Missão como caminho de santidade

Como missionários, então, vocês devem ser não apenas santos, mas santos de maneira superlativa" (VS, 111)
Por Redação
“Esta é a finalidade primordial do nosso Instituto – disse aos seus missionários – não viestes aqui para…; mas para vos tornar santos; então e só então cumprirás bem o segundo propósito…” (IMC Conf. III, 258).
 
“Primeiro santos e depois missionários”
São muitas as declarações de Allamano que revelam a sua firme convicção de que só quem é santo pode ser um verdadeiro missionário. Esta convicção faz parte da sua identidade de Fundador, portanto, também do carisma dos missionários da Consolata.
 
Para Allamano há uma hierarquia explícita entre um “antes” lógico e um “depois”: primeiro os santos, depois os missionários. Primeiro deve-se enfatizar o ser da pessoa, portanto o seu trabalho, primeiro trata-se de cuidar do nosso ser, da nossa relação com Deus que nos chama a sermos santos, depois devemos transmitir esta relação aos outros. Com efeito, disse aos alunos: «Primeiro: devemos fazer-nos santos nesta Casa: não para nos fazermos Missionários, mas para nos fazermos Santos e depois Missionários», «Primeiro a nossa santificação, depois a conversão dos infiéis; primeiro nós e depois os outros. (...) Em primeiro lugar você veio para se tornar um santo; você não precisa mudar os termos." (VS 111-112)
 
Devemos antes de tudo buscar a santidade, pois esta é uma condição fundamental para a missão. A atividade apostólica e missionária, segundo Allamano, requer santidade de vida. “Alguém acredita que ser missionário consiste inteiramente em pregar, correr, batizar, salvar almas: não, não! Este é apenas o propósito secundário: santifiquemo-nos primeiro a nós mesmos e depois aos outros. Quanto mais santo for, mais almas salvará”. Para Allamano “é inútil querer converter os outros, se não somos santos” porque “se não somos santos... não fazemos nada”. "Querer fazer bem aos outros sem ser bom é querer o impossível." (VS 113).
 
Se a afirmação "primeiro os santos e depois os missionários" indica claramente que é a santidade que desempenha o papel fundamental na renovação da missão, mais do que os métodos e programas pastorais, é igualmente importante sublinhar como é a missão que contribui para a a santidade do missionário: isto é, trata-se de tornar-se "santos na missão ad gentes".
 
Portanto, a santidade do apóstolo se constrói, alimentando-se no "fazer missão", no dom constante de si, no amor e no serviço concreto aos irmãos aos quais é enviado, na comunhão com o Senhor que caminha, respira, cura e consola o povo por meio dele (cf. EG 266).
 
Santidade "na mão"
Muitas vezes somos tentados a pensar que a santidade está reservada a pessoas demasiado especiais, com dons excepcionais, fora do nosso alcance, ou seja, para quem tem a possibilidade de se afastar das ocupações ordinárias, para dedicar muito tempo à oração. Não é assim. Todos somos chamados a ser santos vivendo com amor e cada um dando o próprio testemunho nas suas ocupações quotidianas, onde se encontra procurando ser "extraordinário no ordinário", "fazendo bem o bem e sem ruído".
 
A Missão nos provou isso! São muitos os missionários, que tivemos a sorte de conhecer, que deram a vida, sem alarde, com humildade, entusiasmo e dedicação, gastando-se ao serviço dos pobres, visitando aldeias, administrando os sacramentos, partindo nas pessoas uma memória indelével de uma santidade difundida, que se tornou próxima, "próxima", porque é reflexo da presença de Deus na sua vida. (cf. GeE 7).
 
A vida como caminho de santidade
Santidade é deixar o Espírito moldar em você hoje aquela palavra e aquela mensagem de Jesus que Deus quer contar ao mundo com a sua vida.
 
A santidade torna-se, portanto, viver os mistérios da sua vida em comunhão com Cristo. Portanto, a medida da santidade é dada pela estatura que Cristo alcança em nós, pelo quanto, com o poder do Espírito Santo, modelamos toda a nossa vida na dele (Fl.2,5). Assim, cada um de nós deve tornar-se uma mensagem que o Espírito haure das riquezas de Cristo e dê ao povo.
 
De fato, "Cada santo é uma missão, é um projeto do Pai para refletir e encarnar, em determinado momento da história, um aspecto do Evangelho" (Gaudete et exultate 19.21.23).
Fonte: Consolata.org

Deixe uma resposta

quatro × 4 =