No mês da Bíblia, Igreja no Brasil convida ao aprofundamento do livro de Josué

Por Fernando Geronazzo

Em setembro, a Igreja no Brasil comemora o Mês da Bíblia. Instituído em 1971, na Arquidiocese de Belo Horizonte (MG), esse mês temático ganhou abrangência nacional por iniciativa da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB).

Essa comemoração tem o objetivo de contribuir para o desenvolvimento das diversas formas de presença da Bíblia na ação evangelizadora da Igreja no Brasil, criar subsídios bíblicos nas diferentes formas de comunicação e facilitar o diálogo entre a Palavra, a pessoa e as comunidades.

Todos os anos, a Comissão para a Animação Bíblico-Catequética da CNBB propõe um texto de estudo para ser aprofundado pelas comunidades. Em 2022, o livro escolhido é o de Josué e o versículo bíblico inspirador é “O Senhor, teu Deus, estará contigo por onde quer que vás” (Js 1,9).

O livro

Josué é o sexto livro da Bíblia e narra a entrada do povo de Israel em Canaã, a Terra Prometida, após a morte de Moisés e os 40 anos de travessia do deserto depois da libertação da escravidão no Egito. O texto descreve como o Senhor ajudou os israelitas na conquista dessa terra, em um processo longo, ora pacífico, ora violento, que só terminou dois séculos mais tarde, com o rei Davi.

O Livro de Josué é dividido em três partes:

Os capítulos 1 a 12 narram a conquista da terra prometida, começando pela tomada da cidade de Jericó. Os israelitas perdem a batalha contra o povo de Ai devido à desobediência. Depois de se arrependerem, prosperam em batalha, pois o Senhor luta com eles e, enfim, assumem o controle da Terra Prometida.

Os capítulos 13 a 21 contam como aconteceu a divisão da Terra Prometida entre as 12 tribos de Israel, a oeste e a leste do Rio Jordão, nas cidades de refúgio e dos levitas.

Já os capítulos 22 a 24 contêm os relatos finais sobre a vida de Josué, seu último discurso e sua morte. Antes de morrer, Josué exorta o povo a ter coragem, guardar os mandamentos de Deus e amar o Senhor. Com o povo renova, em Siquém, o propósito de servir somente o Senhor.

Fidelidade a Deus 

Esse texto não narra os acontecimentos como uma crônica jornalística, mas interpreta o significado da conquista de Canaã pelos israelitas, mostrando que ela só foi possível mediante à fidelidade à aliança estabelecida entre Deus e seu povo.

Josué é apresentado como um servo bem-sucedido nos seus empreendimentos porque foi obediente à Lei de Deus. Essa perspectiva aparece, de forma clara, nos dois últimos capítulos do livro, que salientam a importância de servir ao Senhor ao invés dos falsos deuses na terra de Canaã.

‘Conquista’ do reino dos céus

Para os cristãos, a conquista da Terra Prometida, assim como o êxodo do Egito, não pode ser interpretada apenas do ponto de vista da tomada de um lugar geográfico, mas no seu sentido sobrenatural, à luz da salvação operada por Jesus Cristo.

Orígenes, teólogo do século II, em uma de suas homilias sobre o livro de Josué, compara a batalha pela tomada de Jericó, por exemplo, com a luta interior contra o pecado e tudo aquilo que impede o ser humano de alcançar o Reino dos Céus.

“Tal como Josué, partamos para a guerra, tomemos de assalto a mais vasta cidade do mundo, que é a maldade, e destruamos as muralhas orgulhosas do pecado. Olhas em teu redor, para veres que caminho tomar, que campo de batalha escolher? Vais certamente espantar-te com as minhas palavras, que, no entanto, são verdadeiras: limita a procura a ti mesmo. É em ti que se encontra o combate que deves travar, é no teu interior que está o edifício do mal e do pecado que é necessário destruir; o teu inimigo está no fundo do teu coração”, escreve Orígenes.

Ler, compreender e viver

A Bíblia não é um livro para simplesmente ter na biblioteca e ser consultada esporadicamente. Ela reúne as Sagradas Escrituras, a Palavra de Deus, pela qual é possível ter uma experiência real e concreta com o Deus vivo. Para isso, é preciso lê-la, meditá-la e vivê-la cotidianamente.

Muitas pessoas afirmam ter dificuldade de ler e compreender as Escrituras, por não entender sua linguagem, símbolos e contextos. É por isso que a Igreja apresenta caminhos e métodos para auxiliar os fiéis a ter uma íntima relação com a Palavra de Deus.

A Igreja Católica indica a seus fiéis que adquiram familiaridade com os textos da Bíblia por meio da leitura diária individual ou comunitária. Além disso, os cursos bíblicos, grupos de oração e círculos de leitura orante da Palavra são outros meios eficazes de aprofundamento dos ensinamentos da Bíblia.

Fontes: Bíblias de Jerusalém, Edição Pastoral e da CNBB

 

 

 

Deixe uma resposta

5 × dois =