Emilce Cuda: “no Sínodo há uma forte presença feminina”

Por POM

A nomeação de mulheres para cargos de decisão na Cúria Romana é vista como um gesto importante por Emilce Cuda, secretária da Pontifícia Comissão para a América Latina e membro de alguns Dicastérios Vaticanos.

Relativo ao atual processo sinodal, Emilce Cuda afirma que as mulheres “estão a fazer um grande trabalho de corresponsabilidade, há muita presença feminina, muito pelo contrário, são elas que mais falam, e de modo algum estão a ameaçar o lugar do clero, como alguns as percebem”. A partir daí, ela disse que “o que elas exigem é que a sua palavra seja tida em consideração”.

As mulheres têm conhecimento da realidade, e não podem ser vistas apenas como cuidadoras, e a Igreja é desafiada a reconhecer que “as mulheres no catolicismo não são apenas aquelas que estão nas paróquias, as mulheres, com base num Credo, numa fé em Deus e numa confiança na humanidade, tomam decisões em lugares de poder que têm a ver com o mundo secular”.

Ela vê a sua presença na Cúria como “uma contribuição mais do que aquilo que eu, como profissional, posso contribuir vindo de um lugar como a América Latina”. Uma presença feminina em todos os espaços eclesiais que, embora possa ser vista a princípio como confronto, “com o tempo, estes confrontos encontrarão espaços de diálogo, não devemos ter medo, devemos pensar, como diz o Papa Francisco, que estamos a iniciar processos”.

É uma mulher e está num espaço de responsabilidade na Cúria, algo que não era possível até não há muitos anos. Como é que experimenta isto no atual pontificado do Papa Francisco?

O mais importante é o gesto do Santo Padre de começar a nomear mulheres para cargos de decisão. Existem atualmente duas mulheres na Cúria Romana, a Irmã Alessandra Smerelli e eu própria, depois na Secretaria do Sínodo, a Irmã Nathalie Becquart, e outras mulheres, mas o que temos de ver é que quando o Papa nomeia estas mulheres, está a nomeá-las para cargos de decisão.

E isto não acontece noutras instituições, porque as mulheres estão a ser integradas, mas muitas vezes obrigadas pela pressão da opinião pública, a cumprir quotas, são mulheres que participam, mas não têm poder de decisão, e a verdadeira participação é poder tomar decisões, e é isso que o Papa está a fazer. Estes são gestos, mas com a intenção de serem reproduzidos, não só nas outras estruturas da Igreja Católica, mas também na sociedade civil.

Estamos a passar por um processo sinodal e muitas pessoas apelam a uma maior participação das mulheres. Como podemos reunir estas diferentes posições que existem na Igreja e que são legítimas, a fim de encontrar e reconhecer realmente o papel da mulher, não só na Cúria, mas em toda a Igreja?

O primeiro passo é o reconhecimento da dignidade humana em todos. Falar da mulher como algo separado, como algo a ser integrado, parece-me ser o primeiro problema. Estamos a falar da dignidade humana de todos, e as mulheres fazem parte dessa dignidade humana. As mulheres no Sínodo estão a fazer um grande trabalho de corresponsabilidade, há muitas mulheres presentes, muitas, são as que mais falam, e de modo algum estão a ameaçar o lugar do clero, como alguns percebem.

O que elas exigem é que a sua palavra seja tomada em consideração, não simplesmente para o reconhecimento, mas porque conhecem as causas dos problemas que temos no território e são elas que estão atualmente a trabalhar arduamente para os resolver. Portanto, esta é a base da Igreja e é isto que temos de defender.

E qual é a diferença, o que é específico, que essa presença feminina nos espaços de decisão da Igreja pode trazer?

Conhecimento, um conhecimento da realidade, um conhecimento dos corpos, um conhecimento das necessidades em todas as idades da vida, do que é cuidar de uma criança, mas também do que é sustentar um marido, um marido que perdeu o seu emprego sem qualquer possibilidade de o recuperar, como cuidar dos avós, em lares que não têm espaço. Há um conhecimento que não se aprende nos livros, é o conhecimento diário de sustentar a vida, que é o que as mulheres contribuem.

