Beatificação de Pauline Jaricot

pauline-jaricot

Fundadora da Pontifícia Obra para a Propagação da Fé será beatificada no domingo, 22 de maio.

Por Redação

Tudo está pronto em Lyon, França, para a celebração no próximo domingo (22) em que Pauline Jaricot, fundadora da Pontifícia Obra para a Propagação da Fé, será beatificada.

Da mídia católica que oferece uma análise aprofundada esta semana, às conferências e mesas redondas programadas ou uma exposição, à plataforma digital que oferece uma novena de oração a próxima Bem-aventurada, há realmente muitas oportunidades para todos descobrirem e mergulharem na vida, obra e carisma de Pauline Jaricot.

As Pontifícias Obras Missionárias francesas, que há algum tempo preparam este grande evento, estão trabalhando em nível organizacional nos numerosos eventos que estão sendo realizados, a começar pela Assembleia Geral das POM que acontece esta semana, também em um evento de comunicação para que esta celebração possa ser vivida da melhor forma possível e pelo maior número de pessoas. A mídia católica, em particular a RCF (Radio chrétienne francófona), propõe um programa diário para mergulhar na biografia de Pauline Jaricot, com um convidado especial, entre outros, o diretor das POM francesas, Monsenhor Georges Colomb, junto com a missa de beatificação a ser transmitida pela KTO Télévision Catholique, que tem programas especiais à tarde com vários convidados, incluindo a acadêmica Catherine Masson e o pai de Mayline Tran, a menina curada por intercessão de Jaricot.

Por outro lado, da plataforma digital surge a proposta de rezar a Pauline com uma novena que pode ser acompanhada todos os dias no site das POM francesas, que oferecem um subsídio diário de oração focado em um tema de vida ou carisma da próxima Bem-aventurada. No dia 20 de maio, o Museu Fourvière acolherá a inauguração de uma exposição (aberta até 20 de agosto) que levará os visitantes pela mão e os conduzirá nos passos de Paulina, contextualizando sua figura na Igreja da época e na história da sua cidade.Finalmente, no sábado de manhã, no Centro de Convenções de Valpré (Lyon), das 8h30 às 13h, está previsto um colóquio sobre “A fecundidade de um carisma: Pauline Jaricot, a obra missionária da Igreja e da Congregação para a Evangelização dos Povos”, do qual participarão historiadores, teólogos e missionários.

Biografia
Jaricot nasceu em 22 de julho de 1799, o caçula de sete filhos de Antoine e Jeanne Jaricot, no século 19 em Lyon, na França. Seu pai era dono de uma fábrica de seda em Lyon, França. Seu irmão, Philéas, era um missionário em Quangnam. Aos quinze anos, ela foi introduzida na vida social da cidade. Posteriormente, um sermão sobre vaidade causou-lhe uma profunda impressão.

Aos dezessete anos, após uma queda séria e a morte de sua mãe, Jaricot começou a levar uma vida de intensa oração e, no dia de Natal de 1816, fez um voto de virgindade perpétua. Ela estabeleceu uma união de oração entre as servas piedosas, cujos membros eram conhecidos como "Réparatrices du Sacré-Coeur de Jésus-Christ".

Como membro de uma associação fundada pelos Padres das Missões Estrangeiras de Paris, Jaricot foi pioneira na cooperação missionária organizada. Com as funcionárias da fábrica de seda administradas por sua irmã e cunhado, ela resolveu ajudar as missões com orações e uma pequena contribuição semanal de um centavo por semana de cada pessoa envolvida. A semente cresceu e outros grupos se juntaram para ajudar todas as missões. Isso acabou levando à fundação da Sociedade para a Propagação da Fé em 1822, dedicada a ajudar os esforços missionários em todo o mundo. Em 3 de maio de 1922, o Papa Pio XI declarou pontifícia a Sociedade de Propagação da Fé.

