Cardeal Marengo: Um Dom para a Igreja na Mongólia e para a família Consolata

Este 27 de agosto de 2022 é um dia histórico não só para o Cardeal Giorgio Marengo e os outros 19 bispos criados cardeais durante o oitavo Consistório do Papa Francisco, mas também para a Igreja na Mongólia e para os Missionários da Consolata.

Por Padre Piero Demaria *

Dom Marengo é o primeiro Cardeal entre os filhos do Bem-aventurado Allamano. É um desafio receber a responsabilidade de contribuir para a liderança da Igreja universal com apenas 48 anos de idade, (o cardeal mais jovem da história) mas é um sinal de grande estima do Papa Francisco pelo serviço que tem sido feito e continua a ser feito na Mongólia e em todo o mundo.

Entre os novos cardeais estão o Arcebispo de Brasília, Dom Paulo Cezar Costa e o Arcebispo de Manaus, Dom Leonardo Steiner.

Catequista Rufina presenteia o novo Cardeal com um prato típico da Mong´ólia.

Catequista Rufina presenteia o novo Cardeal com um prato típico da Mong´ólia.

Ao chegar em Roma, Dom Giorgio Marengo, bispo e Prefeito Apostólico de Ulaanbaatar, trouxe consigo um pedaço da Mongólia e, em particular, foi acompanhado pelo seu secretário, o Padre Peter Sanjaajav, o segundo sacerdote mongol (o primeiro é o Padre José Enkh), e duas catequistas: Rufina Chamingerel e Monica Odzaya. Falando com eles, respira-se o frescor de uma Igreja que está na sua infância e goza daquela bênção que vem diretamente dos primeiros séculos, quando muitas mulheres e homens deixam a alegria de terem encontrado Jesus e a sua Boa Nova brilhar nos seus rostos e com o seu entusiasmo, animar outros para se lançarem no mesmo caminho.

A nomeação de Dom Marengo como Cardeal representa uma profunda atenção do Santo Padre à Igreja na Mongólia, uma realidade onde a Igreja é minoria em meio às grandes religiões asiáticas. O gesto representa um grande encorajamento à pequena comunidade católica para renovar fervorosamente a sua fé. A Igreja Católica na Mongólia tem cerca de 1.500  batizados e 70 missionários entre religiosos e religiosas. Os missionários e missionárias da Consolata se encontram no país desde 2003.

Rufina e Monica, o que significa para vocês ser catequista no seu país?

“A Mongólia é grande e a população está a crescer rapidamente, mas muito pequena em comparação com a dimensão do território. Como catequistas somos poucos, cerca de trinta em todo o país, e os instrumentos de proclamação não são muitos, temos uma tradução da Bíblia feita pelos protestantes, mas a maior riqueza para nós é a presença dos missionários: eles são ‘vidas que falam'”.

Qual é a maior alegria e o maior esforço de ser catequista?

A maior felicidade é precisamente poder falar aos nossos compatriotas sobre Jesus e o seu Evangelho. No entanto, por vezes, sentimo-nos pequenos perante o que temos a anunciar e perante homens e mulheres frequentemente mais velhos do que nós, com uma experiência de vida rica e que passaram por muitas dificuldades.

Cardeal Marengo com um grupo de Missionárias da Consolata.

Cardeal Marengo com um grupo de Missionárias da Consolata.

Na Mongólia muitas pessoas ainda vivem sem os meios mínimos para superar a pobreza e é difícil pensar em qualquer outra coisa quando se pretende sobreviver. Há também algumas pessoas que estudaram no estrangeiro, mas não estão muito interessadas na proposta cristã. Quando vejo um grupo de catecúmenos de quinze pessoas redizindo-se ao longo do tempo e só restam quatro, pergunto-me: estou a fazer algo de errado? Porque é que alguns deles partem? É muito agradável, porém, acompanhá-los e falar-lhes de uma Pessoa que mudou a minha vida”.

Padre Peter, como se tornou padre e o que o envolve particularmente no serviço da sua Igreja?

Em 2003 na noite de Páscoa fui batizada e no ano seguinte comecei a ser catequista na minha paróquia, estivemos entre os primeiros. Uma noite ouvi como uma voz a dizer três vezes: “Peter, Peter, Peter” e pensei que talvez fosse uma chamada especial. As condições na Mongólia não são fáceis e só comecei a ir à escola quando tinha quinze anos. Mesmo assim, consegui continuar os meus estudos, parti para a Coreia para frequentar o seminário e disse a mim próprio: Se apesar de ter começado as aulas tão tarde ainda consegui chegar aqui, talvez seja um sinal de que este é o meu caminho. Agora sou pároco assistente na catedral, e ir visitar pessoas em casa, especialmente as mais necessitadas, enche-me de alegria.

Catequistas Rufina Chamingerel e Monica Odzaya, Pe. Peter Sanjaajav, Cardeal Marengo, Pe. Ernesto Viscardi e jovem estudante da Mongólia.

Catequistas Rufina Chamingerel e Monica Odzaya, Pe. Peter Sanjaajav, Cardeal Marengo, Pe. Ernesto Viscardi e jovem estudante da Mongólia.

O que desejas ao dom Giorgio, que acaba de se tornar um cardeal?

Conheci o Padre Giorgio em 2005, quando era um jovem padre que lutava pelo estudo da língua mongol, tornou-se então responsável por uma das mais importantes missões na Mongólia, em Arvaikheer, perto de Karakorum, onde Genghis Khan, há muitos séculos, tinha reunido os líderes de todas as religiões então presentes no país. Há dois anos, o Padre Giorgio se tornou bispo e agora cardeal, mas permaneceu sempre ele próprio, com a sua bondade e atenção às pessoas, com a sua paixão missionária. Desejo que continue assim e que não perca a sua genuinidade.

“Quando vejo o Padre Giorgio gostaria de me tornar como ele, com o seu sorriso, com a sua grande paciência com todos, confidencia Rufina. Padre Giorgio, estamos muito perto de você. Agora tem uma responsabilidade muito grande e precisa de uma equipa: nós estamos aqui, o que quer que decida fazer, nós o apoiaremos”.

Cardeal Mrengo com o Superior Geral, Padre Stefano Camerlengo.

Cardeal Mrengo com o Superior Geral, Padre Stefano Camerlengo.

Obrigado Padre Giorgio, obrigado Padre Peter, Monica e Rufina por nos transmitir a beleza de descobrir um mundo novo em Jesus, um caminho ainda não percorrido, e também nos contagia com o desejo de sermos verdadeiros cristãos, transparentes, ansiosos por transmitir com tanto respeito Aquele que conquistou os vossos corações.

* Padre Piero Demaria, IMC, animador missionário em Turim, Itália.
TagsIgreja

Deixe uma resposta

dezoito + 18 =