Podemos dizer que o Papa Francisco ajudou a compreender que o papel da Igreja, o papel de todos os batizados, é ajudar a sustentar a vida. Porque é que certos espaços eclesiais continuam a insistir em separar o sagrado do profano, o mundo e a Igreja, o que é algo que as mulheres poderiam ajudar a superar?

As mulheres podem ultrapassar isto na medida em que não são vistas apenas como cuidadoras, porque por vezes a Igreja reconhece-as em espaços de cuidado, e fazem-no muito bem, mas os homens também cuidam. A questão é colocar as mulheres em posições de decisão, as mulheres também se preocupam quando fazem parte de governos, quando são economistas, quando são decanos de universidades, quando são jornalistas, há cuidados a diferentes níveis.

Os cuidados profissionais e científicos prestados pelas mulheres no Estado, nas forças de segurança e nas forças armadas, no desenvolvimento nuclear, precisam de ser tornados visíveis e postos em palavras. Todas estas áreas devem ser hoje ocupadas por mulheres, e estão a ser feitos progressos nesta área.

Na Igreja, o que falta para que isto seja ainda mais reconhecido?

A Igreja tem de reconhecer que também existe uma Igreja quando há um católico a trabalhar em estruturas científicas, em estruturas académicas e em estruturas governamentais. As mulheres no catolicismo não são apenas aquelas que estão em paróquias; as mulheres, baseadas num Credo, numa fé em Deus e numa confiança na humanidade, tomam decisões em lugares de poder que têm a ver com o mundo secular.

Estes são também espaços católicos, temos de abrir a Tenda, como pede o Sínodo, e pensar que os católicos não estão apenas na paróquia, há muitos católicos no mundo, e também as más decisões que nos levam à crise socioambiental são também da responsabilidade dos católicos.

A senhora é uma teóloga e contribuiu para a reflexão teológica na Igreja, especialmente na América Latina. Como mulher, como leiga, qual é a especificidade que acredita ter tido com as suas contribuições para a reflexão teológica?

Antes de mais, estando presente, a presença dos corpos é muito importante. O fato de uma mulher estar ali sentada é já um grande gesto e um grande sinal. A presença de uma mulher, por vezes desconfortável, por vezes esperada com grande gratidão, tive um acolhimento muito bom na Cúria Romana entre os meus colegas bispos, entre os meus colegas cardeais, digo colegas porque estamos a ocupar lugares de trabalho, e nem tudo é resistência, há também uma grande integração. E para esta integração eles estão abertos, são pessoas com uma mentalidade aberta, especialmente esta nova mudança que o Papa Francisco está a promover, significa que a minha mera presença ali é uma contribuição mais do que aquilo que eu, como profissional, posso contribuir vindo de um espaço como a América Latina.

Este Sínodo que a Igreja está a viver, como pode ajudar na construção, na visão, no modo de se relacionar dentro da Igreja em relação às mulheres?

As mulheres já são uma parte muito importante deste Sínodo, de fato, em alguns países tem havido profundas controvérsias. No mundo secular, quando há uma mudança de governo, quando há uma mudança de regime, no início há grandes clivagens, há grandes confrontos, mas com o tempo isto vai-se instalando gradualmente e os extremos aproximam-se do centro.

Pense em Espanha, quando um Regime caiu, como teve de se adaptar a isto, pense na Argentina, no Brasil, nos países que tiveram ditaduras na América Latina, os processos foram sempre conflituosos, mas com o tempo, estes confrontos encontram espaços de diálogo, não há necessidade de entrar em pânico, temos de pensar, como diz o Papa Francisco, que estamos a iniciar processos.

Fonte: Vatican News – Pe. Miguel Modino – CELAM

Deixe uma resposta

três × 4 =