Centenário da morte de Franz Kafka

Os seus personagens, efetivamente, parecem fantasmas caminhado em meio a uma nebulosidade que não permite traçar com precisão os contornos das coisas, das pessoas e tampouco da paisagem.

Por Alfredo J. Gonçalves

O fantasma de Hamlet, no universo do genioso Shakespeare, apresenta-se bem concreto, podendo ser isso mesmo facilmente vingado. Não assim com os fantasmas de Franz Kafka. Este enigmático escritor de origem austro-húngara, de quem celebramos no dia 3 de junho de 2024 o centenário de morte, retrata tudo e todos de forma fantasmagórica. Basta ler algumas obras, tais como O Processo, O Castelo, A metamorfose. Os seus personagens, efetivamente, parecem fantasmas caminhado em meio a uma nebulosidade que não permite traçar com precisão os contornos das coisas, das pessoas e tampouco da paisagem. O próprio enredo, em seus começo, meio e fim, traz igualmente a imprecisão do tempo e do espaço, como também da trama e das intrigas tortuosas e complexas da narrativa.

Entre tais personagens, podemos citar K, por exemplo, o qual, aparentemente, não tem nome nem rosto, não tem família nem história. Numa determinada manhã, é visitado e detido por dois agentes policiais estranhos, sem qualquer razão explicável. Passa então a percorrer as páginas do livro O Processo, acompanhado por uma densa nuvem de burocracia, tão intrincada e labiríntica, que nunca se sabe com exatidão o que ele faz ou deixa de fazer para provar a própria inocência. De juiz em juiz, de advogado em advogado, de tribunal em tribunal, aparece cada vez mais inseguro, incerto e perdido. Avança como que nadando num mar espesso de névoa. Acaba sendo condenado à morte sem saber ao certo por quê nem por quem.

Em A metamorfose, um caixeiro viajante acorda também ele numa certa manhã transformado em um inseto monstruoso. Empreende esforços inauditos não apenas para tentar entender como isso veio a ocorrer, mas sobretudo para adaptar-se a essa situação insólita e vergonhosa. Uma vez mais, não existem explicações convincentes e o pobre Gregor deve conviver consigo próprio convertido numa espécie de barata gigante. Caricatura abjeta que retrata condições de trabalho igualmente abjetas. Gregor encontra-se perseguido por dívidas contraídas pelos pais e, para pagá-las, vê-se metamorfoseado nesse inseto que pode ser pisoteado e esmagado a qualquer momento, e por qualquer pessoa. Ao invés de caminhar com a cabeça e a dignidade erguidas, como um ser humano comum, sente-se rastejar desajeitadamente pelo peso que a existência lhe colocou sobre os ombros. Aliás, em Kafka, os personagens nada ou pouco têm de comum, normal, tomados que se encontram por uma neblina de dúvida, interrogação e inquietude.

No obra O castelo, repete-se novamente a letra K passa designar um certo agrimensor. Este personagem é requisitado por um conde, também ele fantasmagórico, para prestar-lhe seus serviços. Têm início, então, as vãs tentativas de K para entrar na morada do nobre senhor. Por mais esforços que faça, não consegue chegar a esse edifício, cuja localidade e contornos são sempre indefinidos. O agrimensor se vê do lado de fora do prédio no decorrer de toda a narração, sem saber ao certo o que fazer e com quem falar. Permanece na vila como um errante que não atenta com a forma de penetrar castelo. Este, na verdade, como que paira acima das nuvens, inexpugnável. Através do uso de muitos monólogos, os personagens, ao mesmo tempo, dizem e desdizem, afirmam e negam, coisa que revela as contradições e as diferentes interpretações do que ocorre. De novo, o leitor se encontra diante de uma atmosfera de confusão e nebulosidade difícil de acompanhar, e mais difícil ainda de entender e destrinchar.

Desnecessário acrescentar que os três personagens – o réu que é condenado sem ter como conhecer o próprio crime, o caixeiro viajante que se vê rastejando como inseto e mordendo o pó dos caminhos e o agrimensor que ignora como subir ao castelo do seu empregador – constituem figuras que, após um século, habitam os porões, as periferias e as fronteiras de nossa sociedade. Não será exagero afirmar que Franz Kafka intuiu em profundidade as tragédias dos tempos modernos e pós-modernos. Tragédias que se abatem sobre os ombros dos pobres, excluídos, migrantes, refugiados e vulneráveis da terra. Mais do que nunca, seguimos envolvidos em sombria neblina, onde as narrativas, ideologias distorcidas e mentiras deslavadas, em lugar de informar, confundem e desinformam a população em geral, e cada cidadão e cidadã em particular. Hoje como nunca as trevas obtusas e obscuras prevalecem sobre a luz e a transparência. Kafka, como verdadeiro profeta, se faz interprete não somente de sua época turbulenta, mas também dos dias atuais, ao mostrar a impossibilidade de desenhar os contornos precisos das penas e sombras, dos sonhos e esperanças que movem as lutas por uma “terra sem males” ou do Reino de Deus.

Alfredo J. Gonçalves, cs, assessor do Serviço de Proteção ao Migrante, SPM, São Paulo.

Deixe uma resposta

dezesseis + 10 =