Frei Gorgulho: ler a Bíblia com o coração comprometido com os pobres

Jung Mo Sung *

Faleceu ontem, 26/12/2012, às 06h20minhs da manhã, em São Paulo, o frei Gilberto Gorgulho (dominicano). É provável que muitos dos leitores não o conheçam ou nunca tenham ouvido falar no seu nome. Ele nunca foi uma "estrela" no campo da teologia, nem escreveu grandes livros ou esteve envolvido em alguma polêmica que tenha ido parar nos meios de comunicação. Mas, ele foi alguém que marcou gerações de cristãos que se comprometeram com a causa da justiça social e a defesa da vida dos pobres nas décadas de 1980 a 2000.

Acima de tudo, ele foi um professor de Bíblia que ensinou gerações de estudantes de teologia, agentes de pastoral, lideranças populares, sem falar nas irmãs e padres que fizeram cursos de aprofundamento na leitura "popular" da Bíblia. A sua prioridade na formação de agentes de pastoral e lideranças populares das comunidades eclesiais aparece na forma de publicação que ele - e sua parceira de muitos anos no ensino bíblico, Ana Flora - mais se dedicou: cadernos populares de guia para leitura de textos bíblicos. É claro que ele também publicou livros na forma clássica, mas as suas intuições e textos mais vibrantes se encontram ou eram publicados em primeiro lugar nesses cadernos.

Além de biblista, ele era um intelectual erudito capaz de lidar com filósofos, teólogos ou com grandes questões do mundo científico ou político. Tenho orgulho de dizer que fui seu aluno por 6 anos (4 na graduação e 2 no mestrado em teologia) e que ele foi um dos professores que mais marcou a minha formação. Lembro-me de um curso especial que lhe pedimos: São Tomás de Aquino e Teologia da Libertação. Foi marcante! Durante um semestre, ele nos explicou os 10 artigos da primeira questão da Suma Teológica de S. Tomás mostrando o que estava em jogo ou em discussão por detrás de cada afirmação. Mais do que isso, ele nos fez ler textos da teologia da libertação e da tradição marxista para aprofundar no final do século XX as questões estudadas por Tomás no seu tempo. Ele nos introduziu no caminho denso, longo e difícil de reflexão teológica séria, interdisciplinar e, acima de tudo, comprometida com as questões reais e fundamentais do nosso tempo.

Foi em curso sobre profetas e a reforma deuteronomista, que tive com ele, que escrevi meu primeiro texto acadêmico na direção que tenho seguido desde então: reflexão teológica sobre economia. Estimulado por suas aulas e por suas provocações, escrevi um trabalho semestral sobre a reforma deuteronomista e o modo de produção tributário. Como texto de exegese, é claro, deixa muito a desejar, mas foi o meu primeiro passo nesse caminho que tenho percorrido há mais de 20 anos.

A influência de um professor não se mede somente por aulas que ele dá, mas pelas "janelas" que abre aos seus alunos. No segundo ano de teologia, ele me disse: "Jung, você precisa ler o livro ‘As ideológicas da morte', de Franz Hinkelammert!". Li e isso fez a grande diferença na minha vida intelectual. No mestrado, ele me indicou outro autor que eu não poderia não estudar: René Girard. Esses dois autores fazem parte do meu modo de pensar e refletir o mundo e a teologia. E isso eu devo ao frei Gorgulho.

Frei Gorgulho, ou simplesmente "frei" como eu costumava me dirigir a ele, fez muitos dos seus alunos e alunos a ver como a questão da "justiça e direito em favor dos pobres, órfãos, viúvas e estrangeiros" é o tema central da Bíblia, que perpassa todos os seus livros da Bíblia; e que, como nos ensina profeta Jeremias, fazer essa justiça é conhecer a Deus.

Que Deus o receba nos seus braços e nos envie mais pessoas como ele que articule seriamente a reflexão teórica com a "meditação" bíblica no serviço à vida das comunidades e das pessoas mais pobres e vulneráveis do nosso mundo.

* Jung Mo Sung, autor com Hugo Assmann, de "Deus em nós: o reinado que acontece no amor solidário aos pobres". Diretor da Faculdade de Humanidades e Direito da Univ. Metodista de S. Paulo.

Fonte: www.adital.com.br

Deixe uma resposta

20 + três =