O golpismo pariu o Bebê de Rosemary

A articulação pelo impeachment de Dilma inflamou o ódio de classes no país pelo viés da direita.

Por Roberto Malvezzi (Gogó)

Atenção parlamentares ainda indecisos quanto ao impeachment de Dilma. Reparem na ironia das pesquisas exatamente na semana que se afunila o golpe. Os golpistas despencam nas pesquisas de intenções de voto e Lula aparece em primeiro. Será que esse recado lhes diz algo em relação ao futuro político?

adital1Temer está no mesmo nível de impeachment de Dilma e, se fosse candidato, teria 1% dos votos. Cunha tem a rejeição de 77% dos brasileiros. Moro tem o mesmo nível de Bolsonaro. Os candidatos do PSDB despencam nas pesquisas eleitorais, quando deveriam estar em primeiro lugar, não é mesmo?

Segundo os desejos do conluio mídia, Moro, empresários e parlamentares golpistas, sim. Mas, segundo a multidão dos eleitores, não.

Essa articulação inflamou o ódio de classes no país, pelo viés da direita. Seja qual for o resultado, após o fim desse processo, a divisão estará cravada em nossa alma, não como cicatriz, mas como carne viva.

Se Dilma for saída, na linha sucessória teríamos em primeiro Temer, depois Eduardo Cunha, finalmente Renan Calheiros. Cunha será o vice-presidente do Brasil. Tá de bom tamanho o que se quer para o país?

A verdade é que a oposição de direita – mídia, Moro, empresários, parlamentares, etc. – pariu um monstro com olhos de cabra, como se fosse o Bebê de Rosemary.

Esse filho do diabo está devorando os próprios golpistas.

*Roberto Malvezzi (Gogó) é agente da Comissão Pastoral da Terra, Juazeiro,  BA.

Deixe uma resposta

dezenove − 3 =