Filipinas: Igreja Católica contra pena de morte aprovada pela Câmara dos Representantes

O presidente da Conferência Episcopal do país afirmou que está desiludido com a aprovação, que “deu ao Estado a licença para matar”.

Por Agência Ecclesia

O presidente da Conferência Episcopal das Filipinas afirmou que está desiludido com a aprovação de pena de morte pela Câmara dos Representantes, que “deu ao Estado a licença para matar”.

O arcebispo D. Sócrates Villegas disse que os bispos filipinos “não poderão ser calados jamais” sobre a aprovação da pena de morte, divulga a Agência Fides, do Vaticano.

penademorte1“Em plena Quaresma preparamo-nos para celebrar o triunfo da vida sobre a morte... Estamos entristecidos porque a Câmara votou pela morte, a nossa fé nos assegura que a vida vai triunfar”, afirma ainda os bispos, numa declaração oficial.

Para o secretário-executivo da Comissão Episcopal para a Pastoral Penitenciária, Rodolfo Diamante, os legisladores “serviram os seus interesses pessoais e não o bem comum”, “sacrificando” a sua consciência e princípios.

A reintrodução da pena de morte na nação asiática foi aprovada pela Câmara dos Representantes esta terça-feira, com 217 membros a votarem ‘sim’ ao projeto de lei que introduz a pena capital para crimes ligados à droga, enquanto 54 escolheram o “não” e houve ainda uma abstenção.

A lei foi promovida pela coligação que apoia o presidente das Filipinas, Rodrigo Duterte, que desde a campanha eleitoral defendia a morte dos traficantes de droga.

O projeto de lei vai agora transitar para o Senado que tem 24 elementos e onde o partido do presidente da República tem a maioria.

O Papa Francisco apelou à “abolição” da pena de morte em todo o mundo, a 21 de fevereiro de 2016, em defesa de uma cultura de “respeito da vida”.

O Governo da 14.ª presidente das Filipinas, Gloria Macapagal Arroyo, assinou a abolição da pena de morte em 2006, antes de visitar o então Papa Bento XVI, no Vaticano.

Fonte: Agência Fides

Deixe uma resposta

três + 3 =