Papa Francisco publica Exortação Apostólica ”C’est la Confiance” dedicada a Santa Teresa do Menino Jesus

Foi publicada no domingo, 15 de outubro, a Exortação Apostólica do Papa Francisco “C'est la Confiance” (“Só a Confiança”) dedicada a Santa Teresa do Menino Jesus e da Santa Face no aniversário de 150 anos do seu nascimento em Alençon , na França. O seu “caminho” exorta a acreditar no amor infinito de Deus e a viver o encontro com Cristo na abertura aos outros. “No Coração da Igreja, minha Mãe, eu serei o Amor!”, escreveu a Teresinha, que morreu com apenas 24 anos e foi proclamada padroeira das missões.

“Só a confiança e nada mais do que a confiança tem de dirigir-nos ao Amor”. Estas palavras, escritas em setembro de 1896 por Santa Teresinha do Menino Jesus e da Santa Face, se inspiram no título da Exortação Apostólica que o Papa Francisco dedica à santa de Lisieux: “C'est la confiance” (Só a confiança). Palavras que, segundo ele, “sintetizam a genialidade da sua espiritualidade e seriam suficientes para justificar o fato de ter sido declarada Doutora da Igreja”.

Uma mensagem que faz parte do tesouro espiritual da Igreja

Francisco explica a escolha de publicar a Exortação no domingo, 15 de outubro, e não em um dado ligado à vida da Santa conhecida e amada em todo o mundo, mesmo pelos não crentes. O motivo é o desejo de que “a mensagem se situe além das ocorrências e seja assumida como parte do tesouro espiritual da Igreja”. Os dados da publicação caem, porém, na memória de Santa Teresa de Ávila para indicar Santa Teresinha como “fruto maduro” da espiritualidade da grande santa espanhola.

Os reconhecimentos dos Pontífices

O Papa Francisco reconstitui as etapas do reconhecimento do valor extraordinário do testemunho espiritual de Teresinha através das ações dos Pontífices: começando com o Papa Leão XIII, que permitiu que ela entrasse no convento aos 15 anos; passando por Pio XI, que a proclamou santa em 1925 e, em 1927, padroeira das missões; até São João Paulo II, que a declarou Doutora da Igreja em 1997. “Por fim”, lembra Francisco, “tive eu a alegria de canonizar os seus pais Luís e Célia durante o Sínodo da família e, recentemente, dediquei-lhe uma Catequese ”.

O amor por Jesus de uma alma missionária

Em sua cela, a Santa de Lisieux havia escrito: “Jesus é o meu único amor” e, analisando sua experiência espiritual, o Papa observa que o encontro com Jesus “a chamava para a missão”, tanto que não concebia “a sua consagração a Deus sem a busca do bem dos irmãos”.

Ela havia entrado no Carmelo, de fato, “para salvar as almas”. Teresinha expressou assim a sua alma missionária: “Estou certa de que quanto mais o fogo do amor abrasar o meu coração, tanto mais (…) as almas que se aproximam de mim (pobre pedacito de ferro inútil, se me afastasse do braseiro divino) , correrão, ligeiros, ao odor dos perfumes do seu Bem-amado, pois uma alma abrasada de amor não pode ficar inativa”.

O caminho da confiança e do amor

Francisco vai ao coração da espiritualidade de Teresa, aquele “pequeno caminho” também conhecido como o caminho da infância espiritual. Santa Teresa do Menino Jesus escreveu: “O ascensor que me há de elevar até ao Céu são os seus braços, ó Jesus! Para isso não tenho necessidade de crescer; pelo contrário, é preciso que eu permaneça pequena, e que me torne cada vez mais pequena”.

O que conta para ela é a ação de Deus, a graça, não os méritos pessoais, porque é o Senhor que santifica. O Papa escreve: “Por isso, a atitude mais adequada é depositar a confiança do coração fora de nós mesmos, ou seja, na infinita misericórdia de um Deus que ama sem limites e que deu tudo na Cruz de Jesus. Daí que Teresa nunca usa a expressão, frequente no seu tempo, «hei de fazer-me santa»”.

O abandono nas mãos de um Pai

Em nossa existência, onde muitas vezes, diz Francisco, “nos dominam os medos, o desejo de seguranças humanas, a necessidade de ter tudo sob controle”, a confiança e, portanto, o abandono em Deus que Teresa promove “liberta-nos de cálculos obsessivos, da preocupação constante com o futuro, dos medos que tiram a paz. (…) Se estamos nas mãos dum Pai que nos ama sem limites”, continua ela, isso será verdade “venha o que vier temos de o ultrapassar e, duma forma ou doutra, cumpra-se-á na nossa vida o seu projeto de amor e de plenitude”.

