Sínodo, no dia 25 de outubro será publicada a "Carta ao Povo de Deus"

O anúncio foi feito pelo presidente da Comissão para a Informação, Paolo Ruffini, no briefing da Sala de Imprensa: "a leitura da carta foi recebida com aplausos". O "Documento Síntese" será divulgado no sábado à noite. Schönborn: com esse Sínodo, a Europa não é mais o centro da Igreja. Aguiar Retes: "Se colocarmos em prática o que falamos, haverá um caminho a seguir". Aveline: "Agora é a semana decisiva. Nos próximos meses, colheremos os frutos". Irmã Rigon: "Vamos construir um belo mosaico".

A leitura do esboço da Carta ao Povo de Deus foi recebida com aplausos pela assembleia nesta manhã. A convite do cardeal secretário geral Mario Grech, "foram propostas e aceitas pequenas sugestões de mudanças e acréscimos ao texto, particularmente no que diz respeito às traduções para os diversos idiomas: haverá tempo até as 18 horas de hoje para apresentar outras propostas de mudanças à Secretaria Geral do Sínodo". A Carta "será aprovada e publicada na quarta-feira". O anúncio foi feito por Paolo Ruffini, prefeito do Dicastério para a Comunicação e presidente da Comissão para a Informação, no briefing de hoje com os jornalistas, que começou às 14h30 na Sala de Imprensa da Santa Sé, e foi apresentado pela vice-diretora Cristiane Murray.

Missa e trabalho esta manhã

O dia de hoje, segunda-feira, 23 de outubro, começou às 8h45 com a celebração eucarística presidida - no altar da cátedra da Basílica Vaticana - pelo cardeal Charles Maung Bo, arcebispo de Yangon, em Mianmar. Em seguida, na Décima Sexta Congregação Geral - coordenada pelo presidente delegado pe. Giuseppe Bonfrate - na presença do Papa Francisco (e 350 participantes), falaram, depois de ouvir o trecho do Evangelho de Marcos (4,26-34), os assistentes espirituais - o dominicano pe. Timothy Radcliffe e a beneditina madre Maria Ignazia Angelini - e o teólogo australiano pe. Ormond Rush.  A Carta ao Povo de Deus foi então apresentada e discutida, conforme anunciado pelo prefeito Ruffini.

Cardeal Schönborn: fé, esperança e caridade em comunhão

O cardeal dominicano Christoph Schönborn, arcebispo de Viena, membro do Conselho Ordinário da Secretaria do Sínodo, com base em sua experiência em assembleias anteriores, confidenciou uma lembrança de 1965, no final do Concílio Vaticano II, quando tinha 20 anos e era estudante de teologia. Ele ouviu uma palestra de Karl Rahner e a última frase permaneceu em seu coração: "Se não resultar deste Concílio um aumento na fé, na esperança e na caridade, tudo será em vão".

Portanto, acrescentou o cardeal, "eu diria o mesmo que o Sínodo" em andamento. Como teólogo, Schönborn também participou em 1985 do sínodo extraordinário convocado por João Paulo II vinte anos após a conclusão do Vaticano II. Com relação ao conceito fundamental de communio, ele disse que tinha a impressão de que "o que estamos fazendo agora, após o 50º aniversário da instituição do Sínodo", é precisamente perguntar "como viver a comunhão na Igreja". É a comunhão da fé; comunhão com o Deus uno e trino; comunhão entre os fiéis e comunhão aberta a todos os homens". Como vivê-la? "A sinodalidade é a melhor maneira", é a resposta do cardeal Schönborn. É uma questão de repensar a visão da Lumen gentium, que fala do grande mistério da Igreja. Portanto, a Igreja é mistério, é povo de Deus, e só depois se deve falar da constituição hierárquica de seus membros.

O cardeal também criticou a Europa "que não é mais o principal centro da Igreja", como pode ser visto diariamente no Sínodo. A América Latina, a Ásia, a África e suas conferências continentais são protagonistas, enquanto o episcopado europeu não conseguiu ter o potencial desenvolvido, por exemplo, pela Fabc e pelo CELAM. No velho continente, admitiu, "ficamos um pouco para trás na sinodalidade vivida. É necessário um estímulo". O cardeal trouxe como exemplo o fato de que as Conferências Episcopais Europeias nunca disseram uma palavra comum sobre o drama dos migrantes. Por fim, uma menção às Igrejas Orientais que sempre experimentaram como a sinodalidade não existe sem a liturgia. Daí o convite para valorizar uma fé que é celebrada antes de ser discutida.

