Anfitrião e Hóspede

Alfredo J. Gonçalves *

A partir do episódio bíblico junto ao Carvalho de Mambré (Gn 18, 1-6), o binômio anfitrião/hóspede pode ser desdobrado em outros cinco binômios que apontam para o sentido mais profundo da acolhida. Já conhecemos os protagonistas da cena: Abraão, sua esposa Sara, três forasteiros de passagem e o empregado.

1. Caminho/cansaço
Um longo caminhar torna pesados os próprios passos, quanto mais o fardo que carregamos. A tal ponto que o cansaço, por fim, acaba sendo o único companheiro do caminhante. A fadiga esgota as forças, mais ainda quando "faz muito calor", como diz o texto. É hora de parar, encontrar lugar para um descanso. Parar é condição sine qua non para retomar a caminhada. Quem é incapaz de parar, será igualmente incapaz de passos novos, criativos. Quem nunca se detém está condenado a repetir os próprios passos e os dos outros.

Parar, descansar, avaliar... É a única forma de encontrar tempo para abrir novas veredas. A correria ininterrupta nos leva à mesmice dos becos conhecidos. Ficamos cegos às novas oportunidades que nos oferecem as curvas e surpresas do caminho. Daí a necessidade de parar, refletir, estudar o terreno. Em termos de arte militar, dir-se-ia que em campo minado não se corre nem se anda em linha reta. Caminhar exige a sabedoria de saber parar.

Deter-se para recobrar o vigor e as forças.
Vale o paralelo com o episódio do profeta Elias (1 Reis, 19,4-8). Cansado, sem ânimo e até em revolta contra Deus, se atira ao solo. Não tem energias para prosseguir viagem. Com urgência, necessita uma parada, uma oração/reflexão tensa com Javé, uma reavaliação de sua caminhada. Sem uma boa parada, difícil pensar em passos realmente criativos, ricos e libertadores.

Neste caso, parar não é andar para trás. É repensar os próprios objetivos da peregrinação que empreendemos pela face da terra. Tomar fôlego para tornar mais viva a viagem. Somente uma boa parada é capaz de renovar o sentido oculto do próprio caminhar. Sem, contudo, cair no extremo: o cansaço por estar sempre parado, por se recusar a lançar-se ao caminho.

2. Árvore/sombra
No cruzamento da tenda de Abraão com os três forasteiros, lá está o Carvalho de Mambré. Pelo caminho, é comum o peregrino encontrar uma árvore amiga. Pode descansar na sombra, contar com um pouco de água fresca. Quem sabe encontra outros irmãos de peregrinação. As conversas se estendem, misturando tristezas e angústias, alegrias e esperanças. Histórias se cruzam e se entrelaçam na dor e na busca. Ali, à sombra da árvore, a condição de um é a condição de todos, a luta de um é a luta de todos. As palavras ditas e ouvidas aliviam o peito, trazem novo respiro à vida, tornam mais leve a travessia.

Mas se, além disso, ao lado da árvore há uma tenda e um anfitrião, uma palavra amiga, um abraço fraterno e uma mão estendida, então o forasteiro sente-se na própria casa. A espiritualidade do caminho encontra abrigo na espiritualidade da tenda. Ambas se complementam, se misturam e se interpelam. Ambas se enriquecem mutuamente. É como se o carvalho, com sua sombra, se transformasse em tenda que acolhe. O anfitrião, ao "alargar o espaço da sua tenda" (Is 54,2), alarga o espaço da fé, da esperança e da coragem. Referência para os que sofrem, mas seguem na busca. Nesse clima de acolhida e solidariedade, refaz as forças para lançar-se novamente ao caminho.

Abraão não só "correu da entrada da tenda ao encontro deles", como mandou que "tragam água para lavar os pés e descansar debaixo da árvore". Duas formas de acolher: não basta receber bem quem passa ou quem chega, é preciso ir ao encontro, convidar para que o forasteiro "não passe junto ao seu servo sem fazer uma parada". O anfitrião se coloca ao serviço dessa dupla acolhida. Como no episódio do Filho Pródigo, "quando ainda estava longe, o pai o avistou e teve compaixão. Saiu correndo, o abraçou, e o cobriu de beijos" (Lc 15,20).

