Terremoto: mortos passam de 7 mil

Pelo menos 5.434 pessoas morreram em 10 províncias turcas, com mais de 31.100 feridos, de acordo com os últimos números das autoridades turcas divulgados nesta terça-feira. Já na Síria, o número de mortos é de ao menos 1.712, totalizando 7.146. Os números ainda são provisórios.

Por Vatican News

O número de mortos na Turquia devido ao forte terremoto de magnitude 7.8 na segunda-feira, 6, aumentou para 5.434. Os feridos superam os 31 mil, enquanto os prédios destruídos chegam a 5.775. Já o número de mortos na Síria subiu para 1.712, com mais de 1.750 feridos.

A chefe de emergências da Organização Mundial da Saúde para a Europa, Catherine Smallwood, afirmou que o número de mortos pode subir para mais de 20.000, “pois sempre acontece a mesma coisa com terremotos: os relatórios iniciais do número de pessoas mortas ou feridas aumentam significativamente na semana seguinte.”

Equipes de resgate correram nesta terça-feira para resgatar sobreviventes dos escombros de milhares de edifícios derrubados pelo terremoto, com a descoberta de mais corpos elevando o número de mortos para mais de 7 mil.
Países ao redor do mundo enviaram equipes para ajudar nos esforços de resgate, mas um dia após o terremoto, o número de equipes de emergência no solo permaneceu pequeno, com seus esforços impedidos por baixas temperaturas e pelos quase 200 tremores secundários, que tornaram as buscas perigosas, devido às estruturas instáveis.

Na província de Hatay, a sudoeste do epicentro do terremoto, as autoridades dizem que cerca de 1.500 prédios foram destruídos e muitas pessoas relataram que parentes ficaram presos sob os escombros sem ajuda ou chegada de equipes de resgate. Nas áreas onde as equipes trabalhavam, aplausos ocasionais irromperam durante a noite enquanto os sobreviventes eram retirados dos escombros.

O terremoto, que teve como centro a província de Kahramanmaras, no sudeste da Turquia, fez com que moradores de Damasco e Beirute corressem para as ruas e foi sentido até no Cairo. A organização de ajuda médica Médicos Sem Fronteiras confirmou na terça-feira que um de seus funcionários estava entre os mortos depois que sua casa na província de Idlib, na Síria, desabou, e que outros perderam familiares.

Na província de Hatay, na Turquia, milhares de pessoas se abrigaram em centros esportivos ou salões de feiras, enquanto outras passaram a noite do lado de fora, enroladas em cobertores ao redor de fogueiras. Um navio da Marinha atracou na terça-feira no porto da província de Iskenderun, onde um hospital desabou, para transportar sobreviventes que precisam de cuidados médicos para a cidade vizinha de Mersin. Uma fumaça espessa e negra subiu de outra área do porto, onde os bombeiros ainda não conseguiram apagar um incêndio que começou entre os contêineres que foram derrubados pelo terremoto.

Na cidade turca de Gaziantep, capital provincial a cerca de 33 quilômetros do epicentro, as pessoas se refugiaram em shoppings, estádios, mesquitas e centros comunitários.

O presidente turco Recep Tayyip Erdogan declarou sete dias de luto nacional. As autoridades temem que o número de mortos continue subindo enquanto as equipes de resgate procuram sobreviventes entre emaranhados de metal e concreto espalhados pela região assolada pela guerra civil de 12 anos na Síria e pela crise de refugiados.

Nas últimas promessas de ajuda internacional, o presidente sul-coreano Yoon Suk Yeol disse que estava se preparando para enviar rapidamente uma equipe de busca e resgate de 60 pessoas, bem como suprimentos médicos.

A missão enviada pelo governo da Grécia inclui 21 bombeiros da unidade de emergência EMAK, 2 cães de resgate e um veículo especial de missão de resgate. Também voando com eles estão um oficial do Corpo de Bombeiros especializado em apoiar prédios desabados, 5 médicos de emergência do sistema de emergência de ambulâncias EKAV e o presidente da Organização de Planejamento e Proteção Antissísmica da Grécia, Efthymios Lekkas.

O governo do Paquistão enviou um voo com suprimentos de socorro e uma equipe de busca e resgate de 50 membros na terça-feira, e disse que haverá voos diários de ajuda para a Síria e a Turquia a partir de quarta-feira.

A Índia disse que enviaria duas equipes de busca e resgate, incluindo cães especialmente treinados e pessoal médico. O presidente dos EUA, Joe Biden, ligou para Erdogan para expressar condolências e oferecer assistência ao aliado da OTAN. A Casa Branca disse que estava enviando equipes de busca e resgate para apoiar os esforços da Turquia.

O terremoto acumulou mais miséria em uma região que passou por um tremendo sofrimento na última década. Do lado sírio, a área afetada é dividida entre o território controlado pelo governo e o último enclave controlado pela oposição do país, cercado por forças do governo apoiadas pela Rússia. A Turquia é o lar de milhões de refugiados da guerra civil síria. No enclave controlado pelos rebeldes, centenas de famílias permaneceram presas nos escombros, disse a organização de emergência da oposição conhecida como Capacetes Brancos em um comunicado. A área abriga cerca de 4 milhões de pessoas deslocadas de outras partes do país pela guerra. Muitos vivem em prédios já danificados por bombardeios militares. Centros médicos sobrecarregados rapidamente se encheram de feridos.

*Com informações de Agências de notícias

Deixe uma resposta

dezessete − 3 =