Paróquia São Brás, em Salvador, celebra festa do Bem-aventurado José Allamano

Michael Mutinda

"Nunca diga: isto não é comigo!" (José Allamano)

Uma animada celebração na igreja matriz da paróquia São Brás de Plataforma, em Salvador, Bahia, na manhã deste domingo, 2 de outubro, marcou a festa do Bem-aventurado José Allamano, fundador das congregações dos missionários e missionárias da Consolata. A celebração presidida pelo padre Stephen Murungi, imc, contou com a presença dos missionários Jacques Kwangala, Michael Mutinda e numerosos paroquianos. As Irmãs Filhas da Igreja e as crianças da Infância e Adolescência Missionária do Quilombo do Kioio também participaram. Na homilia padre Stephen destacou o bonito trabalho realizado pelo Bem-aventurado José Allamano sempre inspirado no amor a Cristo e Nossa Senhora Consolata.

O pároco resumiu a reflexão feita com os fiéis no tríduo em preparação à Festa: a vida de José Allamano, a missão dos seus filhos no mundo e as causas missionárias do Instituto Missões Consolata no Brasil. Inspirado nas palavras do Evangelho de Lucas, padre Stephen observou que hoje, inclusive em Salvador, encontramos ainda muitos pobres que precisam da Boa Nova, cativos que precisam da libertação, cegos que esperam a recuperação da vista e oprimidos que buscam a liberdade. "O nosso fundador é conhecido por seus vários legados e deve servir de exemplo no processo de evangelização e na missão Ad Gentes," disse padre Stephen. "Olhando para José Allamano, podemos encontrar uma forma nova de evangelizar, de modo que as pessoas entendam a Boa Nova de Deus de maneira simples", sublinhou o padre.

Em seguida recordou que a missão precisa de corações abertos e atentos às necessidades do próximo. "As reclamações não constroem, o bem deve ser bem feito e sem barulho, como dizia José Allamano". Por fim destacou a importância do mês do outubro, Mês das Missões. "O tema da campanha missionária deste ano, ‘Missão na Ecologia', vem nos lembrar a nossa missão e responsabilidade com a criação de Deus. A terra ainda grita e a criação ainda geme como dores de parto. Somos chamados atender a este grito com o nosso cuidado," concluiu.

José Allamano, sacerdote para o mundo.
Nasceu a 21 de janeiro de 1851 em Castelnuovo d'Asti, na Itália. Educado na escola de Dom Bosco, e no seminário diocesano do Turim, respondeu ao chamado de Deus ao sacerdócio e foi ordenado a 20 de setembro de 1873. Em 1880 foi nomeado reitor do Santuário da Consolata e do anexo Instituto de Pastoral. A partir de então, até o fim da vida, sempre desenvolveu sua atividade à sombra do Santuário mariano da diocese. Em 1901 fundou a congregação dos missionários da Consolata e em 1910 a das missionárias da Consolata. No dia 8 de maio de 1902 partiram para o Quênia os primeiros quatro missionários. Hoje, os missionários da Consolata estão presentes em mais de vinte países, na África, América, Europa e Ásia.

Allamano morreu santamente a 16 de fevereiro de 1926, em Turim. Proclamando-o bem aventurado, no dia 7 de outubro de 1990, o papa João Paulo II selou o reconhecimento que o povo de Deus tributou ao padre José Allamano com varias expressões: "o santo da Consolata", "pai providente e piedoso, formador e mestre do clero," "sacerdote para o mundo".

Depois de centenário e poucos anos a mais da fundação do instituto das missões Consolata, a proposta de Allamano da missão ad gentes, fruto de fervor de santidade, continua atual e urgente.

Fonte: AMV ??? Paróquia São Brás, Salvador - BA.

Deixe uma resposta

20 − cinco =