A “prova contra a fé” e a confiança na misericórdia

A vida espiritual da jovem carmelita não foi isenta de provas e lutas, especialmente no último período de sua vida, ela experimentou uma grande “provação contra a fé”. Naquela época, o ateísmo moderno estava experimentando uma grande expansão e ela “se sente irmã dos ateus”, intercede e oferece a vida por eles, renovando o seu ato de fé. Ela acredita na infinita misericórdia de Deus e na vitória definitiva de Jesus sobre o mal: a sua confiança obtém a graça da conversão na força de um assassino múltiplo.

Tudo em Deus é amor, até mesmo a Justiça. “Esta é uma das descobertas mais importantes de Teresinha”, diz o Papa, “um dos maiores contributos que prestou a todo o Povo de Deus. De modo extraordinário, penetrou nas profundezas da misericórdia divina e, de lá, retirou a luz da sua esperança ilimitada”.

A maior caridade na maior simplicidade

Santa Teresa quer “alegrar” o Senhor, quer corresponder ao amor de Jesus. “Tem a viva certeza de que Jesus amei e conheceu pessoalmente na sua Paixão”, escreve o Papa Francisco, “contempla o amor de Jesus por todos e por cada um como se fosse único no mundo”. E sobre ela, continua: “viva a caridade na pequenez, nas coisas mais simples da existência de cada dia, e fá-lo na companhia da Virgem Maria, aprendendo d'Ela que «amar é tudo dar, e dar-se a si mesmo»”.

No Coração da Igreja, minha Mãe, serei o Amor

De Santa Teresa de Ávila, Teresinha herdou, lemos na Exortação, “um grande amor pela Igreja, chegando a atingir as profundezas deste mistério”. Ela escreve em História de Uma Alma: “compreendi que a Igreja tinha um coração e que esse coração estava inflamado de amor. Entendo que somente o Amor faz os membros da Igreja agirem”. E então: “Sim, encontrei meu lugar na Igreja (…) No Coração da Igreja, minha Mãe, eu serei o Amor!”. O Papa Francisco comenta: “Não é o coração duma Igreja triunfalista, mas o coração duma Igreja amante, humilde e misericordiosa”. Ele acrescenta: “Tal descoberta do coração da Igreja é uma grande luz também para nós hoje, a fim de não nos escandalizarmos por causa das limitações e fraquezas da instituição eclesiástica, marcada por obscuridades e pecados, e entrarmos no seu coração ardente de amor, que se incendiou no Pentecostes graças ao dom do Espírito Santo”.

O dom total aos outros

As provas interiores vívidas por Santa Teresinha, que às vezes a levaram ao ponto de se perguntar “se haveria céu”, levaram a Santa a “passar de um fervoroso desejo do Céu para um constante e ardente desejo do bem de todos”, e à resolução de continuar sua missão mesmo após a morte. “Desta forma”, lemos na Exortação, “chegava à última síntese pessoal do Evangelho, que partia da plena confiança para culminar no dom total aos outros”. “É a confiança”, escreve o Papa, “que nos conduz ao Amor e assim nos liberta do temor; é a confiança de que nos ajuda a desviar o olhar de nós mesmos; é a confiança que nos permite colocar nas mãos de Deus aquilo que só Ele pode fazer. Isto nos deixa uma imensa torrente de amor e de energias disponíveis para procurar o bem dos irmãos”.

No final, conta só o amor

No último capítulo, o Pontífice explica que esta Exortação Apostólica lhe permite registrar que, como lemos na Evangelii gaudium, em uma Igreja missionária “o anúncio concentra-se no essencial, no que é mais belo, mais importante, mais atraente e, ao mesmo tempo, mais necessário” (47). “Em última análise”, escreve o Papa, “conta só o amor”.

Para Francisco, “o contributo específico que Teresinha nos oferece como Santa e como Doutora da Igreja” é “levar-nos ao centro, àquilo que é essencial”. O Papa se dirige aos teólogos, aos moralistas e aos estudiosos da espiritualidade e diz: “temos ainda necessidade de acolher esta intuição genial de Teresinha e tirar as devidas consequências teóricas e práticas, doutrinais e pastorais, pessoais e comunitárias. São precisas audácia e liberdade interior para o poder fazer”.

A atualidade do “caminho”

Aproximando-se da conclusão, o Papa recorda os principais aspectos do seu “caminhito” e sua atualidade. Em uma época marcada pelo fechamento dos próprios interesses, pelo individualismo e pela obsessão do poder, ela nos mostra a beleza de fazer da vida um dom, indica o valor da simplicidade e da pequenez e o primado absoluto do amor “superando uma lógica legalista e moralista que enche a vida cristã de obrigações e preceitos e congela a alegria do Evangelho”. A Exortação se encerra com uma breve oração na qual, entre outras coisas, o Papa invoca:

“Amada Santa Teresinha,

Ajudai-nos a ter sempre confiança,

Como fizestes vós,

No grande amor que Deus tem por nós,

Para podermos imitar cada dia

O vosso caminho de santidade”.

 

Confira (aqui) a Exortação Apostólica na íntegra.

Fonte: CNBB

Deixe uma resposta

um × 1 =