A Celebração do Dia Mundial da Água

Refletindo sobre a água como fonte de vida e transformação: um chamado à ação e solidariedade global.

Por Jonah M. Makau *
Foto: Freepik

Você já esteve em um deserto e sofreu uma terrível sede? Talvez não. Hoje em dia, não é necessário estar ou viver em um deserto para saber o que é a sede e a crise hídrica. Milhões de pessoas em todo o mundo não têm acesso à água potável, que é um dos requisitos essenciais para a vida. Você e eu talvez estejamos entre os poucos sortudos que não precisam lutar ou enfrentar filas por esse bem essencial. É por isso que talvez não nos lembremos de que em 22 de março de 2024 foi proclamado o Dia Mundial da Água.

Naturalmente, a escassez de água ocorre quando a demanda por água potável em uma determinada área é maior do que a oferta. Como a disponibilidade de água é sinônimo de vida, a falta de água não significa apenas a falta de fornecimento alimentar sustentável, mas também condições de vida precárias que não se traduzem apenas em falta de mão de obra para a produção agrícola e industrial, mas também no fim de uma sociedade. Na verdade, enquanto o mundo lida com o problema das migrações, é evidente que a maioria das pessoas que são forçadas a deixar sua terra natal em busca de nações mais seguras está realmente sendo impulsionada por condições climáticas adversas, incluindo a falta de água potável e água para atividades agrícolas.

Enquanto o mundo é inundado por guerras intermináveis justificadas pela competição entre nações, pela ganância do comércio de armas e pelo egoísmo político, é importante notar que em breve as guerras serão travadas para controlar fontes ou reservatórios de água potável. Enquanto os governos mais poderosos continuam a participar de conferências internacionais sobre mudanças climáticas sem tomar medidas eficazes, o problema da escassez de água continua a piorar, a ponto de se chegar à militarização das bacias hidrográficas. Na verdade, existe uma relação muito estreita, complexa e intrincada entre a gestão sustentável da água, a prosperidade e a paz.

Não é difícil entender que avanços em uma dimensão podem ter repercussões positivas nas outras e que, consequentemente, um declínio em uma dimensão afeta as outras de uma forma ou de outra. De acordo com o Relatório de Desenvolvimento Mundial da Água (WWDR) 2024 das Nações Unidas, o desenvolvimento e a manutenção de um futuro seguro e equitativo em termos de água fortalecem a prosperidade e a paz para todos. O relatório também destaca como a pobreza e a desigualdade, as tensões sociais e os conflitos podem amplificar a insegurança hídrica. O relatório UNWWR 2024 será oficialmente apresentado na sede da UNESCO em Paris em 22 de março de 2024, pelos co-presidentes da campanha pelo Dia Mundial da Água 2024, em nome da UN-Water, que são a UNESCO e a Comissão Econômica para a Europa das Nações Unidas.

Enquanto celebramos o Dia Mundial da Água e as autoridades competentes fazem a sua parte para conscientizar as pessoas sobre a crise da água e a necessidade de usar este bem precioso de forma adequada, é fundamental que cada um de nós seja interpelado pelas questões levantadas por esta importante ocasião. Não podemos esquecer que, mesmo espiritualmente, a água tem um significado essencial. É um sinal de vida, capacidade de rejuvenescimento e poder de transformação. É por isso que a água e seu poder purificador estão ligados a muitos temas nas Sagradas Escrituras. Portanto, enquanto celebramos este dia, como seguidores de Cristo chamados a ser e viver como Ele, não devemos esquecer nosso dever de ajudar aqueles que são vulneráveis. Pelo menos, olhando para o que Jesus fez sempre que encontrou pessoas que careciam de algo essencial, não devemos esquecer o que Ele teria feito se estivesse em nosso lugar hoje. No entanto, não precisamos imaginar o que nosso Senhor teria feito. Podemos entender por quê.

O Senhor nos ensinou, com o episódio dos cinco pães e dos dois peixes (Mt 14, 17-21), que qualquer coisa apresentada a Deus em oração resulta em um poder de transformação. Talvez não tenhamos o poder de "multiplicar" a água, mas certamente precisamos que o Senhor toque o coração de muitas pessoas que estão destruindo nossas florestas e nossas bacias hidrográficas, para que parem com essa loucura que ameaça destruir o Planeta. Mas acima de tudo, no mesmo episódio, Jesus nos mostrou como a generosidade de indivíduos e seu amor pela unidade da comunidade podem transformar a condição de muitas outras pessoas. Como o menino que ofereceu os poucos pães e peixes, também precisamos aprender a compartilhar os recursos essenciais.

Este é, portanto, um convite para todos nós superarmos o egoísmo e o individualismo, nos quais alguns indivíduos e poderes econômicos se apropriaram de algumas bacias hidrográficas transformando-as em propriedades privadas para seus interesses comerciais, deixando milhões de pessoas sofrendo com sede e fome.

Oremos pelos Missionários da Consolata no mundo, que em suas atividades pastorais incluem o fornecimento de água potável ao povo de Deus, para que possam ouvir todos os dias naqueles a quem servem o pedido de Jesus: "Tenho sede" (Jo 19,28). Que o Senhor também nos ajude, para que através do clamor dos pobres, de seu pedido por amor, compreensão e misericórdia, possamos ouvir seu pedido a nós, como fez a mulher samaritana: "Dá-me de beber" (Jo 4,7).

* Padre Jonah M. Makau, IMC, Casa Geral em Roma, frequentando o curso em Causas dos Santos.
TagsÁgua

Deixe uma resposta

3 × 3 =