A oração do Papa pelo padre Carlassare, missionário ferido em Rumbek

Francisco reza pelo missionário italiano ferido no Sudão do Sul. Padre Carlassare foi transferido para um hospital no Quênia para receber tratamento apropriado, enquanto o presidente Salva Kiir pede uma rápida investigação.

Por Francesca Sabatinelli

O Papa reza por Christian Carlassare. Foi o diretor da Sala de Imprensa vaticana, Matteo Bruni, quem informou sobre a preocupação do Santo Padre pelo missionário comboniano de 43 anos ferido em um ataque no Sudão do Sul, que o próprio Papa havia escolhido em 8 de março passado como bispo para a diocese de Rumbek, cidade com maioria Dinka, uma das etnias mais numerosas do país. O padre Carlassare foi recebido com alegria naquela cidade em 16 de abril passado. O comboniano vicentino está fora de perigo. Neste momento se encontra em um hospital de Nairobi, onde foi submetido a uma transfusão, após ter sido baleado na perna por dois homens que entraram em sua habitação duas noites atrás. O presidente do Sudão do Sul, Salva Kiir, pediu às autoridades locais uma rápida investigação do ataque que leve à captura dos criminosos que feriram o padre Christian. "As autoridades não permitirão - disse Salva Kiir - que a ação de uns poucos criminosos condicione os projetos da Igreja".

Padre Christian Carlassare no hospital / ACI Africa

Padre Christian Carlassare no hospital / ACI Africa

O perdão do Padre Carlassare

"Perdoo quem atirou em mim", foram as primeiras palavras do padre Carlassare, cuja ordenação como bispo está agendada para o próximo dia 23 de maio. O missionário então convidou as pessoas a rezarem não por ele, "mas pelo povo de Rumbek - disse -, que sofre mais do que eu". Padre Christian é o bispo italiano mais jovem do mundo, colocado à frente de uma diocese que era guiada também por outro missionário comboniano, padre Cesare Mazzolari, que morreu em 2011, poucos dias antes da declaração de independência do Sudão do Sul. A partir daquele momento a diocese de Rumbek ficou vacante.

Motivo desconhecido

As possíveis razões por trás do ataque ainda são desconhecidas, 24 pessoas foram presas até agora como suspeitas. As investigações não apontam na direção de um roubo que deu errado, uma vez que não houve roubo. Os primeiros a ajudar o padre foram os agentes de saúde da organização Médicos para a África Cuamm (Médecins pour l'Afrique Cuamm), cuja estrutura se encontra próxima à Cúria, o que lhes permitiu intervir rapidamente e evitar o pior. A região de Rumbek tem sido dilacerada há anos por conflitos tribais que poderiam estar na origem do ataque contra o religioso.

Leia também:
O MAIS NOVO BISPO DO SUDÃO DO SUL SE INSPIRA EM SANTA BAKHITA

Fonte: Vatican News

Deixe uma resposta

um + doze =