Papa lança apelo à paz entre Israel e Palestina

Uma massiva e mortal ofensiva surpresa do Hamas nos últimos dias levou Israel a declarar guerra, provocando apelos do Papa Francisco e líderes religiosos na Terra Santa por calma e por intervenção internacional.

Por Elise Ann Allen, publicada por Crux, 09-10-2023

Falando aos fiéis reunidos na Praça São Pedro em seu discurso do Angelus de domingo, 8 de outubro, o Papa Francisco disse: "Estou acompanhando com apreensão e dor o que está acontecendo em Israel, onde a violência explodiu ainda mais ferozmente, causando centenas de mortes e ferimentos. Expresso minha proximidade às famílias das vítimas. Eu rezo por eles e por todos aqueles que estão vivenciando horas de terror e angústia", disse ele.

Ele suplicou a ambos os lados que "por favor parem com os ataques e as armas e entendam que o terrorismo e a guerra não levam a nenhuma solução, apenas à morte e ao sofrimento de muitas pessoas inocentes. A guerra é uma derrota, toda guerra é sempre uma derrota", disse ele, e pediu aos fiéis que se unissem a ele em oração pela paz em Israel e na Palestina.

israelpalestinaNo sábado, 7 de outubro, o grupo palestino Hamas lançou um massivo ataque surpresa contra Israel, incluindo uma salva de foguetes disparados de Gaza e homens armados ultrapassando barreiras de segurança a pé. Os militantes divulgaram vídeos nas plataformas de mídia social mostrando israelenses sendo alvejados e vários deles sendo feitos reféns.

O ataque começou ao amanhecer do feriado judeu de Simchat Torah, que marcou o 50º aniversário do ataque lançado pelas forças egípcias e sírias em 1973 durante o feriado judeu de Yom Kippur, na tentativa de recuperar territórios que Israel havia obtido durante uma breve guerra em 1967.

Mohammed Deif, líder das Brigadas al-Qassam, a ala militar do Hamas, disse após o início do ataque de sábado que era a primeira fase da "Operação Dilúvio de Al-Aqsa" e que cerca de 5.000 foguetes haviam sido disparados, atingindo Tel Aviv em alguns casos. No norte de Israel, as forças israelenses se envolveram em uma breve troca de mísseis com o grupo militante Hezbollah, do Líbano, suscitando temores de um conflito regional mais amplo. O Hezbollah disse ter lançado ataques de morteiro do Líbano sobre a região ocupada de Shebaa Farms, e Israel afirmou ter respondido com ataques de artilharia.

Após o ataque de sábado, com combates intensos entre forças palestinas e israelenses continuando em várias áreas do sul de Israel, o primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu declarou que o país está em guerra. Os líderes do Hamas disseram estar preparados para uma escalada adicional, e a questão que permanece é se Israel lançará agora uma invasão terrestre em Gaza.

Até o momento, estima-se que o número de mortos em Israel seja cerca de 600, com mais de 2.000 pessoas feridas, de acordo com vários veículos de mídia israelenses. Enquanto isso, autoridades palestinas afirmaram que mais de 300 pessoas foram mortas em Gaza. Não houve confirmação oficial do número de mortos em nenhum dos lados.

Em um comunicado de 7 de outubro, o Patriarcado Latino de Jerusalém, liderado pelo Cardeal Pierbattista Pizzaballa, que está atualmente em Roma participando do Sínodo dos Bispos sobre Sinodalidade e que recebeu o barrete vermelho do Papa Francisco em 30 de setembro, disse que acordou com "uma explosão repentina de violência que é muito preocupante devido à sua extensão e intensidade".

"A operação lançada a partir de Gaza e a reação do Exército de Israel nos estão levando de volta aos piores períodos de nossa história recente", disseram eles, afirmando que os muitos ciclos de violência que afetam tanto famílias israelenses quanto palestinas "criarão mais ódio e divisão e destruirão cada vez mais toda perspectiva de estabilidade". Eles pediram à comunidade internacional e aos líderes religiosos da região e do mundo que façam tudo o que estiver ao alcance "para desescalar a situação, restaurar a calma e garantir os direitos fundamentais das pessoas na região".

