Mensagem de Natal dos Bispos do Regional Sul 1 da CNBB

Os Bispos da presidência do Regional Sul 1 da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), que compreende as arquidioceses e dioceses do estado de São Paulo, escreveram uma mensagem de Natal a todos.

Por CNBB

No Natal, os anjos de Belém anunciam duas mensagens fundamentais: a “glória de Deus” e “a paz aos homens”.

Ninguém dá tanta glória a Deus como o Menino que nasce em Belém e está deitado em palhas. Só Jesus, o Verbo Eterno, oferece ao Pai o louvor perfeito, infinito e digno de Deus.

À gloria nos céus corresponde o dom da paz na terra. A paz que necessitamos é justamente esta: as boas relações com Deus e com os outros. O Natal proclama a paz porque, pelo nascimento de Jesus, Deus nos oferece o perdão dos pecados e, mais ainda, a filiação divina: não somente somos restabelecidos na amizade com Deus, mas também somos introduzidos na relação divina do Verbo encarnado com o Pai.

ESTRELA-DO-MENINO-JESUSJesus é o príncipe da paz porque Ele não só anuncia, mas principalmente porque Ele é, em pessoa, a nossa paz com Deus e com os outros. De fato, se somos filhos de um único Pai, isso significa que somos realmente irmãos entre nós.

Para receber a paz na terra, os anjos proclamam que é preciso sermos pessoas de boa vontade. Se a benevolência de Deus consiste em sua boa vontade para conosco, nós só podemos responder a Deus com semelhante benevolência. A vontade só é boa se for reta, se estiver orientada totalmente para o bem e disposta a abraçar os sacrifícios que a sua prática exige. Sem uma adesão do coração ao bem, a vontade não é boa e a paz desaparecerá. Sem benevolência é impossível receber a paz. Sem benevolência, a paz de Cristo permanecerá uma oferta sem acolhida, uma dádiva sem quem a receba, uma mão aberta sem outra para apertá-la.

Os pastores nos ensinam a corresponder com boa vontade à benevolência divina: logo que ouviram o anúncio do Anjo, deixaram o descanso e os rebanhos para irem às pressas, e com grande alegria, ao encontro do Menino deitado na manjedoura. Foram eles os primeiros a encontrar o Príncipe da paz e se alegrar com sua paz.

Corramos também nós, hoje e sempre, com boa vontade e com alegria, ao encontro daquele cujo nome é “Conselheiro Admirável, Deus forte, Pai dos Tempos Futuros, Príncipe da Paz” (Is 9, 5).

São Paulo, 10 de dezembro de 2018.

Dom Pedro Luiz Stringhini
Bispo de Mogi das Cruzes
Presidente do CONSER-SUL 1

Dom Edmilson Amador Caetano
Bispo de Guarulhos
Vice-Presidente

Dom Julio Endi Akamine
Arcebispo de Sorocaba
Secretário-Geral

Deixe uma resposta

cinco + 10 =