Dia Mundial da Justiça Social: Por que estamos aqui se não para servir à humanidade?

No Dia Mundial da Justiça Social, a secretária geral da CIDSE (Cooperação Internacional para o Desenvolvimento e a Solidariedade) recorda que toda decisão e cada nova política implementada têm um impacto na vida e nos meios de subsistência de outras pessoas, e que as múltiplas crises que enfrentamos hoje estão interligadas.
 Por Francesca Merlo
Getty Images

 

Justiça Social significa igualdade e dignidade para todos. Significa que um sistema é colocado em prática não apenas para proteger, mas para auxiliar nas escolhas que as pessoas fazem, além de criar um ambiente que as mantenha seguras e as ajude a prosperar. O Dia Mundial da Justiça Social é celebrado anualmente em 20 de fevereiro e sua observância tem como objetivo fazer exatamente isso: lembrar, a cada ano, da necessidade de construir sociedades mais justas e equitativas.

Uma crise múltipla

Na linha de frente na batalha pela justiça social, a CIDSE (Cooperação Internacional para o Desenvolvimento e a Solidariedade) é uma família internacional de organizações católicas de justiça social que trabalham juntas pela causa. Josaine Gauthier, secretária geral da CIDSE, explica que "as múltiplas crises com as quais lidamos no passado estão profundamente interconectadas”.

Hoje, o principal desafio que é enfrentado dentro desse âmbito, segundo Gauthier, "é a chamada pluri-crise: a perturbação climática, a extrema pobreza, a violência, a guerra e o conflito por recursos, gênero, desigualdade social e racial", diz a secretária, acrescentando que todas são desencadeadas por "desequilíbrios de poder e uma cultura de desperdício. Estamos reconhecendo que na verdade é apenas uma crise interconectada, com sua origem nas relações entre humanos e todo o resto da criação”.

Apelos do Papa Francisco

"A cultura do desperdício", como observa a Josaine, é um conceito frequentemente utilizado pelo Papa, que dedicou grande parte de seu pontificado a combater a indiferença global que causa injustiças. Em particular, Francisco apela continuamente pela proteção de nossa casa comum, ameaçada pelas mudanças climáticas, pelo zelo e acolhimento de migrantes e refugiados, e adverte contra o que descreve como "a globalização da indiferença", pedindo aos países mais ricos que tomem medidas concretas para ajudar os pobres.

Falando sobre migração, Gauthier observa que quando as pessoas são forçadas a deixar seu país de origem, porque é inabitável e não oferece futuro, "estamos enfrentando uma crise de nossa própria moralidade”.

"Como podemos permitir que outros seres humanos fujam de suas casas devido às nossas próprias escolhas políticas e econômicas que os afetam e depois os rejeitamos quando atravessam a fronteira e precisam de nossa solidariedade?" ela pergunta, e rapidamente completa: "É apenas uma questão de justiça!"

Trabalhar juntos, pensar em todos

Josaine Gauthier convida a todos a enxergar o Dia Mundial da Justiça Social como uma oportunidade única para "fazer uma pausa e refletir sobre como tratamos uns aos outros, como podemos construir relações mais justas uns com os outros e com a vida neste planeta, que é nossa casa comum”.

O apelo do Papa Francisco pela justiça social e pelos direitos humanos, segundo a secretária da CIDSE, é "extremamente relevante", e isso "deveria ser a mensagem mais importante e ressonante para os que estão envolvidos na política atualmente". Gauthier acredita que as políticas devem sempre estar ligadas e enraizadas em como afetam a vida das pessoas, de todos, diariamente, porque, acrescenta, "para que estamos aqui se não for para servir à humanidade e torná-la um lar acolhedor e justo para todos?”

Por fim, Josaine enfatiza que isso "é algo sério" e que trabalhar juntos, pensando em todos, é uma responsabilidade comum e coletiva, que "o Papa Francisco não se cansa de nos lembrar".

Fonte: Vatican News

Deixe uma resposta

11 + 1 =