Leigos partilham sentimentos sobre a missão

Fátima Missionária

Leigos Missionários da Consolata colombianos reuniram-se em assembleia, em Medellin, na Colômbia. O encontro fomentou a partilha de experiências e de sentimentos entre quem já partiu em missão e quem foi "enviado".

Aide Gutierrez, de Bogotá, prestes a completar 40 anos, testemunha a importância de ter realizado o compromisso LMC (Leigos Missionários da Consolata) e afirma que é uma oportunidade de "replantar em terra fértil".

Pedro Cortés, um dos leigos enviados e actual coordenador nacional dos LMC, parte em missão para S.Vicente del Caguán por tempo indeterminado. O homem de 44 anos de idade explica : "Estou a concretizar a opção radical que fiz há 25 anos atrás quando me comprometi como LMC. Tudo que fiz ate hoje foi missão, e agora que vou viver com uma nova comunidade continuo a pensar - nós somos os nossos únicos animadores por isso a decisão de partir faz parte desse esforço de continuar a animar-me e a seguir a vocação que Deus me deu - servir os últimos anunciando o evangelho .

Os outros dois enviados formam um casal: Maria Rosário e Juliano Uribe. Depois de 50 anos de matrimónio continuam a sentir o chamamento de Deus para servir os últimos na concretização da vocação LMC.

O leigo, Juan Carlos Osório, partilhou a sua vivência missionária em Remolino del Caguán. Durante cerca de três anos o que mais trabalhou foi o sentido de responsabilidade, constata. "Convertermo-nos em verdadeiros sinais de consolação", explica. "Quando vamos em missão, também vamos servir os nossos companheiros de trabalho, para eles também é preciso ter paciência e tolerância", acrescenta. Conclui que o que mudou nele foi a maturidade: "Hoje vivo uma vocação LMC mais madura".

 

Fonte: www.fatimamissionaria.pt

Deixe uma resposta

5 + doze =