Depois instala-se o clima de festa!
Abraão sabe que o caminho transmite sabedoria aos pés. Como a flor e a espiga, também a sabedoria se levanta do chão. O peregrino, quanto mais caminha mais depura a mala e depura a alma. Purifica a existência daquilo que é inútil ou superficial. Atém-se ao essencial. Centraliza o foco de suas andanças num horizonte bem determinado. Caminhar é relativizar tudo que é secundário, apegando-se ao que é absoluto. Torna-se evidente a transitoriedade da existência, dos modismos e das coisas. Ao mesmo tempo, reforça-se o valor da relação com as pessoas e com Deus.

3. Tenda/alimento
Depois do anfitrião (Abraão), entra em cena a anfitriã até o momento oculta no interior da tenda (Sara). Além da sombra que refresca e reanima, a árvore/tenda oferece fruto: "Vou trazer um pedaço de pão e vocês poderão recuperar as forças antes de partir", diz Abraão, transmitindo seu entusiasmo à esposa. Enquanto esta amassa com carinho "um pão grande", aquele corre até o rebanho, onde "escolheu um vitelo novo e bom, e o entregou ao empregado que se apressou em prepará-lo". A árvore/sombra converte-se em tenda/alimento.

Da mesma forma que o patriarca "corre" ao encontro e "corre" novamente ao rebanho, põe em marcha toda a casa: esposa, empregados, servidores. Está em jogo o preceito da boa acolhida. A marcha dos forasteiros que batem à porta interpela e põe a caminho os que estão na sombra, repousando na sua tenda. Só assim esta deixa de tornar-se fortaleza. Permanece tenda enquanto está aberta a quem passa. O migrante mantém viva e vibrante o coração e a terra que o acolhe. Quem se fecha em sua fortaleza, indiferente aos forasteiros, faz da casa uma fortificação desta o próprio túmulo.

Às duas formas de acolhida correspondem duas formas de alimento: o pão e a carne, que nutrem o corpo; a conversa amiga e calorosa, que nutre a alma. Encontram-se juntos o coração de quem vive no deserto e de quem caminha por estradas solitárias. Anfitrião e hóspede como que se identificam numa só pessoa. Ao mesmo tempo que franqueiam a tenda aos forasteiros, Abraão e Sara solicitam uma palavra; e os peregrinos, ao pedirem asilo provisório, abrem o sacrário da própria alma. Uma vez mais, alarga-se o espaço da tenda, o espaço sagrado, como símbolo da ampliação das relações humanas e destas com Deus.

À medida que se amplia o espaço de Deus na vida de cada um, ampliam-se igualmente as relações interpessoais e comunitárias. Ambas as identidades, a do anfitrião e a do forasteiro, se fundem no coração da solidariedade humano/divina. Dessa fusão, brota a identidade da mesa, altar, partilha, eucaristia: "Tomai e comei, isto é meu corpo; tomai e bebei, isto pé meu sangue" (1Cor 11,23-26).

4. Memória/promessa
A relação de Abraão com Elias passa por um fio condutor que une a trajetória histórica do Povo de Israel: a memória e a promessa. Por um lado, memória javista de um povo que experimentou não o Deus do templo e do palácio, do poder e do domínio, mas de um Deus servidor que vê, ouve, conhece e desce para libertá-lo da escravidão do Egito. Um Deus que caminha com seu povo na história. Por outro lado, a promessa da Terra Prometida, além de longa e numerosa descendência, prosperidade e paz.

Aqui a promessa se concentra sobre Sara. Os hóspedes perguntam: "Onde está sua mulher?", ao que Abraão responde: "Está na tenda". Então um deles a faz introduzir em cena: "No próximo ano eu voltarei a você. Então sua mulher já terá um filho" Transparece certo cinismo de Sara, pois ambos eram idosos, mas a resposta é taxativa: "Por acaso existe alguma coisa impossível para Javé"!

Da memória da queda no paraíso terrestre e da libertação no Egito à promessa de um filho, descendência e prosperidade, alimenta-se a espiritualidade do Povo de Israel. No Livro de Rute é também uma criança que aponta nessa direção. No profeta Elias, a promessa é simbolizada no monte Horeb; Isaías fala de "Jerusalém celeste", expressão retomada pelo Livro do Apocalipse. Mas é com a Boa Nova de Jesus que a promessa ganha seu caráter mais expressivo: o Reino de Deus. Este "já está" entre nós, mas "ainda não" está em sua forma definitiva, esperando a segunda vinda de Cristo na escatologia.

