Cuidados com a Covid-19

O vírus consegue enganar e escapar das armadilhas que os cientistas conseguem inventar.

Por Juacy da Silva *

O Coronavírus em suas diversas formas/cepas/variantes está dando um cansaço tanto entre cientistas quanto profissionais de saúde. Na verdade, por mais que se tenha estudado e pesquisado, parece que este vírus consegue enganar e escapar de todas as armadilhas que os cientistas conseguem inventar, como vacinas, medicamentos etc.

O fato concreto é que ninguém está totalmente a salvo e 100% seguro de escapar desta pandemia. Todavia, o surgimento das vacinas tem demonstrado que entre pessoas vacinadas, totalmente imunizadas pelos padrões existentes (com dose de reforço), as mesmas são eficazes para impedir a entrada do vírus no corpo humano.

covid_cuidados2

Profissional de saúde aplica vacina contra a COVID 19. Foto: Poder 360

No entanto, as estatísticas e estudos têm demonstrado que quando uma pessoa já está totalmente vacinada, incluindo a dose de reforço, a letalidade (percentual de internações e óbitos) mesmo desta mais recente CEPA/ Omicrom, é menos do que entre pessoas não vacinadas ou apenas parcialmente vacinadas.

Por mais que se diga, não existem medicamentos para serem administrados de forma preventiva ou curativa, todas as orientações e práticas são no sentido de combater as consequências ou danos que a Covid-19 pode causar no organismo humano, principalmente nos aparelhos respiratório (pulmões) e circulatório (coração, veias e artérias) e outras consequências que acabam exigindo internações.

Neste caso, é importante que as pessoas se vacinem e tomem a dose de reforço; façam testes periódicos para certificar-se de que estão ou não com Covid-19, os testes rápidos podem servir como indicador. Caso este teste seja positivo, significa que a pessoa está com Covid-19, momento a partir do qual deve procurar orientação médica adequada, evitando-se charlatanismo e sugestões de pessoas leigas em relação às questões de saúde.

covid_cuidados3

Teste rápido contra a COVID19. Foto: Divulgação

Nos EUA semanalmente as escolas fazem testes rápidos, por amostragem, em alunos e servidores das mesmas, como forma de monitorar o surgimento de casos que indiquem a necessidade de fecharem as escolas por alguns dias.

O mesmo procedimento deveria, a meu ver, ser feito em grandes empresas, digamos com mais de 100 empregados ou locais de grande aglomeração como shoppings centers, nos sistemas de transporte público, nas igrejas etc., enfim, locais onde normalmente existem grande aglomeração e circulação de pessoas, o que facilita em muito a ampliação de contágio e transmissão da Covid-19.

Mas isto deve ser objeto de definição por parte dos poderes públicos Federal, Estaduais e Municipais e também um nível mais elevado de consciência por parte do empresariado.

Outro aspecto importante, a automedicação deve ser evitada, tanto como prevenção quanto tratamento, devido aos efeitos colaterais e adversos que muitas vezes podem ocorrer e ao invés de contribuir na cura da Covid-19, pode ser uma porta para outras complicações mais sérias em relação à saúde humana.

 


 

Para quem é diagnosticado com Covid-19, é importante, também, que sejam tomadas algumas providências/medidas que já são amplamente conhecidas e enfatizadas pela comunidade médica e de cientistas, inclusive por parte da OMS (Organização Mundial da Saúde), tais como:

a) uso permanente de máscara, de preferência máscaras certificadas pelo IMETRO, pois as máscaras de pano não têm a mesma eficácia/eficiência em termos de impedir a entrada do vírus pela boca e nariz; é importante o uso correto da máscara, cobrindo boca e nariz;

b) manter-se em isolamento e distanciamento, evitando-se aglomerações e contatos com outras pessoas, reduzindo a transmissibilidade a terceiros,

c) manter-se bem hidratado, ingerindo/bebendo bastante líquidos como água, sucos naturais, chás, água de coco etc. evitando também ingerir bebida alcoólica e tabaco;

d) bastante repouso, evitar gastar muita energia e debilitar o organismo;

e) separar utensílios domésticos e lavá-los com água quente;

f) lavar as roupas separadamente das outras pessoas que estão na casa;

g) trocar com certa frequência a escova de dentes;

h) higienizar os ambientes e, principalmente, lavar as mãos com frequência e usar álcool em gel;

i) se tiver febre, tomar alguma medicação. Para mim, foi prescrito tylenos sinus, que ajuda combater dores de cabeça ou outra e combate a febre também (obs. para dores usar analgésicos e para febre, antitérmico, tudo com prescrição médica);

j) alguns profissionais de saúde/médicos prescrevem algum anti-inflamatório, principalmente se tiver problemas na garganta; eu estou tomando um xarope prescrito pela médica que me atendeu, isto alivia um pouco a tosse e a irritação da garganta;

k) é também comum problemas no nariz, no meu caso foi receitado o uso de rinossoro spray, isto ajuda a manter as vias nasais limpas e combate a coriza.


 

Ah, é também importante observar o próprio corpo, pois a Covid-19, incluindo esta nova variante que tem um altíssimo nível de transmissibilidade, costuma provocar alguns sintomas como: tosse; febre baixa (entre 37,5 e 38,0); dor de cabeça; coriza e baixa oxigenação do sangue (esta última pode ser monitorada com um oxímetro, aparelho tipo de um clips gigante onde se coloca o dedo indicador).

Apesar de vacinado para Covid-19, inclusive com dose de reforço; ter também tomado vacina (reforço para pneumonia), para gripe, uma vacina em maio aqui no Brasil e outra vacina nos EUA em dezembro; não ter sintomas, a não ser uma tosse persistente por alguns dias, ao fazer o teste fui surpreendido com a contaminação pela Covid-19.

Todavia, até o momento minhas condições físicas, psicológicas, emocionais, mentais e espirituais estão ótimas, sinto-me fortalecido pelo apoio, solidariedade, atenção e oração inúmeras pessoas, muitas das quais eu nem conheço pessoalmente, que tem orado, rezado, mentalizado e enviado energias positivas.

Com resiliência e muita esperança aguardo, contando os dias e as noites, para estar novamente em liberdade total, podendo andar e praticar minhas longas caminhadas.

Espero que esta reflexão também sirva de alguma forma tanto para pessoas que já tiveram Covid-19, outras que, como eu estão em processo de tratamento e cura e outras que se sentem livres e imunes a esta pandemia, que, novamente repito, não é uma gripezinha, mas sim uma doença extremamente complexa, perigosa e que precisamos ter atenção e os cuidados necessários.

Nada de fake news, nada de negacionismo, nada de curandeirismo e nada de charlatanismo. Com os cuidados necessários, com o avanço do conhecimento científico e as práticas anteriormente mencionadas, vamos superar este desafio que é conviver com o Coronavírus por muito tempo.

Que Deus se apiede de todos nós e nos guarde, proteja e ilumine cada dia!

* Juacy da Silva, é professor aposentado da Universidade Federal de Mato Grosso, sociólogo.

Deixe uma resposta

1 × 5 =