Entrevista de João Pedro Stedile para o jornal Diário da Manhã

Líder do Movimento dos Sem Terra analisa crise política brasileira.

Por Renato Dias

Primeiro, a deposição, sem crime de responsabilidade, de Dilma Rousseff. Segundo, as reformas ultraliberais. Terceiro, a prisão de Luiz Inácio Lula da Silva. Três atos, interligados, de um golpe?

joaopedrostedile2Claro. Não precisamos ser paranoicos para dizer, que tudo isso estava planejado num script. Mas é assim que funciona a lógica dos interesses dos capitalistas e das empresas transnacionais (leia-se império dos Estados Unidos) no Brasil. E tudo começou por causa da crise econômica que atinge a todo mundo e veio com força ao Brasil, a partir de 2013. Quando há crise, cessa o crescimento, os lucros, o excedente de bens. Nesse contexto a burguesia precisa ter o controle absoluto do Estado, para aplicar medidas que a protejam da crise e joguem todo peso da recuperação sobre a classe trabalhadora. Esse é o script da história do capitalismo e se reflete aqui no Brasil também. Veja que em fevereiro de 2017, o comandante do Exército, general Vilas Boas escreveu um longo artigo no jornal Valor Econômico e comparou a situação do Brasil ao Titanic, que estava afundando e sem comando, sem direção. Ele só esqueceu de seguir a descrição e dizer que nessas circunstâncias a primeira classe se apodera dos botes e se salva, e a segunda e terceira classe se afoga. E ainda, eles tiveram o escárnio de botar a orquestra a iludir os que não teriam bote. Esse é o papel da Globo. Iludir o povo. É isso que está acontecendo de fato no Brasil, os botes para burguesia para salvar-se é ter controle do Poder Judiciário, do Congresso e com o golpe, do Executivo.

1954, 1956, 1961, 1964, 1985, 2016 e 2018, na História do Brasil República, mantém um fio de continuidade?

Acho que a situação atual tem uma similaridade mais apropriada com o que foi a crise de 1930, a crise da década de 60, e a crise da década de 80. Foram três períodos em que houve uma grave crise econômica no país. E sempre que há crise econômica, se acirra da disputa da luta de classes, e com isso traz consequências sociais e políticas, porque sempre os mais pobres pagam a conta. E a crise política, no sentido de que é necessário se criar uma nova maioria, uma nova hegemonia, que apresente um projeto de país. Por tanto, a história nos ensina que estamos diante de uma grave crise, agravada pela crise de valores, pois o capitalismo não representa mais progresso e solução para as maiorias. E nessas circunstâncias a saída da crise dependerá de um novo projeto, de uma nova hegemonia. E a burguesia brasileira demonstrou após o golpe que não tem projeto de país. Eles só tem um plano de salvar seu lucro e jogar o peso da crise sobre os trabalhadores. Que estão pagando com a vida...

É possível Luiz Inácio Lula da Silva sair da cadeia?

Primeiro, Lula não cometeu nenhum crime. Não trocou nenhum favor de empresas com favorecimentos do seu governo. Não há absolutamente nada. Receber recursos de empresas para o Instituto Lula não é crime. O Instituto Fernando Henrique Cardoso vive com contribuições das mesmas empresas. A armação da lava-jato com a fantasia do tríplex caiu por terra com a ocupação do MTST, que demonstrou a vergonha que é o apartamento. O juiz Sergio Moro, colocou na sentença uma nota fiscal de um elevador, que não existe. E fica por isso mesmo. A perseguição ao Lula é para impedi-lo de ser candidato, porque ele é o único representante da classe trabalhadora com chances de ganhar da burguesia. Então, para a burguesia consolidar seu golpe e manter o poder por mais quatro anos, para ela poder sair da crise, ela precisa tirar o Lula do páreo, que significa tirar a classe trabalhadora, as maiorias do jogo eleitoral. Por isso dizemos, que eleição sem Lula é uma fraude. Que não devemos obedecer. Agora, para o Lula sair da cadeia, depende de dois fatores: as medidas e recursos judiciais, que espero cheguem logo ao STJ e STF, para que eles revisem o processo e vejam a manipulação que houve pela turma de Curitiba.

