Educando na interculturalidade

Foto: EPA

Foto: EPA

Missionário da Consolata relata alguns exemplos da cultura coreana e reflete sobre a interculturalidade.

Por Geoffrey Boriga *

Não podemos compreender uma cultura aplicando os critérios de interpretação que funcionam igualmente em nossa casa. É preciso conhecer esse mundo “na pele” ou pelo menos abordá-lo com muita humildade para entender quais são os elementos que tocam profundamente o coração de um povo. Precisamos ser pacientes e pararmos de julgar. Trago a vocês alguns exemplos da minha experiência na Coreia do Sul.

Quando algum visitante estrangeiro interessado no discurso da inculturação passa por aqui, na Coreia, ele costuma fazer esta observação: “Mas por que eles usam bancos nas igrejas coreanas e se ajoelham como no Ocidente? Não seria mais lógico que todos se sentassem no chão em um grande tapete?”

O que você acha disso? Certo? Mas não: errado! Aqui, o “rito” é o ponto de referência fundamental. Não podemos reduzir a cultura a elementos externos. Para o coreano, não importa orar de cabeça para baixo e com as pernas para cima. O essencial é que os ritos sejam feitos na perfeição. A profunda influência do confucionismo, que busca a perfeita harmonia dos ritos para manter a harmonia social faz com que em todas as cerimônias os padres, coroinhas e fiéis se comportem como um desfile militar e que as liturgias sejam mais romanas do que as de Roma.

Depois, há elementos não racionais que não podem ser aprendidos e que nós, estrangeiros, escapamos por completo, como o “Nunci”, o olhar! É algo profundamente enraizado na psique local e que se aprende emocionalmente nos primeiros anos de vida. É como um impulso emocional que apenas aqueles que cresceram em uma família coreana podem perceber. Vemos uma pessoa olhando e a outra mudando repentinamente de comportamento. Não entendemos o que aconteceu, mas houve alguma falta de etiqueta ou respeito que deve ser reparada imediatamente.

Papa Francisco é recebido pela presidente Park Geun-hye. Foto: Reuter

Papa Francisco é recebido pela presidente Park Geun-hye. Foto: Reuter

Respeito à hierarquia

Aqui a hierarquia é muito importante, novamente por causa do bom Confúcio. Não podemos dizer irmão ou irmã, mas devemos sempre especificar “irmão mais velho” ou “irmã mais nova”, e a palavra correspondente também é diferente. Um dos nossos ex-seminaristas era gêmeo, mas como era o primeiro nascido, era considerado o irmão mais velho, e seu irmão gêmeo tinha que obedecê-lo e submeter-se a ele.

Todo mundo tem um lugar na sociedade, com o papel que vem com ele. E em cada papel o caráter da pessoa também muda: um que é o rei supremo em sua pequena companhia, mas torna-se todo humilde diante do pároco que é o líder da paróquia. Em casa, tudo o que diz respeito à educação dos filhos e as coisas internas são confiadas à esposa, o marido é “casado” com a empresa. Uma pessoa tem tantas personalidades quanto às funções. Este é o exoesqueleto que mantém esta sociedade de pé há milhares de anos e que merece toda a nossa admiração e respeito. Levará gerações para que o Evangelho penetre totalmente em todos os relacionamentos.

Aqui, como em grande parte da Ásia confucionista e indiana, falta o sentido da pessoa. Um indivíduo não tem validade por si só, porque é a única criatura de Deus, mas pelo papel que desempenha na sociedade. Quando as Irmãs de Madre Teresa confortam um idoso moribundo, elas não estão apenas fazendo um ato de caridade, mas estão atirando uma bala de prata no coração da cultura asiática! Porque eles estão dizendo: “Eu te amo porque você é um filho de Deus. Não por causa de sua casta, seu papel, a contribuição que você pode dar à sociedade ou o peso que você pode ter na redistribuição de recursos”.

Mesmo uma leitura feminista da realidade deve ser encarada com cautela. É bem verdade que aqui as mulheres ainda precisam de um grande caminho de emancipação. Quantas vezes ouvimos as reclamações de freiras que trabalham em paróquias sob o comando de um pároco coreano e que se sentem oprimidas e não consideradas. Certamente este é um país democrático, mas o que consideramos direitos humanos básicos aqui, no dia a dia, só está sendo discutido agora. A mesma freira, no entanto, quando está em uma função de liderança, se comporta exatamente como o pároco. Isso se dá devido ao confucionismo que ainda é o modelo básico de todos os comportamentos e relacionamentos.

A Ásia não é um grande caldeirão de contemplativas como estamos acostumados a pensar. A área de influência confucionista (China, Coreia, Japão, Taiwan, Vietnã e a diáspora chinesa) tem uma abordagem muito mais pragmática da religião, com fortes diferenças locais, é claro. É a área de influência indígena que é mais contemplativa. A isso devemos acrescentar o budismo, que perturba nossas categorias porque na prática pode-se dizer que para os monges é uma filosofia e para os leigos é uma religião. Sem esquecer que a influência do xamanismo é muito forte em todos os lugares. Aqui nos deparamos com uma grande complexidade e nem sempre a forma como estamos acostumados a entender o nosso mundo pode ser aplicada.

Cultura não é uma coisa fixa para ser contemplada atrás de uma caixa de vidro em um museu. Ela está mudando constantemente e é especialmente perceptível em jovens que estão absorvendo os valores ocidentais (ou desvalores) e criando uma nova cultura jovem na Ásia.
Se, como disse Heráclito, ninguém pode se banhar duas vezes na mesma água de um rio que corre, ninguém pode mergulhar duas vezes seguidas na mesma cultura. Daí a crítica que se fazia aos missionários nos anos 60-70: “Vão e mudem a cultura desses povos!”, faz sentido agora só num museu. Existem populações onde, mesmo que o missionário ainda não tenha chegado, a Coca-Cola já chegou! Uma cultura só vive se interagir e souber integrar novos elementos. É o resultado de escolhas feitas a qualquer momento por inúmeras pessoas. Também carrega em si o pecado do homem e, como tal, deve ser evangelizado desde a raiz.

A missão, portanto, no mundo globalizado, torna-se a alegria de interagir com aqueles que são diferentes de nós porque os reconhecemos como filhos do mesmo Pai!

* Geoffrey Boriga, imc, é missionário da Consolata na Coreia do Sul.

Deixe uma resposta

1 × três =