vivida através dos meios de comunicação é uma ajuda e representa hoje, explica o Papa, uma maneira de “sair do túnel, não de permancer”. Portanto, Francisco nos convida a não considerar essa modalidade normal, que também tem trazido conforto a muitas pessoas nas últimas semanas, apoiando-as na solidão e na provação. De fato, os cristãos estão inseridos na comunidade, no povo de Deus. Um povo de carne e osso que parte o pão, ouve a Palavra, partilha na caridade e anuncia a alegria do Evangelho de pessoa a pessoa, através do testemunho da vida e da proximidade concreta. Um povo que sabe explorar de forma criativa todas as oportunidades oferecidas pelas novas tecnologias para manter-se em contato e alcançar aqueles que estão sozinhos, sempre esperando, quando possível, poder encontrar-se fisicamente em torno da mesa eucarística. Um povo que se sente acompanhado cotidianamente pelo Papa e que olha com gratidão aos muitos sacerdotes, religiosas, voluntários que nesses dias encontraram maneiras de estar concretamente próximos aos moribundos, doentes, descartados, colocando em risco suas vidas e, em muitos casos, até sacrificando-as.

Fonte: Vatican News

Deixe uma resposta

1 × 1 =