O leite da União Europeia derramado

Por Pe Joaquim Gonçalves imc

A manifestação contra a abolição das cotas na produção do leite terminou em delírio em Bruxelas na frente do parlamento europeu. Tratores e outras máquinas agrícolas vieram de vários países, a Holanda, a Alemanha, a França etc, pala encher os ouvidos dos deputados europeus.

À medida que a União Europeia se foi constituindo, os países lideres e fundadores dessa organização ficaram com medo que os países mais pobres os ultrapassassem na produção de alguns produtos e concorressem de maneira desmedida abrindo espaço para uma competitividade sem controle. Para evitar que os mais pequenos ultrapassassem os maiores, foi criada a regra das chamadas cotas em 1984. No começo, a EU dava ajuda a quem limitasse a produção da carnes, leite e outros produtos agrícolas. A questão das cotas de produção se estendeu mais tarde a outros setores produtivos. Cota é limite de produção.

Com a adoção da moeda única ficou mais fácil controlar a produção e o mercado competitivo. Alguns países, como Portugal, entraram na linha fácil das cotas mínimas e muitos pequenos agricultores, em vez de melhorar sua produtividade e valorizar melhor as terras, sem olhar o futuro de forma lógica e consequente, se acomodaram e começaram a gostar mais de produtos importados. Atualmente existem muitas pequenas áreas agrícolas de primeira qualidade que só poderiam ser rentáveis se unificadas em cooperativas. A visão do cooperativismo ainda está longe de ser compreendida para sair do cerco e dar um pulo. Em Portugal e em muitos outros países, as dificuldades econômicas são sempre atribuídas aos governos. Outro índice da má compreensão da administração do próprio patrimônio foi a estatística das viagens de férias de 2013. Portugal foi o país de Europa que teve o maior índice de viagens ao exterior, apesar da crise.

Por enquanto, as cotas de produção do leite permanecem canceladas. Os agricultores concentrados em Bruxelas quiseram deixar um sinal de que não vão ceder. Quando a polícia chegou ao local para obrigar a sair, houve confrontos guerreiros e incêndios de carros e de máquinas. Enfim, vemos com clareza que, cada vez mais, quem mais sua para ganhar renda baixa ganha menos e quem passa a vida em escritórios e suítes tira os maiores lucros. A ideologia do lucro e do capital não se compadece perante as situações de injustiça e de exploração das pessoas.

"Estamos perante um desafio e uma oportunidade", afirmou o Comissário da Agricultura e Desenvolvimento Rural da UE, Phil Hogan. "É um desafio, porque toda uma geração de produtores de leite terá que viver sob circunstâncias totalmente novas e a volatilidade certamente os acompanhará no caminho. Porém, é certamente uma oportunidade em termos de crescimento e empregos. Através do maior foco em produtos com valor agregado, bem como em ingredientes para alimentos funcionais, o setor de lácteos tem potencial para ser um direcionador econômico para a UE".

Cada um dos 28 Estados que constituem a UE tem duas cotas - uma para entrega às indústrias processadoras e outra para vendas diretas na própria fazenda. Os Estados que excedem essas cotas são multados no valor de €27,83 euros por 100 quilos. Supõe-se que no fim deste ano haja uma elevação grande de multas.

P. Joaquim Gonçalves imc

Deixe uma resposta

13 − onze =