Perseguição em 2023: Aumento de Detenções e Assassinatos de Clérigos Católicos

Treze sacerdotes e um religioso foram assassinados em 2023, embora metade tenha sido morto por motivos aparentemente não relacionados à perseguição; as prisões aumentaram, mas os sequestros de clérigos e religiosos caíram em comparação com 2022, no entanto continua sendo uma séria preocupação, especialmente na África; regimes autoritários mantém repressão à Igreja.

Por Marcio Martins, Ajuda à Igreja que Sofre

De acordo com os números levantados pela fundação pontifícia Ajuda à Igreja que Sofre, um total de 132 padres e religiosos católicos foram presos, sequestrados ou assassinados durante 2023. Isso representa um aumento em relação aos 124 em 2022. Estes são, no entanto, os casos confirmados, o número poderia ser maior, uma vez que em alguns países é difícil obter informações confiáveis. Destes, 86 foram presos ou detidos em algum momento durante 2023.

Alguns dos padres e religiosos já haviam sido presos ou sequestrados antes do início do ano, mas permaneceram sob custódia ou ficaram desaparecidos por parte ou todo o ano de 2023. Isso se compara a 55 que estavam presos em algum momento de 2022.

Nicarágua e Belarus lideram a lista de regimes autoritários que recorreram à detenção de padres e religiosos para punir a Igreja por se manifestar contra injustiças e violações de direitos humanos, ou simplesmente por tentar operar livremente.

Um total de 46 clérigos foram presos em algum momento durante 2023 na Nicarágua, incluindo dois bispos e quatro seminaristas, enquanto outros, incluindo religiosas como as Missionárias da Caridade, foram expulsos do país ou recusaram a reentrada depois de estarem no exterior. Muitos dos padres que haviam sido presos acabaram sendo libertados ou enviados para o exílio, mas uma grande repressão nas últimas duas semanas de dezembro levou à prisão de pelo menos 19 clérigos, incluindo o bispo Isidoro de Carmen Mora Ortega, de Siúna. Dois dos padres foram libertados mais tarde, mas os restantes 17, mais o bispo Rolando Alvarez, que foi preso em agosto de 2022 e depois condenado a 26 anos de prisão, permanecem sob custódia.

Mesmo que provar a informação seja quase impossível, os números da ACN apontam para 20 casos de clérigos presos em algum momento de 2023 na China, alguns dos quais permanecem desaparecidos depois de muitos anos. Mas o número real pode ser maior, ou até um pouco menor, já que alguns padres ou bispos podem ter sido divulgados sem que detalhes fossem divulgados.

Outro país que recorreu a detenções para silenciar padres é a Belarus, onde pelo menos 10 foram detidos pelas autoridades em algum momento, com três ainda atrás das grades quando o ano se aproximava do fim.

Os padres Ivan Levitskyi e Bohdan Heleta, os dois padres greco-católicos que foram presos na Ucrânia em 2022 pelas forças russas de ocupação, também ainda não foram libertados.

E na Índia, onde as leis anticonversão continuam a ser usadas para tentar impedir o trabalho de organizações católicas, pelo menos seis foram presos ao longo do ano, incluindo uma irmã religiosa. Todos já foram libertados, embora alguns ainda enfrentem acusações que podem levar a penas de prisão.

Mesmo em diminuição, número de sequestros preocupa

O número de padres ou religiosas sequestrados em 2023 caiu de 54 em 2022 para 33, mas continua significativo. Este número inclui cinco padres que foram raptados em anos anteriores, mas permaneceram nas mãos dos seus raptores ou ficaram desaparecidos em 2023, como o padre Hans-Joachim Lohre, que foi raptado no Mali em 2022 e libertado em novembro de 2023.

A Nigéria lidera a lista de longe, com 28 casos, incluindo três religiosas, enquanto o único outro país com múltiplos casos foi o Haiti, com dois. Outros países onde padres foram sequestrados incluem Mali e Burkina Faso, enquanto na Etiópia uma irmã religiosa foi sequestrada.

