Aparecida visita as terras indígenas em Roraima

Imagem está peregrinando na diocese por um ano.

Por Philip Njoroge Njuma

A peregrinação da imagem de Nossa Senhora Aparecida trouxe às comunidades indígenas da diocese de Roraima muitas bênçãos e oportunidade de aprofundar a figura de Maria na Igreja Católica. A imagem foi acolhida com alegria e júbilo na Assembleia do CIMI Norte 1, realizada entre os dias 6 e 14 de fevereiro de 2017 no lago Caracarana, situado na Região da Terra Indígena Raposa Serra do Sol, fronteira com a Guiana Inglesa e a Venezuela.

aparecidaroraima2A imagem de Aparecida está peregrinando na diocese de Roraima por um ano. Entre os dias 20 de junho de 2016 a 6 de fevereiro de 2017, estava percorrendo as paróquias da diocese de Roraima e no dia 6 de fevereiro, passou para as terras indígenas. A primeira Região a receber foi Serra da Lua e depois Raposa, Baixo Cotingo, Serras, Surumu, São Marcos em sequência e encerrará seu percurso na Região de Taiano que levará a imagem para catedral no dia 4 de junho de 2017 (Dia de Pentecostes) numa celebração de encerramento do ano jubilar.

300 anos de graças

Celebrando 300 anos de graças desde a aparição da imagem, não podemos esquecer de resgatar o histórico da devoção de Nossa Senhora Aparecida. Esta história começou com três humildes pescadores: Domingos Alves Garcia, seu filho João Alves e seu cunhado Felipe Pedroso. Na sua rotina de pescar no ano 1717, encontraram a imagem da Virgem Maria. Apareceu o corpo primeiramente na rede de João Alves e depois mais para baixo no Rio Paraíba, a cabeça.

Felipe Pedroso sendo o mais velho da turma levou a imagem à sua casa diante de qual ele e sua família começaram a rezar. Aos poucos, muitas pessoas começaram a pedir graças a Nossa Senhora e assim a devoção cresceu no Brasil. Com o decorrer do tempo, foi construída a Basílica de Aparecida onde milhares de pessoas vão prestar homenagem a Nossa Senhora e pedir graças e favores nos momentos das aflições e dificuldades e também agradecer pelas graças alcançadas.

Em Roraima

Na região das Serras (Maturuca), acolhemos a imagem na comunidade de São Mateus que marca a entrada e saída da Região. Nesta peregrinação de Nossa Senhora, aproveitamos para aprofundar com os cristãos a figura de Maria. Uma mulher simples, do povo, que viveu plenamente a vida humana, com suas angústias e tristezas, alegrias e realizações, colaborando com fidelidade no mistério salvífico da nossa salvação.

Foi um momento de explicar que Maria ao longo da história se manifestou em diferentes tempos, diferentes lugares e em diferentes maneiras ganhando diferentes títulos. Por isso celebrando este ano 300 anos de graças, é momento também de lembrar Nossa Senhora Consolata,  de Fátima, de Guadalupe, entre outras que muitos anos depois se manifestaram, como Nossa Senhora Aparecida. Não podemos apenas parar na imagem ou no título de Maria, mas devemos transcender o físico e enxergar o essencial com os olhos da Fé, ‘como Maria mãe de Deus’.

Philip Njoroge Njuma é missionário da Consolata em Roraima.

Deixe uma resposta

20 − 4 =