Acorda!

Não presumas tanto pelo que fazes pelos outros, porque te farão pagar. Quem dorme, a última coisa que quer é ser acordado. E quando o acordares imprecará precisamente contra ti. (O mestre de Mahatma Gandhi)

Por Domingos Francisco Forte *

Abramos bem os olhos e sejamos sinceros: será que alguém gosta, quando em pleno sono profundo, de ser despertado? A meu ver (e eu sou o primeiro da lista), a resposta é direta: não. Quanto “amamos” o sono! Indo direto ao assunto, sem simulações, falemos do sono da consciência. Aí, quanto dorminhoco por aí! É aquele  tal que diz, e convencido do que diz: "é assim, eu não posso fazer nada; estamos dentro de um sistema". Acorda! Isso não é verdade! Claro, a questão é que se acordar, há que assumir a vida e verificar que muito (o mais importante!) depende, só de si.

Se mergulharmos no turbilhão dos afetos, vemos o quê? Vemos o “você é o meu mundo, a minha felicidade!”. Isto é, quando você encontrar o homem ou a mulher certa isto é que vai ser maravilhoso! Acorda! Não é verdade. Se você não é feliz dentro de si mesmo, não o será jamais. Não se pode fazer feliz quem não o é. Como se pode dar o que não se tem?

Se entrarmos na caixa das vontades, o que vamos encontrar? Vamos encontrá-la repleta de "eu não sou nada, não vale a pena". Acorda! Não é verdade. No dia em que se descobrir que não é assim, não se poderá mais culpar os outros e fazer o jogo "vejam quão desafortunado eu sou".

Se formos dar uma espiadinha ao cantinho das presunções, mercadoria não falta. O "eu sou bom" dá para dar e vender. Acorda! Não é bem assim. Você é bom, mas é porque não se conhece e não se olha dentro. Você é bom porque quer considerar-se superior aos outros e assim, pensar que pode julgá-los. Mas "ninguém é bom senão Deus" (Mc 10, 18), disse Jesus.

Se abrirmos a caixinha das convicções, pequenina, ela está saturada. É o “não se pode fazer nada". Acorda! Ainda bem que não é assim! É difícil meter-se em jogo em primeira pessoa e expor-se; é que é mais cômodo dizer e pensar assim do que sujar as mãos. Mas, se Gandhi tivesse pensado assim, a Índia ainda hoje seria uma colônia britânica!

Se acessarmos o baú das expectativas, então, seremos soterrados por uma enxurrada de ilusórias projeções. O "quando tiver aquela coisa, aí, sim, eu vou ser feliz", domina a situação. Acorda! Não é assim. Se você pensa que são as coisas ou as pessoas que fazem você feliz, então nunca o será. A felicidade não é um fim, mas a consequência (ou o resultado) de uma vida significativa, realizada e de amor.

Caríssimo jovem, saiba que Deus vive em você. Essa é a sua verdade mais profunda. Não desista de procurar por ela e de a descobrir! Mais: cuida bem do que você tem e leve isso dentro de si. Você tem coisa muito boa em seu interior!

* Domingos Francisco Forte, imc, é missionário em Portugal.
(CC BY 3.0 BR)

Deixe uma resposta

cinco × 1 =