Houve um caso na Nigéria de um monge que foi assassinado por seus sequestradores, caso contrário, a grande maioria dos sequestrados acabou sendo libertada, com exceção de quatro padres: John Bako Shekwolo, da Nigéria, e Joël Yougbaré, de Burkina Faso, que estão desaparecidos desde 2019, e Joseph Igweagu e Christopher Ogide, ambos da Nigéria. desaparecidos desde 2022.

Este é o segundo ano em que a ACN rastreia todos os casos de sequestros, assassinatos e prisões de clérigos e religiosos católicos em todo o mundo. Em relação às prisões, a ONG internacional rastreia apenas aquelas que estão relacionadas à perseguição, e não a casos comprovados de crime comum. Casos relacionados a membros de outras confissões também não são considerados na lista.

Nigéria registra maior número de assassinatos

Tragicamente, em 2023, muitos cristãos, especialmente clérigos e religiosos, pagaram um preço alto por seu compromisso com o bem comum, os direitos humanos, a liberdade religiosa e a liberdade das comunidades e nações que servem. Em 2023, foram registrados 14 assassinatos, incluindo 11 padres, um bispo, um irmão religioso e um seminarista. Isso representa uma queda em relação aos 18 registrados em 2022. Até onde a ACN pôde apurar, nenhuma religiosa foi assassinada este ano.

Sete dos assassinatos ocorreram em circunstâncias que não eram claras ou não estavam diretamente relacionadas a qualquer incidente confirmado de perseguição. Estes incluíam um bispo e um padre nos EUA, um padre na Colômbia, um padre no México, um irmão religioso nos Camarões, um padre no Burkina Faso e um padre na Nigéria.

Das outras sete mortes diretamente relacionadas à perseguição, a Nigéria novamente tem o maior número da lista, com três. O padre Isaac Achi foi brutalmente assassinado em janeiro, quando não conseguiu escapar de sua residência, que pegou fogo após um ataque, e o seminarista Na'aman Danlami teve exatamente o mesmo destino, mas em setembro. Logo depois, em outubro, Godwin Eze, um beneditino que havia sido sequestrado junto com dois colegas noviços, foi assassinado por seus sequestradores.

Alguns dos assassinatos foram classificados como sendo por motivos de perseguição, apesar dos motivos obscuros dos assassinos. Pamphili Nada foi morto na Tanzânia por um homem com problemas mentais. No México, o padre Javier García Villafaña foi encontrado morto a tiros em seu carro por agressores desconhecidos, em uma região onde o crime organizado é comum e aqueles que se manifestam contra ele são frequentemente alvos de cartéis de drogas. E, em dezembro, um padre belga idoso chamado Leopold Feyen, conhecido localmente como Pol, foi morto a facadas por homens armados que invadiram sua casa na República Democrática do Congo, onde serviu por décadas.

Sobre a ACN (Ajuda à Igreja que Sofre)

A Ajuda à Igreja que Sofre (ACN, sigla em inglês) é uma Fundação Pontifícia que auxilia a Igreja por meio de informações, orações e projetos de ajuda a pessoas ou grupos que sofrem perseguição e opressão religiosa e social ou que estejam em necessidade. Fundada no Natal de 1947, a ACN tornou-se uma Fundação Pontifícia da Igreja em 2011. Todos os anos, a instituição atende mais de 5.000 pedidos de ajuda de bispos e superiores religiosos em cerca de 130 países, incluindo: formação de seminaristas, impressão de Bíblias e literatura religiosa - incluindo a Bíblia da Criança da ACN com mais de 51 milhões de exemplares impressos em mais de 190 línguas; apoia padres e religiosos em missões e situações críticas; construção e restauração de igrejas e demais instalações eclesiais; programas religiosos de comunicação; e ajuda aos refugiados e vítimas de conflitos.

Fonte: Vatican News

Deixe uma resposta

dezesseis − 12 =