Natal e Ano Novo com estilo africano

IMG_7069

Presépio Africano. Foto: Cleber Pires

PODCAST:

As festas de Natal e Ano Novo são universais e ultrapassam as culturas, países e continentes.

Por Jean-Claude Bafutanga

A África é um grande continente, atualmente composto por 54 países, cada um deles organizado de forma política, econômica, social, religiosa, cultural etc. A maioria desses países africanos foi dominada e escravizada por nações europeias, porém, na década de 60 do século passado, conseguiram sua independência, declarando-se livres das mãos dos colonizadores.

O continente africano é subdividido em cinco regiões (África Setentrional, África Meridional, África Central, África Ocidental e África Oriental), onde encontramos várias raças, com predominância da negra.

Encontra-se a raça branca na Região Setentrional, ou seja, na África do Norte, especialmente nos seguintes países: Egito, Líbia, Tunísia, Argélia, Marrocos, Saara Ocidental e Mauritânia. O estilo de vida é quase idêntico, quer seja na chamada África Branca como na África Negra. O povo africano é geralmente alegre, mesmo enfrentando situações difíceis que se apresentam em nível econômico, social ou político. Tenta amenizar e guardar o sorriso no rosto. É um povo festeiro, e antes que as festas ocidentais do Natal e Ano Novo fossem inseridas no continente pelo cristianismo, já fazia suas festas tradicionais, como manifestação cultural ou religiosa, conhecidas como “Religiões tradicionais africanas” ligadas aos grupos étnicos que existem.

Sabemos que a festa de Natal na qual celebramos o nascimento do Filho de Deus, Jesus Cristo, como também a festa do Ano Novo, passagem de uma nova Era, são de convenção humana. “Deus criou o céu e a terra como nos fala a Bíblia em Gn 1,1, o dia e a noite”, mas não criou a data para contar os dias, semanas, meses, anos ou séculos que passam; tudo isso foram os homens que decidiram organizar para celebrar suas festas, seus eventos. Isso se explica vendo, por exemplo, os calendários de alguns países como a Etiópia, que celebra a sua festa do Ano Novo em data completamente diferente de todos os outros países.

As festas de Natal e Ano Novo na África são celebradas de maneiras diferentes do que eu vi e vivi na América, especialmente no Brasil. Não podemos generalizar, porém, vou relatar o que acontece na aldeia onde nasci e cresci, na República Democrática do Congo.

Para preparar as festas de Natal e Ano Novo, sobretudo nas periferias ou nas aldeias, começamos por plantar o arroz. Quando isso está pronto, em meados de dezembro, aí começamos a programar as festas. Uma semana antes do Natal, os jovens e adolescentes da aldeia fazem um grande presépio todo de ramos, para acolher todos os jovens, adolescentes e os velhos convidados para o dia da festa. Já nas vésperas de Natal, no dia 24 de dezembro, todos se juntam ao redor da grande fogueira feita à frente do presépio para cantar, dançar, e depois os velhos convidados contam as histórias e piadas também para alegrar a turma. Chegando à meia noite, começa a festa de Natal verdadeira onde todos entram no grande presépio feito de ramos e lá dentro encontra-se um casal jovem com um recém-nascido da aldeia, representando a família de Nazaré: José, Maria e o pequeno Jesus. Todos os jovens e adolescentes que estiverem no local, vão passar um por um dançando e se prostrando diante dessa família. Quando chega a madrugada, alguns membros liberam o local e as pessoas vão para suas casas. Outros que são ligados à Igreja vão se preparando para ir à missa, outros ainda que não irão para a Igreja, vão permanecer no local preparando o almoço festivo com o arroz fresco tirado da roça. No almoço, todos da aldeia são convidados para festejar com os membros que estiveram no local à noite. Após a refeição, há uma pausa para descanso e digestão e em seguida começam os jogos para alegrar todos os convidados da aldeia. Durante a noite ainda a festa continua com danças culturais, alguns velhinhos da aldeia contam histórias ao redor da fogueira até amanhecer. Assim, a festa de Natal se encerra no dia 26 de manhã.

Para o Ano Novo, a turma retorna nas vésperas, isto é, no dia 31 de dezembro para celebrar juntos. A cerimônia é realizada da mesma forma como no Natal, a dança e os velhinhos de aldeia contando histórias de sua cultura durante toda a noite ao redor da fogueira. A diferença entre a festa de Natal e Ano Novo, é que para esse último, chegando à meia noite, a turma entra no presépio não para prostrar-se diante da família de Nazaré, mas, sim para louvar e agradecer a Deus por sua proteção ao longo do ano que termina, mas, sobretudo por estar vivo e ter visto a chegada do Ano Novo. Em seguida, continua a oração e as danças tradicionais em frente ao presépio até amanhecer. Durante o dia, o ritmo continua como foi no Natal até no dia 2 de janeiro, quando se encerram as festas, assim todos se despedem do local.

As festas de Natal e Ano Novo são universais e ultrapassam as culturas, países e continentes.

* Jean-Claude Bafutanga Anizeledi, imc, é missionário na Amazônia.

Deixe uma resposta

2 × 4 =