Vida Consagrada: Papa Francisco Destaca a Espera e a Interioridade na Celebração da Festa da Apresentação do Senhor

Procissão com velas acesas marca o XXVIII Dia Mundial da Vida Consagrada na Festa da Candelária

Por Redação

Nesta sexta-feira, 02 de fevereiro, em celebração à Festa da Apresentação do Senhor e ao Dia Mundial da Vida Consagrada, o Papa Francisco presidiu uma emocionante missa na Basílica Vaticana, reunindo religiosos e religiosas de diversas congregações. Sob o tema da espera e da vida interior, o Santo Padre destacou a importância de permanecer vigilante e aberto à novidade de Deus em sua homilia.

A missa, que contou com a presença de fiéis, principalmente homens e mulheres consagrados, teve um momento significativo com a Basílica na penumbra. Os participantes seguravam velas acesas, abençoadas durante a cerimônia, simbolizando a luz de Cristo, salvação para o mundo. O cardeal João Braz de Aviz conduziu a procissão em direção ao altar, representando a propagação da luz de Cristo pelos inúmeros carismas dos institutos religiosos.

O Papa Francisco ressaltou a figura de Simeão e Ana como protagonistas da passagem do Evangelho, enfatizando a atitude incomum da espera. "Irmãs, irmãos, cultivemos na oração a expectativa pelo Senhor", incentivou o Papa em sua homilia, enfatizando a importância de uma "boa passividade do Espírito" para acolher a novidade de Deus.

O tema da espera foi central na reflexão do Santo Padre, que destacou dois obstáculos frequentes: a negligência da vida interior e a adaptação ao estilo do mundo. Ele alertou sobre o perigo de cair no "sono do espírito" e perder a perseverança espiritual, bem como de permitir que o espírito mundano substitua os ensinamentos do Evangelho.

Ao citar a mística francesa Simon Weil, o Papa convidou os consagrados a desejarem a Deus acima de tudo e renunciarem ao resto. Ele enfatizou a importância de aprender a "boa passividade do Espírito" para abrir-se à novidade de Deus, reconhecendo que a novidade muitas vezes se apresenta de maneira imprevisível e em tempos não esperados.

Concluindo sua homilia, o Papa Francisco instigou os presentes a deixarem-se interpelar e movidos pelo Espírito, seguindo o exemplo de Simeão e Ana. "Se vivermos a expectativa salvaguardando a vida interior e permanecendo coerentes com o estilo do Evangelho, abraçaremos Jesus, luz e esperança da vida", finalizou o Santo Padre.

Com informações de VaticanNews

 

Deixe uma resposta

dezenove + 19 =