O Poder dos Diálogos Amazônicos

Por Ima Célia Guimarães Vieira

O Brasil retomou as discussões sobre a agenda socioambiental e climática e a Amazônia é o centro deste debate, dada a sua relevância para o planeta.

Enfrentar os desafios históricos de uma economia periférica que se integrou ao mercado nacional sob uma natureza colonizadora e de enfrentamento às desigualdades sociais, não é tarefa fácil. Os indicadores sociais da Amazônia estão aquém da média nacional dos países que compartilham a floresta. Os níveis de pobreza na região são muito elevados e a qualidade de vida muito baixa. No Brasil, mesmo tendo 20% das águas dos rios e lagos do planeta, temos as taxas mais baixas de acesso à água tratada e coleta de esgoto do país. Aliado a isso, a crise socioambiental na região revela os limites de um sistema que está sendo rapidamente destruído e que tende a perecer, se a crise não for detida. O desmatamento, as queimadas, a perda de biodiversidade, a degradação dos solos, a invasão de territórios indígenas e das comunidades tradicionais, os grandes projetos de petróleo e gás e o agravamento da crise climática, são ameaças à integridade do bioma e de seus povos.

São muitos os problemas e são muitas as demandas por melhoria das condições básicas de existência do povo amazônida. Mesmo assim, os debates políticos atuais estão centrados na urgência climática e na descarbonização da economia, com ênfase excessiva sobre a comercialização do carbono, que tornou-se uma commodity global. O Papa já expressou sua oposição à compra e venda de créditos de carbono, pois isso pode levar a uma “nova forma de especulação que não ajudaria a reduzir a emissão global de gases poluentes”. Mas o comércio de carbono florestal continua sendo o caminho preferido pelos economistas para uma transformação ecológica, ao lado da transição energética e da bioeconomia.

Efetivar alternativas de mercantilização da floresta por setores não diretamente capitalistas como os povos originários e populações tradicionais, que desenvolveram relações sustentáveis com o ambiente, é preocupante. É hora do debate que inclua as vivências e as demandas dos povos excluídos dos projetos até então formulados para a região. É hora de defender as experiências agroecológicas, as bioeconomias baseadas na sociobiodiversidade e a luta pelos territórios coletivos. É hora de pensar soluções para as cidades amazônicas. A Repam aposta no protagonismo dos povos amazônicos na defesa e no cuidado de nossa casa comum e tem tido um papel fundamental na construção dos Diálogos Amazônicos, evento que antecede a Cúpula da Amazônia, e que busca envolver inúmeros atores para discutir problemas e buscar caminhos possíveis para as Amazônias.

Não há dúvida de que a crise climática é real e urgente, e não podemos deixar que as soluções e respostas a serem consideradas na Cúpula da Amazônia, e em outros fóruns, ignorem e deixem de absorver as demandas reais de grande parcela da população amazônida, que vive em situação de degradação da vida em suas dimensões ecológica e socioambiental. Incorporar nas políticas públicas o saber de quem vive, interage e cria junto com os ecossistemas é a chave para superar a crise atual. Apostamos no poder do Diálogo.

*Ecóloga e assessora da Rede Eclesial Pan-Amazônica REPAM-Brasil
TagsREPAM

Deixe uma resposta

cinco + quinze =