Missionários e missionárias da Consolata nas pegadas do seu Fundador

Jaime C. Patias

Concluído os trabalhos dos dois Capítulos Gerais em Nepi e Roma, os missionários e missionárias seguiram viagem para Turim, região norte da Itália, onde participaram das festividades em honra à Nossa Senhora Consolata, padroeira da cidade. A programação em Turim abriu, no domingo, Solenidade da SS. Trindade, com uma missa presidida pelo padre Aquiléo Fiorentini, junto ao túmulo do Fundador, na Igreja a ele dedicada.

Confira todas as notícias do XII Capítulo Geral

Uma visita à Castelnuovo Don Bosco, cidade natal de José Allamano, São José Cafasso, São João Bosco, entre outros santos, ocupou o restante do dia. O roteiro incluiu uma visita na casa onde nasceu Allamano, imóvel preservado com parte da mobília e pertences da família. O mesmo aconteceu na casa de São José Cafasso, tio de Allamano, transformada em centro de espiritualidade, aos cuidados do padre Orácio Anselimi, IMC, que já trabalhou no Brasil.

Presentes em 26 países os missionários e missionárias da Consolata contam com um bom número de padres, Irmãos e Irmãs idosos, doentes ou com dificuldades de permanecer no campo de Missão. Uma das orientações dos Capítulos Gerais foi a de valorizar a pessoa como o maior bem das instituições. Demonstrando gratidão e espírito de comunhão, os capitulares almoçaram e passaram parte da tarde em duas das casas de repouso, que acolhem vários idosos e doentes em Grugliasco e Alpignano.

Festa da Consolata
Uma primeira missa foi celebrada na Capela do Bem-aventurado José Allamano, na Casa Mãe dos Missionários. Foi uma celebração da Família Consolata onde todos os membros das duas novas Direções Gerais deixaram uma mensagem, renovando, junto ao túmulo do Fundador, comunhão e fidelidade ao carisma dele recebido.
"Hoje escutamos a Palavra de Deus que dizia: Alegra-te!", disse Irmã Simona Brambilla, Superior Geral das Missionárias da Consolata. "Devemos nos alegrar e sermos felizes, não por causa de alguma coisa em nós mesmos, mas por alguém que encontramos. Deus é a razão de ser da nossa Missão, a esperança e a alegria no serviço missionário", destacou a Madre Geral.

Pouco antes da missa, reunidos na Aula Magna da Casa, os missionários e missionárias aprovaram um documento preparado durante o Capítulo, sobre a comunhão entre os dois Institutos.

A segunda missa aconteceu na parte da tarde, no Santuário lotado de fieis, do qual Allamano foi reitor por 46 anos e recebeu a inspiração de fundar as duas congregações para evangelização dos povos. "A Consolata tem muitos filhos e filhas entre os quais os missionários e missionárias que hoje estão aqui, para agradecer a Mãe e apresentar a ela as conclusões dos dois capítulos gerais", afirmou padre Stefano Camerlengo, Superior Geral do Instituto Missões Consolata, motivando os peregrinos a celebrar com entusiasmo e gratidão. "Viemos aqui em peregrinação para colocar diante da nossa Mãe os nossos sonhos e esperanças. Para nós vir aqui não é apenas rezar num Santuário Mariano, mas aprender de Maria um modo de ser, uma vida e estilo de evangelização. Trazemos aqui os nossos irmãos e irmãs espalhados pelo mundo, as comunidades e pessoas que estão ligadas à Consolata", sublinhou padre Stefano.

Além das missas celebradas durante todo o dia, à noite aconteceu a tradicional Procissão que todos os anos percorre as ruas de Turim. "O desejo do povo é o de poder experimentar uma Igreja humana e próxima onde as relações sejam voltadas à fraternidade e compreensão", afirmou dom Cesare Nosiglia, arcebispo de Turim, para uma multidão de peregrinos que se exprimia diante da Imagem radiante da Consolata. Dom Nosiglia convidou o povo a confiar em Deus como fez Maria e a não ter medo de "ousar" para enfrentar os desafios do nosso tempo: "as dificuldades econômicas, na educação e, sobretudo, o desafio de saber conjugar fé e vida", concluiu o arcebispo, antes de abençoar os fies encerrando as festividades.

Fonte: Revista Missões

Deixe uma resposta

vinte − 10 =