Os Sem Terrinha, obra prima do MST!

O MST é uma cunha atravessada no modelo agrícola brasileiro, mas é por ele e tantos outros agricultores agroecológicos que ainda podemos ter um alimento qualitativamente diferenciado.

Por Roberto Malvezzi (Gogó)

Há décadas, a Comissão Pastoral da Terra (CPT) acompanha o Movimento dos Sem Terra. Como pessoa da CPT por muitos anos, também acompanho a evolução do Movimento, ora mais próximo, ora mais distante, como agora. Quero dar meu testemunho sobre o Movimento.

semterra2Um dos aspectos mais belos foi passar do “ocupar, resistir, produzir” para o “ocupar, resistir, produzir e cuidar”. A ocupação se faz em propriedades improdutivas conforme reza a lei. Resistir para existir. Produzir para sobreviver e alimentar os outros. E agora cuidar, para estar à altura do século XXI, onde a lógica do raciocínio complexo exige que se produza (economia) mas de uma forma que o ambiente seja preservado (ecologia). Daí a preocupação com a agroecologia, a biodiversidade, o plantio de 100 milhões de árvores, o cuidado com a água, com os solos, a supressão dos venenos, os alimentos sadios, além da justiça social básica, assim por diante.

Se quero um alimento sadio aqui em Juazeiro da Bahia, preciso comprar produtos da agricultura familiar. Na quinta e na sexta-feira compramos na feira de orgânicos na orla nova da cidade, onde está a feira agroecológica e lá estão também as barracas do MST junto com outras bancas da agricultura familiar. Evitamos quase que totalmente os produtos da agricultura irrigada, altamente consumidora de venenos, além da água e dos solos.

O MST é uma cunha atravessada no modelo agrícola brasileiro, mas é por ele e tantos outros agricultores agroecológicos que ainda podemos ter um alimento qualitativamente diferenciado.

Porém, o trabalho que mais me encanta é com as crianças. Elas poderiam estar por aí engrossando a fila do crime organizado, no desespero de não ver uma saída para a vida numa sociedade cruel como a brasileira. Com toda certeza, muita gente de bem nesse país preferiria que elas estivessem com o crime, ficaria mais fácil de matá-las e justificar a eliminação desses bandidos pobres que são um peso para o país. Porém, ao contrário, as crianças são cuidadas, educadas e uma legião de filhos e filhas dos Sem Terra vão se tornando profissionais competentes em vários ramos do saber e das profissões, inclusive médicos e médicas, uma casta quase que impenetrável nesse país chamado Brasil.

Chamados de “poetas sociais” pelo Papa Francisco, o MST, e outros movimentos, fazem parte do melhor que esse país ainda tem.

Roberto Malvezzi (Gogó) é agente da Comissão Pastoral da Terra (CPT).

Deixe uma resposta

oito − quatro =