E o outro fator é a mobilização de massas, de protestos, etc. Acho que estamos caminhando bem nas duas direções, e nas próximas semanas devem avançar nessas direções. E na minha opinião, mesmo preso o PT vai registrar sua candidatura e se por ventura ele ainda ficar até agosto ele deve disputar as eleições, mesmo assim.

Existe um Plano B para a Presidência da República?

Falar em plano B, é oportunismo eleitoral. Todo partido deve ter seus candidatos, mas não em lugar do Lula. Quem falar em plano B ao Lula, é na pratica condená-lo e aceitar que o processo foi justo. Quando não foi. Lula é inocente, e deve ser candidato a presidente. E a direita e a burguesia que o derrote nas urnas se quiser ter alguma legitimidade ainda democrática...

O fascismo assombra como um espectro o Brasil?

Há um pensamento reacionário e conservador nas classes dominantes brasileiras que vigorou em toda historia. Recomendo que leiam o ultimo livro de Jesse de Souza (A Elite do Atraso) aonde ele argumenta que a raiz desse pensamento esta nos 400 anos de escravidão. Ou seja, os ricos do Brasil sempre se comportaram e até nos dias atuais como Casa Grande e querem sempre ter uma senzala para mandar, para humilhar. Porém, isso não é fascismo. Fascismo como se desenvolveu na Europa e no Japão, foi um movimento de massas, de direita, em que a classe trabalhadora aderiu. E dai deu Hitler, Mussolini, o imperador japonês, etc. Aqui no Brasil, temos ideias fascistas defendidas, agora abertamente pela internet, mas não há um movimento fascista clássico. Bolsonaro, Caiado podem representar uma parcela dessa elite reacionária, mas jamais representarão a classe trabalhadora como um todo.

Qual o futuro de Michel Temer após deixar o Palácio do Planalto?

Só o diabo sabe!. Pois até as pedras conhecem os esquemas de corrupção que foram praticados antes e durante o golpe. E o pior não só em favor do PMDB, como ficou absolutamente claro nas malas encontradas no apartamento do Gedel, mas também para apropriação pessoal. Seu patrimônio é absolutamente incompatível com o salário de promotor, de professor ou deputado, funções que sempre exerceu. Em São Paulo o MST ocupou em forma de protesto, diversas vezes, uma fazenda de 1.200 hectares, que está no nome de um coronel da reserva, que todos sabem é apenas laranja. Até porque nenhum coronel da PM consegue com salário comprar fazendas...

O processo de Reforma Agrária no Brasil está parado?

Está parado desde a metade do primeiro mandato da Presidenta Dilma a quem criticávamos por isso, publicamente. Mas mais que buscar culpados, temos que entender que a reforma agrária esta parada, porque ela só se viabiliza quando é parte de um projeto de desenvolvimento nacional do país. Como não há projeto para a agricultura brasileira, o que prevalece é o modelo do capital que é o agronegócio, que simplesmente vai para agricultura para obter o máximo de lucro e espoliar a natureza. Por isso eles não produzem alimentos, não geram emprego, não desenvolvem os municípios. Basta olhar a situação social ai dos municípios de Goias que o agronegócio tomou conta com a cana, o milho e a soja. O que ficou para o povo goiano? Nada, ou melhor a migração, as favelas e o desemprego. O agronegócio quer apenas lucro. E o pior, a maior parte do lucro produzido pela soja, cana, milho vai para o capital financeiro e para as empresas que controlam o mercado mundial. Os fazendeiros são ignorantes, não veem que apesar de proprietários das terras, ficam com apenas 13% de toda renda agrícola do agronegócio.

