Os idiomas do anúncio

Nestor Saporiti nos arquivos gerais dos Missionários da Consolata em Roma. Fotos: Jaime C. Patias

Nestor Saporiti nos arquivos gerais dos Missionários da Consolata em Roma. Fotos: Jaime C. Patias

Um dos dramas culturais de nosso mundo globalizado e de muitas maneiras conectado é o fato de que a cada dia morre uma língua, e com ela perde-se a memória viva da cultura que a elaborou e a usou para se expressar, contar, recriar, sonhar, fazer-se ouvir e se comunicar.

Por Gianantonio Sozzi *

Que papel desempenharam os missionários neste processo? Atualmente, o professor Nestor Saporiti pesquisa nos arquivos gerais dos Missionários da Consolata em Roma. Até alguns anos atrás ele era também missionário da Consolata, com alguns anos de experiência trabalhando na R. D. do Congo, então Zaire. Hoje ele trabalha em uma pesquisa de doutorado na Universidade San Salvador em Buenos Aires, Argentina.

Pouco a pouco, com paciência, vai surgindo toda uma prática linguística, fruto da proximidade ao povo, da paixão, da criatividade, realizada por um grupo não desprezível de missionários da Consolata, 23 ao todo, que na primeira metade do século XX escreveram, traduziram e codificaram 17 idiomas em quatro países: Quênia, Tanzânia, Moçambique e Etiópia.

No Quênia principalmente, e mais tarde também em outras nações africanas, os primeiros missionários trabalharam quase exclusivamente em áreas rurais e, portanto, longe dos centros urbanos parcialmente colonizados pelas línguas dos impérios coloniais.

Por isso, as línguas locais eram o único meio de comunicação e, portanto, de proclamar o Evangelho que queriam fazer como missionários. Com esforço, compromisso, paciência e criatividade, eles tiveram que mergulhar nesses idiomas para começar a compreendê-los, decodificá-los, traduzi-los e ensiná-los.

Nestor Saporiti reunido com a comunidade da Casa Geral IMC em Roma.

Nestor Saporiti reunido com a comunidade da Casa Geral IMC em Roma.

Não era um trabalho fácil, não havia gramáticas ou dicionários, não havia textos escritos e tudo isso era feito por eles, sem serem linguistas, mas com ferramentas engenhosas e quando a única maneira de concretizar seu trabalho era a máquina de escrever e o papel carbono que permitia a edição simultânea de no máximo quatro ou cinco cópias ao mesmo tempo. E não eram pequenos panfletos; muitas vezes continham centenas de páginas.

No arquivo em Roma são preservadas gramáticas e dicionários de seu trabalho, muitas vezes enriquecidos com preciosas referências culturais que ajudam a entender o significado mais profundo das palavras traduzidas; há traduções e até atlas e mapas que definem com precisão os limites e a extensão dos idiomas que estudaram.

idiomas_anuncio_missao_consolata_4

“O missionário”, diz Nestor Saporiti, “é como o evangelista que ouve a Palavra de Deus e a traduz em um evangelho que, como todos os escritos humanos, é codificado culturalmente”. Movidos por uma paixão pelas boas novas, os missionários, por um lado, questionavam a Deus sobre a mensagem, mas depois voltavam-se para os destinatários a fim de anunciá-la de uma forma que eles pudessem entender. O missionário tinha que mergulhar profundamente na mensagem e depois transmiti-la o mais profunda e fielmente possível.

Talvez hoje os missionários não sejam mais chamados a produzir gramáticas e dicionários, mas têm sempre o desafio de conhecer a fundo os códigos culturais das pessoas a quem se dirigem: a língua é um deles. Essa é ainda hoje a única maneira de comunicar a mensagem de salvação de Jesus.

* Gianantonio Sozzi, IMC, Secretaria Geral de Comunicação.

Deixe uma resposta

13 − dois =