Seminário Nacional Celebra os 60 Anos das Campanhas da Fraternidade e Aborda Novos Desafios

Por Redação

O Seminário Nacional de Campanhas, um evento coordenado pelo Setor de Campanhas da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), teve início na última quinta-feira, 14 de setembro, na Casa Dom Luciano. Este seminário reúne aproximadamente 60 líderes responsáveis pela dinamização da Campanha da Fraternidade em diversos regionais da CNBB, jornalistas, comunicadores, e lideranças da Pastoral da Comunicação, além de representantes de canais de televisão católicos e da Signis Brasil.

O evento, que se estenderá até o próximo domingo, 17 de setembro, foi inaugurado com um discurso do assessor das Campanhas da CNBB, padre Jean Poul. Ele destacou que o Seminário tem como principal objetivo aprofundar o entendimento sobre o processo das campanhas da CNBB, a gestão de seus recursos, a celebração do 60º aniversário da Campanha da Fraternidade, a avaliação da Campanha da Fraternidade 2023 e o planejamento da Campanha da Fraternidade 2024.

Uma novidade notável desta edição do seminário é a presença de muitos comunicadores da Igreja no Brasil. O padre Jean Poul ressaltou que essa inclusão estratégica visa elevar a qualidade da comunicação das Campanhas da CNBB. Após aproximadamente três anos realizando o Seminário Nacional em formato virtual, as expectativas são otimistas para esse encontro pessoal.

Verônica Souza, diretora de jornalismo da TV Aparecida, enfatizou a importância da participação das televisões católicas e dos jornalistas no Seminário. Ela destacou que entender como as campanhas são concebidas e planejadas é fundamental para aprimorar a cobertura e a divulgação. "É importante conhecer o público-alvo da campanha, seus objetivos e metas, para realizar um trabalho mais eficaz na disseminação das ideias da campanha", afirmou.

O tema da celebração de abertura do Seminário foi "Campanha da Fraternidade, 60 anos a serviço da vida plena para todos". Durante a celebração, foram relembrados todos os temas e lemas das campanhas desde a primeira Campanha da Fraternidade realizada em 1960, na cidade de Nísia Floresta (RN). Esse evento histórico deu origem à campanha adotada pelo episcopado brasileiro e pela Igreja no Brasil.

Intercalando os discursos, os participantes cantaram trechos das músicas das campanhas e compartilharam memórias pessoais sobre eventos ou campanhas que tiveram impacto em suas vidas pastorais e na Igreja. No segundo dia do seminário, a história das Campanhas foi explorada com mais profundidade.

Leon Souza, diretor de Engajamento Social da Casa Galileia, conduziu uma discussão sobre o tema "O que é uma campanha?", com foco na perspectiva de campanhas que buscam promover mudanças comportamentais, percepções, políticas e de infraestrutura a partir da identificação de problemas concretos. Os participantes também abordaram a importância de as campanhas definirem claramente sua "declaração de impacto", suas estratégias, público-alvo, objetivos, mensagens e narrativas.

Monsenhor Nereudo Freire Henrique, ecônomo e membro do Conselho Gestor da CNBB, apresentou uma prestação de contas das Campanhas realizadas pela CNBB, com foco nas Campanhas da Fraternidade e na Campanha para a Evangelização do último ano. Ele comemorou o fato de que 89% das dioceses já repassaram os recursos ao Fundo Nacional de Solidariedade referentes à Campanha da Fraternidade de 2023, ressaltando que apenas 42 dioceses ainda precisam enviar os recursos. Em 2022, o FNS apoiou 186 projetos, totalizando um montante de 4,998 milhões de reais. Os participantes enfatizaram a importância de continuar avançando em direção a um compromisso e transparência ainda maiores, fatores que contribuirão para aumentar a credibilidade das Campanhas da CNBB e das coletas.

O Seminário Nacional de Campanhas representa um esforço contínuo da CNBB em aprimorar suas estratégias de comunicação, gestão de recursos e alcance de suas campanhas em prol de uma sociedade mais justa e fraterna.

Com informações da CNBB

Deixe uma resposta

3 × cinco =