Papa Francisco inicia viagem apostólica à Hungria

Em seu discurso, Francisco se preocupou com os sacerdotes de modo particular pelas numerosas exigências da vida paroquial e pastoral, e diminuição das vocações.

Por Redação

Na manhã do dia 28 de abril, o Papa Francisco iniciou sua Viagem Apostólica à Hungria com um encontro na Basílica de Santo Estêvão, em Budapeste, onde foi recebido pelo cardeal arcebispo de Esztergom-Budapeste Péter Erdo, pelo presidente da Conferência Episcopal, Dom András Veres e pelo pároco.

Durante o encontro, algumas crianças entregaram flores ao Papa, e foram proferidos testemunhos de vida cristã e pastoral locais. Em seu discurso, Francisco destacou a importância de resistir às tentações da leitura catastrófica da história atual e do conformismo mundano, salientando que o cristianismo perde vigor quando nos fechamos em nossos cômodos e tranquilos oásis religiosos.

Ao grupo reunido na Basílica, o Papa iniciou seu discurso em tom pascal, aproveitando o momento litúrgico vivido pela Igreja e o tema da Viagem Apostólica: "Cristo ressuscitado, centro da história, é o futuro. Apesar de permeada pela fragilidade, a nossa vida está firmemente colocada nas mãos d’Ele. Se nos esquecermos disto, iremos também nós, pastores e leigos, à procura de meios e instrumentos humanos para nos defendermos do mundo, fechando-nos em nossos cômodos e tranquilos oásis religiosos; acabaremos por nos adequar aos ventos instáveis da mundanidade e, então, o nosso cristianismo perderá vigor e deixaremos de ser sal da terra."

Contra as tentações, Francisco destacou o chamado ao acolhimento com profecia e o perigo da mundanização: "trata-se de aprender a reconhecer os sinais da presença de Deus na realidade, mesmo onde esta não nos apareça marcada explicitamente pelo espírito cristão e venha ao nosso encontro sob a forma de desafio ou de interpelação.

E simultaneamente trata-se de interpretar tudo à luz do Evangelho sem se mundanizar, estejam atentos! Sem se mundanizar mas como arautos e testemunhas da profecia cristã. Estejam atentos ao processo de mundanização. Cair na mundanização talvez é o que de pior pode acontecer a uma comunidade cristã."

Ainda em seu discurso de pastor, Francisco se preocupou com os sacerdotes de modo particular pelas numerosas exigências da vida paroquial e pastoral, e diminuição das vocações. "Esta é uma condição comum a muitas realidades europeias, relativamente à qual é importante que todos – pastores e leigos – se sintam corresponsáveis: antes de mais nada na oração, porque as respostas vêm do Senhor e não do mundo, do sacrário e não do computador. E depois na paixão pela pastoral vocacional, procurando formas de oferecer, com entusiasmo, aos jovens o fascínio de seguir Jesus inclusive pelo caminho de especial consagração."

Superar as divisões humanas
Encaminhando-se para o final de seu discurso, o Papa exortou à atualização da vida pastoral através de uma colaboração ativa entre padres, catequistas, agentes pastorais, catequistas, destacando especialmente o aspecto da unidade como dom do Espírito: "É triste quando nos dividimos, porque, em vez de jogar em equipe, faz-se o jogo do inimigo: os bispos desunidos entre si, os padres em tensão com o bispo, os padres idosos em conflito com os mais jovens, os diocesanos com os religiosos, os presbíteros com os leigos, os latinos com os gregos; há polarização em questões que dizem respeito à vida da Igreja, mas também em aspetos políticos e sociais, refugiando-se em posições ideológicas. Isso não, por favor! O primeiro trabalho pastoral é o testemunho da comunhão, porque Deus é comunhão e está presente onde há caridade fraterna. Superemos as divisões humanas, para trabalhar juntos na vinha do Senhor!", enfatizou o Pontífice aos presentes.

"Esta é a Igreja que devemos sonhar: capaz de mútua escuta, de diálogo, de atenção aos mais frágeis; acolhedora de todos e corajosa em levar a cada um a profecia do Evangelho", sublinhou o Papa ao final, mais uma vez relembrando o exemplo dos testemunhos de santidade em terras húngaras, e exortou: "sede acolhedores, sede testemunhas da profecia do Evangelho, mas sobretudo sede mulheres e homens de oração, porque a história e o futuro dependem disto."

Por fim, o Papa Francisco encerrou seu discurso com uma mensagem de esperança para os fiéis húngaros: "Que a Virgem Maria, a Mãe da Esperança, acompanhe e proteja esta Igreja, este povo, e todos aqueles que, com sincera dedicação, colaboram no anúncio do Evangelho, sem se cansar de semear o bem e a esperança nos corações humanos. Obrigado por terem vindo e por me acolherem".

Após este momento de encontro o Papa retornou à sede da Nunciatura Apostólica.

A Viagem Apostólica do Papa Francisco à Hungria é sua primeira desde o início da pandemia de COVID-19, e tem como objetivo fortalecer os laços da Igreja Católica com as comunidades locais e promover a unidade e a fraternidade entre os povos. A visita é vista como um sinal de esperança em tempos difíceis e um convite à renovação espiritual e pastoral da Igreja.

Com informações da Vatican News.

Deixe uma resposta

quatro × 4 =