Levar o Evangelho ao contexto amazônico: desafio para o Bispo de Puerto Leguizamo-Solano

Agência Fides

"Embora a realidade seja bastante intercultural, a Igreja católica permanece a única instituição que goza de credibilidade": com estas palavras, se expressa Dom Joaquin Humberto Pinzón Güiza, IMC, Bispo do Vicariato Apostólico de Puerto Leguízamo-Solano (Colômbia), que a Agência Fides encontrou em Roma, onde está participando do Seminário para os Bispos recém-nomeados organizado pela Congregação para a Evangelização dos Povos.

"O Vicariato foi erigido há pouco, exatamente em 21 de fevereiro de 2013, e no mesmo dia, fui nomeado Bispo. Assim, acabamos de iniciar este caminho de Igreja local", conta Dom Pinzón, que nos descreve a realidade em que atua: "Há três aspectos positivos que me parecem muito importantes. O primeiro é a herança missionária que encontrei, ou seja, o trabalho deixado pelos missionários capuchinhos catalães, que posteriormente foi prosseguido pelos Missionários da Consolata. Deixaram-nos nós só uma riqueza de estruturas que permitiu criar esta nova jurisdição eclesiástica. Trata-se de uma herança de inestimável valor missionário!

O segundo aspecto a se relevar é a boa disposição da população com a religião e a mensagem do Evangelho que propomos. Devo dizer que, em sintonia com isto, na área, a Igreja católica tem grande credibilidade e continua a tê-la naquele território, apesar de ser muito distante da capital da Colômbia".

"O terceiro aspecto - encerra o Vigário apostólico - é a possibilidade de anunciar o Evangelho em um contexto amazônico, com toda a importância que o território da Amazônia possui. Quero especificar que me refiro ao aspecto intercultural, porque muitas comunidades indígenas desta região ainda estão à espera de receber o Evangelho, o que representa um grande desafio para nós".

O Vicariato apostólico de Puerto Leguízamo-Solano se encontra na região meridional da Amazônia colombiana e inclui uma parte dos departamentos de Putumayo, Caquetá e Amazonas, na bacia dos rios homônimos e da fronteira com Equador e Peru. Tem uma superfície de 64.000 km2, 46.000 habitantes, dos quais 36.000 católicos. Existem 6 paróquias, 7 sacerdotes religiosos e 8 religiosas.

 

Fonte: Site AF

Deixe uma resposta

um × cinco =