Advento nas comunidades

Genival Saraiva *

A liturgia católica introduz e acompanha os fiéis na celebração do mistério de Cristo que é vivenciado, ao longo do Ano Litúrgico. Na sua sábia pedagogia, a liturgia faz o percurso da vida natural e divina de Jesus. Daí iniciar-se o Ano Litúrgico, precisamente, com o Ciclo do Natal, que compreende o período do Advento e o tempo de Natal que inclui a Epifania (Festa dos Reis Magos) e a celebração do Batismo de Jesus. Dessa maneira, constituem traços da vida humana de Jesus a sua viagem de Nazaré a Belém, no ventre de Maria, seu nascimento, sua apresentação ao Senhor no templo de Jerusalém, a visita dos Reis do Oriente, a perseguição de Herodes, o infanticídio de inocentes (Santos Inocentes) e a fuga para o Egito; na verdade, a liturgia celebra a face humano-divina de Cristo, no mistério do Natal.

Na teologia cristã, o ponto de referência do mistério celebrado é a Páscoa, a Ressurreição de Jesus. São Paulo tinha plena certeza da centralidade do mistério pascal: "E se Cristo não ressuscitou, a nossa pregação é sem fundamento, e sem fundamento também é a vossa fé. E se Cristo não ressuscitou, a vossa fé não tem nenhum valor e ainda estais nos vossos pecados." (1Cor 15,14.17) A Páscoa também é vivenciada, liturgicamente, com seu momento de preparação, a Quaresma, e na sua expressão maior, a celebração do Tríduo Pascal e do tempo da Páscoa. A vida natural do Cristo adulto e a condição divina do Cristo missionário do Pai são celebradas no mistério da Páscoa. Com a celebração de Pentecostes, a liturgia celebra o mistério de Cristo, com a significação que tem para a Igreja, na sua trajetória peregrina. Cada tempo litúrgico tem um perfil próprio, por seu significado, seu fundamento bíblico, sua espiritualidade e sua linguagem pastoral.

Essas notas distintivas são muito visíveis no Ciclo do Natal, a começar pelo significado do Advento: "Advento é tempo de espera d'Aquele que há de vir. Pelo Advento nos preparamos para celebrar o Senhor que veio, que vem e que virá; sua liturgia conduz a celebrar as duas vindas de Cristo: Natal e Parusia. Na primeira, celebra-se a manifestação de Deus experimentada há mais de dois mil anos com o nascimento de Jesus, e na segunda, a sua desejada manifestação no final dos tempos, quando Cristo vier em sua glória." O Advento tem um rosto especial também em razão do que revela a Sagrada Escritura: o Messias prometido, concebido no seio de uma virgem (cf. Is 7,14), segundo a profecia (cf. Mq 5, 1), nasce em Belém (cf. Lc 2, 1-20). A espiritualidade do Advento na Igreja Católica fala "sobre a vinda hoje do Senhor em nossas vidas. Por isso, seria muito importante termos algumas atitudes neste tempo: Atitude de ESPERA: Alegre chegada e amorosa acolhida. (...). Atitude de RENOVAÇÃO: O Advento é tempo de conversão e penitência. (...). Atitude de ORAÇÃO: A oração é elemento primordial da espiritualidade cristã. (...). Atitude de CARIDADE FRATERNA: A caridade é a essência do nosso ser e agir cristão." A linguagem pastoral do Advento está muito presente nas comunidades e se expressa de muitas maneiras; sem dúvida, no Brasil, destaca-se uma que é praticada pelos católicos, há muitos anos: a Novena do Natal. As famílias se encontram para a oração em comum, para a reflexão, a partilha da Palavra de Deus, o olhar sobre fatos vividos por pessoas e comunidades e para o testemunho da fraternidade, através de gestos de solidariedade.

Quando bem celebrado nas comunidades, o Advento é certeza de um Natal bem vivido nas famílias!

* Dom Genival Saraiva é bispo de Palmares - PE.

Fonte: www.cnbb.org.br

Deixe uma resposta

1 × três =