Um membro dos dominicanos leigos, o diretor espiritual de Jaricot por muitos anos foi João Batista Maria Vianney. Em 1822, ela organizou a impressão e distribuição de literatura religiosa. Ela acreditava que as informações sobre as missões deveriam ser divulgadas. Mais tarde, a futura Sociedade publicaria os Anais, que continham relatórios de vários territórios missionários, com o objetivo de aumentar o interesse pela Sociedade e pelas missões.

Jaricot ficou muito doente e em 10 de agosto de 1835 ela foi curada por Santa Filomena durante uma peregrinação a Mungnano, Itália.

Por volta de 1845, Jaricot comprou uma fábrica de alto-forno para funcionar como modelo de reforma social cristã. Um edifício adjacente à fábrica acomodava as famílias, e por perto havia uma escola e uma capela. Ela deixou a administração para pessoas que se mostraram desonestas e foi forçada a declarar falência em 1862. Tendo esgotado todo o seu dinheiro, ela passou o resto de sua vida desamparada. Ela morreu em 9 de janeiro de 1862 em Lyon.

O milagre

Estamos em maio de 2012. Com apenas 3 anos e meio de idade, a pequena Mayline é vítima de asfixia. Devido ao trânsito inadequado de alimentos – um pedaço de linguiça preso na garganta – a criança está engasgada. “O coração dela parou nos meus braços”, lembra Emmanuel, seu pai.

A ajuda chega e as pessoas tentam reanimar seu coração. A menina, que sofreu inúmeras paradas cardíacas a caminho do hospital, foi finalmente diagnosticada. “Fomos informados de que sua condição neurológica era irreversível e sua morte iminente”, continua o pai. Nos dias que se seguem, as consultas médicas se multiplicam, mas o resultado parece inevitável: a situação em que se encontra Mayline é desesperadora. “Depois de fazer uma ressonância magnética, os médicos nos disseram que, se ela não morresse agora, ela morreria nas próximas semanas”.

Cerca de quinze dias após o acidente, os pais dos alunos da escola de Mayline decidiram lançar, com Mons. Barbarin, uma novena à venerável Pauline Jaricot. A diocese de Lyon, comemorava o 150º aniversário do nascimento da venerável Pauline Jaricot, que deu a conhecer a seus contemporâneos a importância da missão da Igreja no mundo. A novena termina em 23 de junho. Naquele momento, Mayline está em coma, com assistência respiratória e alimentação artificial, com um tratamento de estimulação do coração que a levou a uma embolia pulmonar, com fortes convulsões. Os médicos, então, decidem interromper o tratamento. Mas os pais da menina querem que Mayline continue sendo alimentada artificialmente.

No início de julho, a Mayline foi transferida para Nice. Seu pai acaba de mudar de emprego; a família se muda também. Antes da transferência, porém, a menina recebe o sacramento da unção dos enfermos “para que possa ser recebida por Deus, da melhor maneira possível”, afirma o pai. Embora ela esteja em estado vegetativo, com uma forte deterioração de seu estado cerebral, a menina não desiste de viver. Mas, uma vez em Nice, quando a veem novamente, seus pais sentem que algo mudou. “Estávamos procurando um caixão para Mayline, depois do que os médicos nos disseram”, explica Emmanuel. “Mas, vendo-a novamente no hospital de Nice, tivemos a impressão de que havia algo diferente, como se ela estivesse voltando à vida”.

Os médicos de Nice estão pessimistas, a princípio, mesmo reconhecendo, diante dos pais, que a condição de Mayline realmente mudou. Descartam o diagnóstico vital; eles preveem uma vida em estado vegetativo para a jovem. Mas, para a surpresa de todos, semana após semana, ela finalmente volta à vida. Ela se recupera e está de boa saúde para surpresa da equipe médica. “Os médicos nunca foram capazes de nos explicar o que estava acontecendo”, explica o pai de Mayline. No final de 2012, Malyline podia, finalmente, ser liberada do hospital quando se aproximavam as férias de Natal.

Com informações da Agência Fides e Pontifícias Obras Missionárias.

Deixe uma resposta

catorze + seis =