A reforma agrária hoje não é mais apenas distribuir a terra, é construir um novo modelo de produção agrícola, que se baseia na produção de alimentos, na garantia de emprego para nosso povo, na implementação de agroindústrias cooperativas, na produção de alimentos saudáveis pela agroecologia e na democratização da educação. Por isso, depende de um novo projeto para o país, que só virá depois da crise.

O que apontam os números da violência no campo? Dados de 2017.

Sempre que há uma crise, sempre que a burguesia tem hegemonia total no poder, com o Judiciário, a mídia, o Congresso e o Executivo, a violência contra os trabalhadores aumenta. Porque eles tem controle total de tudo. Então a vida dos trabalhadores que resistem não vale nada para eles. Podem usar pistoleiros, polícia militar, para controlar com mão de ferro as injustiças que eles praticam. Porque sabem que estarão impunes. Agora, essa violência é maior nas regiões de fronteira agrícola, aonde o capital disputa as terras públicas, os recursos da natureza, a mineração, etc. com mais ganância... Por isso saímos de um padrão anual de 30 assassinatos, para mais de 70 por ano, depois do golpe, segundo os levantamentos da CPT. E por isso também há mais violência contra os povos indígenas e comunidades quilombolas, que preservam os bens da natureza aspirados pelo capital. Mas a violência maior, apesar de tantas mortes desnecessárias, é a violência geral praticada pelo agronegócio, que tira direitos, tira oportunidade de trabalho e de vida boa no campo.

O que mostra o incêndio e o desabamento de edifício ocupado em São Paulo? A necessidade de uma Reforma Urbana?

O incêndio foi uma tragédia anunciada, pois dezenas de famílias viviam de forma precária num prédio abandonado até pela Polícia Federal, sem que as autoridades municipais, estaduais e federais tenham tomado qualquer medida para resolver o problema. Foi uma tragédia anunciada. E há diversos outros prédios no centro de São Paulo nas mesmas condições de precariedade, onde a qualquer momento pode haver outra tragédia. Nós temos um déficit ao redor de 7 a 10 milhões de casas que falta para os trabalhadores que moram nas cidades. Como se resolve isso? Somente com um novo projeto de país, em que a questão da moradia seja encarada como uma necessidade e um direito para todos, e por tanto as forças do governo, das empresas sejam utilizadas para resolver essa questão. Mas o que predomina é a apenas a mentalidade da concentração em poucas mãos e da especulação das empresas, que querem construir só para ganhar dinheiro. Vejam a revelação do desembargador do TJ de São Paulo, que denunciado que recebia auxilio moradia, tendo casa, foi a publico dizer que ele tinha mais de 50 apartamentos e se orgulhava... como se ele precisasse disso, e se eles fossem oriundo do seu trabalho... então esse juiz, esse Poder Judiciário, são também responsáveis pelas tragédias que ocorrem nas grandes cidades. Mas na cabeça desses reacionários, lugar de pobre é na cadeia.. e não em moradias dignas...

Não há, hoje, uma apatia dos movimento populares? Urbanos e rurais?

Sim, há uma apatia geral do povo brasileiro. O povo agora percebeu que o golpe foi contra ele, e ele está pagando com desemprego, trabalho precarizado, perda de direitos, de moradia, aumento do gás, para aumentar o lucro dos acionistas da Petrobras etc. Uma apatia resultado da derrota que mistura raiva e medo. E isso se reflete nos movimentos populares, que são apenas mediações do povo. Mas a história demonstra que isso é passageiro.. que o movimento de massas se move, as vezes em refluxo, as vezes adormecido, mas sempre volta e com mais força. Eles que nos aguardem, que o povo voltará com força, e elegerá o Lula presidente, para fazer as mudanças que o país precisa.

Fonte: Diário da Manhã

Deixe uma resposta

2 × 2 =