A ressurreição dos animais

Roberto Malvezzi (Gogó) *

Estamos na Semana Santa, quando celebramos a vida, paixão, morte e ressurreição de Jesus Cristo. Os cristãos católicos tem mantido essa memória.

Surpreendeu a muita gente que o Papa Francisco tenha consolado uma criança dizendo-lhe que "um dia, nós veremos nossos animais novamente na eternidade de Cristo. O Paraíso está aberto a todas as criaturas de Deus." O cachorro do menino tinha morrido.

As reações foram imediatas, sobretudo daqueles que acham que o Reino de Deus é exclusividade do ser humano.

Quando Noé sai da Arca com seus familiares e animais, Deus faz com ele, seus familiares e todos os animais que saíram da Arca a aliança primordial, fundamento de todas as demais. E diz que essa aliança é eterna (Gen. 9,9-17). Depois, Paulo em Romanos vai dizer que toda criação espera ansiosa a libertação dos filhos de Deus (Rom. 8, 19-21).

Deus não cria para destruir, mas para elevar à plenitude. Só pode ser essa a natureza de um ser cuja natureza é o amor.

Portanto, não faria sentido todas as espécies fantásticas criadas durante a evolução da vida que elas desaparecessem para sempre, sem possibilidade de resgate. Não podemos perder a beleza dos dinossauros, do tigre-dente-de-sabre, dos mamutes, de todos os animais chamados de pré-históricos em função da evolução da vida e das espécies. Com certeza eles farão parte do Paraíso. As espécies vegetais também fazem parte, juntamente com os animais, da "ressurreição da carne".

Portanto, a ressurreição da carne não é exclusividade dos humanos. É a ressureição de todas as vidas perdidas, soterradas pela brutalidade da evolução cósmica e da Terra.

Melhor assim, o Paraíso será muito mais feliz, colorido, variado de vidas e espécies do que sonham alguns que pedem exclusividade para os seres humanos, quando não para suas igrejas, ou para seus pequenos grupos.

Nessa Páscoa vamos nos lembrar da ressureição de todas as formas de vida, inclusive as nossas, com as quais o Criador fez uma aliança eterna.

* Roberto Malvezzi (Gogó) é agente da Comissão Pastoral da Terra, Juazeiro, BA.

Fonte: Revista Missões

Deixe uma resposta

11 − 2 =