"Decisões unilaterais em relação ao status de locais religiosos e lugares de culto abalam o sentimento religioso e alimentam ainda mais o ódio e o extremismo. Portanto, é importante preservar o status quo em todos os lugares santos na Terra Santa e, em particular, em Jerusalém", disseram eles.

Em Israel, status quo refere-se a um entendimento entre comunidades religiosas sobre nove locais religiosos compartilhados em Jerusalém e Belém, bem como um entendimento político entre partidos políticos e comunidades religiosas para não alterar o arranjo comunal em relação a assuntos religiosos.

As tensões entre Israel e a Palestina aumentaram nos últimos meses após a reeleição de Netanyahu no ano passado e a formação de sua coalizão de extrema-direita, com muitos criticando a inclusão de personalidades radicais, como o ministro das Finanças Bezalel Smotrich e o ministro da Segurança Nacional Itamar Ben-Gvir, que em 2007 foi condenado criminalmente por incitar ao racismo antiárabe e apoiar um grupo militante judeu.

"O derramamento contínuo de sangue e as declarações de guerra nos lembram mais uma vez da necessidade urgente de encontrar uma solução duradoura e abrangente para o conflito palestino-israelense nesta terra, que é chamada a ser uma terra de justiça, paz e reconciliação entre os povos", disse o Patriarcado Latino. "Pedimos a Deus que inspire os líderes mundiais em sua intervenção para a implementação da paz e da concórdia, para que Jerusalém possa ser uma casa de oração para todos os povos", disseram eles. O patriarcado também anunciou que, devido às circunstâncias atuais, todas as cerimônias em homenagem à elevação do Patriarca Latino de Jerusalém, Pierbattista Pizzaballa, a cardeal foram suspensas até novo aviso.

Falando com a imprensa em Roma antes de receber seu barrete cardinalício, Pizzaballa reconheceu que uma paz estável no futuro próximo era improvável e pediu esforços construtivos na construção da paz. Após o ataque de sábado, a Embaixada Cristã Internacional de Jerusalém organizou uma reunião diária de oração global via Zoom, na esteira da mais recente escalada de violência.

Em sua própria declaração conjunta de 7 de outubro, os patriarcas e os bispos das igrejas em Jerusalém disseram que a cidade, um lugar sagrado para milhões, "atualmente está imersa em violência e sofrimento devido ao prolongado conflito político e à lamentável ausência de justiça e respeito pelos direitos humanos. Nós, os patriarcas e líderes das igrejas em Jerusalém, temos repetidamente apelado para a importância de respeitar o status quo histórico e legal dos lugares sagrados", disseram eles, e pediram união e lembrança do desejo de Deus por paz e amor em toda a humanidade. Como responsáveis por proteger a fé cristã, os patriarcas e os bispos das igrejas disseram que estão em solidariedade com as pessoas da região "que estão enfrentando as devastadoras consequências da contínua luta".

"Nossa fé, que se baseia nos ensinamentos de Jesus Cristo, nos leva a advogar pelo cessar de todas as atividades violentas e militares que causam danos tanto a civis palestinos quanto israelenses", disseram eles. Em sua própria declaração no sábado, a Embaixada de Israel junto à Santa Sé alertou contra qualquer esforço de imparcialidade que colocasse o ataque do Hamas no mesmo nível moral com os esforços de autodefesa de Israel. "Nestas circunstâncias, o uso de ambiguidades linguísticas e termos que aludem a uma falsa simetria deve ser condenado", disse a declaração.

"A resposta de Israel não pode ser descrita como nada menos do que o direito legítimo à autodefesa", acrescentou a declaração. "Sugerir paralelismos onde eles não existem não é pragmatismo diplomático, é simplesmente errado".

Fonte: ihu.unisinos

Deixe uma resposta

três × 5 =