Inteligência Artificial

A I.A. é um ramo da computação que usa de mecanismos tecnológicos para simular e chegar o mais próximo possível do que seria a inteligência humana.

Por Fátima Bazeggio

Há muitos anos o cinema e a literatura vem explorando ideias e temas futuristas, que oferecem uma visão diferente do que hoje é conhecido. Já está batendo à nossa porta, a surpreendente e polêmica I.A. ou seja inteligência artificial.

A palavra inteligência vem do latim “intelligere” que significa” escolher entre” ou seja, a capacidade de um indivíduo escolher entre várias opções que lhe são oferecidas. Assim deduzimos que entre as capacidades intelectuais de um ser humano está a faculdade de raciocinar, interpretar, entender e analisar, e usar sua inteligência para avaliar e decidir pelo que é melhor, mais moral e mais ético. Além de todas essas atribuições, o ser inteligente também faz uso das faculdades de imaginação, reflexão, memória, julgamento, discernimento e crítica entre outros. Um conhecido psicólogo de nome Howard Gardner apresentou uma teoria, onde segundo seus estudos, haveria pelo menos oito diferentes processos mentais dentro do cérebro humano. Seriam eles: inteligência linguística, lógica, espacial, motora, musical, interpessoal, intrapessoal e naturalista. Temos ainda a inteligência emocional dentro da psicologia, que determina quando o indivíduo é capaz de identificar suas emoções, de controlar impulsos, de expressar gratidão e desenvolver empatia.

Agora vejamos, caro leitor, em poucas linhas do que trata a inteligência artificial, para que você mesmo possa fazer uma comparação e chegar às suas próprias conclusões.

A I.A. é um ramo da computação que usa de mecanismos tecnológicos para simular e chegar o mais próximo possível do que seria a inteligência humana.

Nesse caso temos uma máquina armazenando informações em seu banco de dados através de algoritmos.(conjunto de regras que um programa de computador usa para realizar uma tarefa)
Por exemplo: um aplicativo alimentado com informações de trânsito é capaz de indicar caminhos para os motoristas a partir de exemplos verificados pelos algoritmos. Hoje desde a medicina, a educação, o agronegócio, o marketing, o reconhecimento facial, praticamente todos segmentos usam a I.A. Ao lado dos muitos benefícios da I.A é assustador pensar nos riscos e no mau uso que essa ferramenta pode causar para favorecer interesses de poderosos e de grandes empresas, para o comércio, política e até na área militar.

Ética e Inteligência Artificial

Aqui se apresenta uma questão fundamental: como regulamentar uma novidade tão complexa como essa?

Muitos organismos mundiais, assim como a Organização das Nações Unidas (ONU) já se manifestaram a respeito das implicações éticas que a I.A pode desencadear e de colocar parâmetros para regulação dessa prática, a fim de seja aplicada apenas para fins pacíficos, levando em conta acima de tudo os aspectos humanos, de forma a contribuir para o bem da população e garantir seus direitos fundamentais.

O papa Francisco, também preocupado com os riscos que essa nova tecnologia representa para a humanidade, tomou a iniciativa de promover um encontro com representantes das três religiões abraâmicas (judaísmo, cristianismo e islamismo) para a assinatura de um documento conjunto, sobre a ética na inteligência artificial.

Inteligência Artificial e a Paz

Inspirado nesse mesmo documento o Papa Francisco promulgou o dia primeiro de janeiro de 2024 como dia mundial da paz, com o tema “Inteligência artificial e a paz”. Em poucas palavras, esse documento afirma que toda tecnologia deve servir para o desenvolvimento e o progresso, desde que acima de tudo esteja contemplado o cuidado e o bem estar dos povos. Devemos permanecer alertas e buscar analisar cuidadosamente as informações e as implicações dos avanços tecnológicos nessa área, para não sermos usados como massa de manobra através de publicações ou fake news nos meios de comunicação social.

É urgente saber usar o que há de positivo na inteligência artificial, de forma responsável para o serviço da vida, da justiça e do direito, protegendo e cuidando do ser humano e também da nossa casa comum, todo o universo habitado. Esse é o desejo do Papa Francisco e de todos os homens e mulheres de boa vontade, comprometidos com o Reino de Deus que já está no meio de nós.

Fátima Bazeggio é Leiga Missionária da Consolata, LMC.

Deixe uma resposta

4 × 5 =