A lembrança dos que partiram

Nos consolamos ou aceitamos quando entendemos que a pessoa completou o seu peregrinar neste mundo, para viver a vida eterna e receber o abraço da ternura e da misericórdia do Pai, no dia da ressurreição.

Por Dom José Gislon

Estimados irmãos e irmãs em Cristo Jesus! No ciclo da vida, que para alguns pode durar uma centena de anos ou mais, e para outros pode ter a brevidade de uma flor rara, que não dura mais do que algumas horas, alguns dias, alguns meses ou alguns anos, não importa a brevidade do tempo, ninguém parte deste mundo sem deixar marcas no coração de alguém que ama.

Rio_Cuiabá_CuiabáNo dia 2 de novembro celebraremos o Dia dos Finados e todos nós temos alguém para recordar. Neste dia de silêncio e oração, onde reavivamos na memória as lembranças de pessoas que fizeram parte da nossa vida. São familiares, amigos e conhecidos que marcaram a nossa vida e viveram a experiência da morte, mas os recordamos na mente e com afeto no coração.

Quando uma pessoa vive o seu caminho existencial, com todas as provações que fazem parte da vida do ser humano, e nós estamos profundamente ligados a ela, por laços afetivos de parentesco ou por amizade, choramos e lamentamos a sua partida. Porém, nos consolamos ou aceitamos quando entendemos que ela completou o seu peregrinar neste mundo, para viver a vida eterna e receber o abraço da ternura e da misericórdia do Pai, no dia da ressurreição.

A vida e a morte nos provam. Nos provam, e, às vezes, temos o coração ferido porque a vida nos aproxima e a morte nos separa. Perder uma pessoa que amamos, que faz parte da nossa vida, dos nossos sonhos, dos projetos que construímos juntos é uma dor que atinge milhões de pessoas. Num dia de finados, estando num grande cemitério, enquanto aguardava a hora da celebração eucarística, comecei a percorrer o local e fui observando os túmulos e os nomes escritos nas lápides. Alguns construídos de forma sóbria, outros artisticamente trabalhados, outros em estado de abandono, simbolizando como que uma ruptura entre passado e presente, na ligação afetiva familiar. No silêncio e naquele estado de abandono, eles nos falam: já não sou recordado, saí do mundo e do coração dos meus familiares.

Mas também pude perceber no semblante das pessoas que estavam junto à cruz, ascendendo velas, um olhar distante perdido no silêncio, mas naquele silêncio traziam presente o passado, a alegria da vida e a dor da separação pela morte de seus entes queridos. Ao redor de alguns túmulos, estavam agrupadas várias pessoas, em outros não tinha ninguém, mas tinha também aqueles que estavam recebendo a visita de uma única pessoa. Esta, às vezes estava sentada junto ao túmulo. Ali não se via risos, abraços e reencontros, mas percebia-se um reencontro marcado pelo silêncio, cujo olhar ia além do presente, fazia ponte de comunhão com alguém do passado, mas que no amor permanecia presente no coração.

Dom José Gislon é bispo de Caxias do Sul, RS.

Deixe uma resposta

1 × 2 =