Esse fio condutor entre a memória e a promessa constitui o pano de fundo do próprio conceito de história como a entendemos hoje. Para os demais povos antigos, o tempo apresentava-se não como uma sucessão linear de acontecimentos, e sim como repetição circular dos mitos e heróis fundantes, na ideia do eterno retorno. O tempo como evolução progressiva tem como base o sentido da memória e da promessa, partida e ânsia de chegada, e como resultado a história enquanto acúmulo de fatos e ocorrências que se sucedem no tempo e no espaço.

Para os migrantes e forasteiros também há uma partida e uma perspectiva de chegada. No caminho, além de dificuldades e entraves, podem encontrar uma árvore, uma casa acolhedora e um anfitrião. Numa palavra, alargar o espaço da sombra, da tenda, do sagrado é o mesmo que alargar a presença do hóspede divino na história. Deus que, por sua vez, passa a ser o anfitrião, oferecendo o pão eucarístico e a salvação, como vemos no episódio dos discípulos de Emaús (Lc 24,13-35). O que significa, novamente, ampliar a possibilidade de relações humanas mais profundas, sadias e fraternas.

A tenda da acolhida aponta, pois, para a pátria definitiva. É esta a meta de todo forasteiro no caminho e de toda pessoa em sua travessia pela face da terra. No percurso da trajetória, a sombra de alguma árvore e a disposição dos anfitriões, são atitudes que preanunciam a pátria final. Constituem etapas que aproximam o horizonte do Reino.

5. Hospitalidade/caminho
O retorno ao caminho também revela a presteza do anfitrião: "Os homens se levantaram e olharam em direção a Sodoma e Abraão foi acompanhá-los para a despedida". Entretanto, por mais carinhosa e amiga que seja a acolhida, não pode ser possessiva. Os forasteiros sentem-se à vontade para partir. Quem sabe carregam mensagens, possuem seus projetos, necessitam voltar à estrada. Hospedar não é monopolizar a vontade do hóspede, mas deixá-lo livre para seguir adiante. Os hóspedes, por seu turno, não deixam de manifestar profundo respeito pelo casal acolhedor. Tanto que lhes deixam uma promessa. Mas também eles não são os donos da promessa.

Hospitalidade e caminho constituem um par inseparável: se integram, se requerem e se complementam. Como binômio de implicações recíprocas, jamais podem ser dissociados. Vale o mesmo, aliás, para os itens anteriores. Caminhar pressupõe um lugar de repouso para "recuperar as forças". Por outro lado, a árvore/sombra/tenda funcionam como uma espécie de posto de gasolina, para utilizar uma metáfora contemporânea. Reabastecido o carro, porém, é preciso retomar a estrada. A tenda não pode converter-se em lugar de chegada, mas em novo ponto de partida. Outras tendas esperam os forasteiros mais adiante, simultaneamente, outros postos de chegada e partida.

Uma última observação. Já vimos que a hospitalidade alarga o coração, o espaço da tenda, a presença divina nos caminhos humanos. Mas também isso ocorre de forma recíproca. Tanto Abraão e Sara que acolhem quanto os três forasteiros que encontram boa acolhida superam o próprio "eu", entrando numa relação mais profunda com o "outro". O mesmo ocorre nos encontros e reencontros provocados pela migração. O encontro com o outro descortina o horizonte para o encontro com o totalmente Outro; abrir-se ao diferente pavimenta o caminho para abrir-se ao Transcendente. Quando o habitar se alarga ao outro/diferente, a casa alarga-se também ao Outro/Transcendente, como diria Levinás.

Importa insistir no refrão: alargar o espaço da tenda solidária em nossa trajetória terrestre, através de relações de dar e receber, acolher e ser acolhido, é o mesmo que ampliar a presença divina no interior da própria condição humana. É criar raízes, cultivar embriões que desabrocharão como sementes do Reino de Deus. É assim que avançamos para a tenda definitiva de que fala o Apocalipse de João. "Vi também descer do céu, de junto de Deus, a Cidade Santa, uma Jerusalém nova (...). Esta é a tenda de Deus com os homens: Ele vai morar com eles e eles serão o seu povo. E Ele, o Deus-com-eles será o seu Deus" (Ap 21,2-3).

* Padre Alfredo J. Gonçalves, CS, é assessor das Pastorais Sociais e superior provincial dos missionários Carlistas.

Fonte: Alfredo J. Gonçalves / Revista Missões

Deixe uma resposta

2 × um =