Missionárias da Consolata : 100 anos de caminhada

Lucília Oliveira e Manuel Carreira

Irmãs missionárias da Consolata comemoraram no dia 29/01,  jubileu da fundação. Arranque das celebrações decorre no dia da fundação do Instituto

«Desde a nossa "concepção" fomos feitas para a missão», salientam as religiosas da Consolata. E compromisso é de «sê-lo sempre, seja no serviço direto de evangelização» como também no «serviço silencioso, escondido e humilde, oferecendo o sofrimento das limitações da idade avançada e da doença», salientam.

Para assinalar o centenário, as religiosas da Consolata têm um logotipo oficial das comemorações . Na parte central está a imagem de Nossa Senhora da Consolata, num fundo azul que simboliza o mundo.

De 1910 a 2010 há uma ligação feita por cinco pontos que representam os cinco continentes, locais de missão. O conjunto possui a cruz que, emerge ao alto, e estende-se aos quatro pontos cardeais, indicando a universalidade da salvação. O conjunto é concluído com três anéis, de cor cinzenta, que se estendem debaixo do mundo e que simbolizam o caminho missionário.

No Brasil as comemorações começam neste domingo, 31/01, com celebração às 11h, na Paróquia Nossa Sra. de Fátima, que fica na Av. Imirim, 1382, região norte de São Paulo. Para mais informações 11 2256-5427.

Lucília Oliveira

Histórico

A 29 de Janeiro de 1901 nascia em Turim, Itália, o Instituto dos Missionários da Consolata. Completam-se hoje, 29 de Janeiro, 109 anos. O fundador foi o cónego José Allamano. Em igual dia e mês, em 1910, surgia na mesma cidade, o Instituto das Irmãs Missionárias da Consolata.

Ambas as instituições estão hoje de parabéns; eles que fazem 109 anos e elas porque completam 100 anos. As irmãs celebram hoje, portanto, os festejos do primeiro centenário da sua fundação. Para esta ocorrência, encontram-se em Turim na Casa Mãe, o superior-geral dos missionários e a superiora-geral das irmãs. Este dia será assinalado com várias celebrações. A representar Portugal, encontra-se lá também o padre Elísio Assunção, director da Revista Fátima Missionária.

No documento da erecção canónica, em 1901, o cardeal de Turim, Agostinho Richelmy, deixou escritas as seguintes palavras: «Abençoamos os nossos filhos da Consolata e desejamos para eles os melhores êxitos no seu apostolado». O próprio fundador dizia aos seus missionários: «Esta é uma data histórica que deve ser recordada, todos os anos, com o coração agradecido a Deus». A Portugal, este instituto chegou, em 1943, pelas mãos do padre João De Marchi.

 

Manuel Carreira

Edição: Karla Maria

Fonte: Fátima Missionária

Deixe uma resposta

dez + dez =