Anelice Cáceres: “nós, jovens, temos que realizar ações, propor ideias e aspirações sobre como proteger a Amazônia”

Continua em 2023 a publicação dos vídeos da Série “Juventudes e Amazônia”.  O primeiro episódio deste ano apresenta o testemunho da jovem indígena peruana Anelice Cáceres Patiachi, do povo Harakbut, estudante e artista do coletivo Etochime Harakbut.

Por Diego Aguiar / REPAM

A série “Juventudes e Amazônia” é uma iniciativa do Núcleo Juventudes e Amazônia, da Rede Eclesial Pan-Amazônica – REPAM. Nasceu da necessidade de celebrar as juventudes atuantes no cuidado e defesa da Amazônia, de seus povos e culturas, demonstrando que é possível ser e fazer a diferença dentro das suas realidades geográficas e existenciais.

O primeiro episódio deste ano apresenta o testemunho da jovem indígena peruana Anelice Cáceres Patiachi, do povo Harakbut, estudante e artista do coletivo Etochime Harakbut, de Puerto Maldonado. “No coletivo, os jovens buscamos tornar visível o cuidado da casa comum e, acima de tudo, tornar conhecido o que sofre nossa Amazônia, os problemas que existem nela e dar uma mensagem a todas as pessoas, através de nossos pincéis”.

“Nós, jovens, temos que realizar ações, propor ideias e aspirações sobre como proteger a Amazônia”, afirma Anelice, incentivando a outros jovens a colocar em prática os seus dons.

Protagonismo na defesa da Amazônia

O Documento Final do Sínodo Amazônico destaca que “os jovens querem ser protagonistas e a Igreja Amazônica quer reconhecer o seu espaço” e que a própria Igreja “quer ser companheira na escuta, reconhecendo os jovens como lugar teológico, como ‘profetas da esperança’, comprometidos com o diálogo, ecologicamente sensíveis e atentos à Casa Comum” (DF, 33).

Para a vice-presidenta da REPAM, Ir. Carmelita Conceição, a iniciativa reconhece que “a participação dos jovens amazônicos impulsiona a concretização dos sonhos do Papa Francisco expressos na Exortação Apostólica Querida Amazônia”.

Jovem indígenas peruana Anelice Cáceres – Foto: Arquivo REPAM-Peru

Jovem indígenas peruana Anelice Cáceres – Foto: Arquivo REPAM-Peru

“Suas mensagens, contribuições e experiências contribuem para o fortalecimento da REPAM em seu compromisso de atuação junto às atuais e futuras gerações para a defesa da Amazônia”, destaca a religiosa.

A série começou a ser publicada em 12 de agosto de 2022, Dia Internacional da Juventude. Durante o segundo semestre de 2022, foram publicados cinco testemunhos de jovens do Brasil, Colômbia e Venezuela.

Conheça e assista a toda a série “Juventudes e Amazônia” aqui

Rostos juvenis da Pan-Amazônia

O Secretário Executivo da REPAM, Ir. João Gutemberg afirma que “ser jovem é ser fonte de luz. Os jovens irradiam luzes rumo a horizontes inspiradores de vida. (…) É promissor estimular junto às juventudes a consciência amazônica, para que sejam promotoras de novos caminhos para a Igreja e para uma Ecologia Integral”.

O Núcleo Juventudes e Amazônia tem como objetivo articular em rede as diferentes expressões juvenis na região pan-amazônica (tanto na Igreja como em outros espaços) a fim de possibilitar a reflexão e o compromisso socioambiental, socializando conteúdos e experiências vinculadas à Ecologia Integral.

A coordenadora do Núcleo, Victória Sousa, destaca que esta iniciativa tem contribuído para “visibilizar os diferentes rostos juvenis da Pan-Amazônia e a riqueza de experiências e protagonismo das juventudes em seus territórios e comunidades”. Para ela, a continuidade da Série “Juventudes e Amazônia” em 2023 possibilitará “o reconhecimento das múltiplas juventudes que resistem e florescem no chão sagrado e profético da Amazônia”.

Fonte: REPAM

Deixe uma resposta

dez + 15 =