Cardeal Aguiar Retes: continuidade sinodal

O cardeal Carlos Aguiar Retes, arcebispo do México, um dos presidentes delegados da assembleia e membro por nomeação pontifícia, recordou, em espanhol, o sínodo de 2012 convocado por Bento XVI sobre a nova evangelização, que concluiu que a transmissão da fé estava "fraturada": "as famílias não eram mais capazes de se dirigir às novas gerações". É por isso que o primeiro Sínodo de Francisco foi dedicado às famílias, que são fundamentais nesse sentido. E é importante trabalhar com elas para alcançar os jovens, aos quais o próximo Sínodo, em 2018, foi dedicado. Falando sobre sua própria experiência com as novas gerações na arquidiocese de Tlalnepantla, onde foi pároco antes de se mudar para a capital do México, ele relatou ter tido reuniões com jovens de diferentes classes sociais, com o objetivo de dialogar para promover a amizade além das fronteiras de classe. Portanto, o anseio pela fé deve ser transmitido por meio dos jovens que vivem a fé.

Em seguida, continuou o cardeal mexicano em sua reconstrução, o Papa Francisco o convocou para o Sínodo dedicado à Amazônia. E refletindo sobre a importância da mudança climática e da proteção da criação, percebeu-se que era importante contar com a sensibilidade ecológica das crianças e dos jovens. Portanto, eles devem ser ajudados a entender a Palavra de Deus sobre essas questões. Finalmente, o cardeal falou sobre o processo sinodal na arquidiocese da Cidade do México, que ele gostaria de ter feito antes da pandemia, mas que, por causa da covid-19, foi adiado, começando em outubro de 2021. Uma experiência de visita às realidades locais, com um método baseado no consenso, no diálogo e na escuta mútua, cujos frutos foram reunidos para atender às necessidades da sociedade; porque, concluiu, "o caminho da Igreja é a sinodalidade".

Cardeal Aveline: escuta, silêncio, oração e liberdade

O cardeal Jean-Marc Aveline, arcebispo de Marselha, presente no Sínodo como membro pontifício, eleito para a Comissão para o Relatório Síntese, começou expressando os sentimentos que o acompanharam em sua primeira experiência na assembleia sinodal: "Alegria por uma nova aventura, curiosidade por encontrar pessoas de todo o mundo, com as quais houve uma troca mútua de experiências; mas também preocupação com as notícias de guerra que chegaram aqui no início dos trabalhos e que continuaram com o passar dos dias".

Diante de eventos tão dramáticos, o cardeal Aveline enfatizou que "a Igreja deve assumir a responsabilidade de espalhar a mensagem do amor de Deus ainda mais fortemente no mundo". Outro sentimento foi o de apreensão devido ao fato de que "em meu país nem todos aderiram ao processo sinodal e, portanto, há espaço para progresso", a fim de que mais pessoas participem dessa jornada compartilhada. Isso, reiterou o cardeal, "está criando muitas expectativas sobre nossas decisões finais que refletirão nossa responsabilidade comum". Aveline concluiu dizendo que esta será "uma semana decisiva, na qual passaremos por etapas importantes, tentando chegar a um acordo sobre várias questões e resolver as diferenças. E nos próximos meses colheremos os frutos que semeamos".

Irmã Rigon: O que posso fazer para tornar o mundo um lugar melhor para todos?

A irmã Samuela Maria Rigon, superiora geral das Irmãs da Santíssima Mãe das Dores, professora da Pontifícia Universidade Gregoriana, que está participando do Sínodo como membro nomeado pelo pontífice, tomou a palavra. "Em oração, aceitei como um chamado de Deus ser nomeada para o Sínodo, como uma mulher batizada, cristã e consagrada", disse ela. E o Sínodo está provando ser "uma experiência muito enriquecedora, na qual estou tocando a universalidade da Igreja". Uma experiência, continuou ela, que é "um convite à humildade; e meu ponto de vista é apenas uma janela no horizonte que pode ajudar a construir um belo mosaico".

"Desde ontem, trago comigo três palavras da liturgia eucarística em que o apóstolo Paulo nos falou da fé laboriosa, do trabalho árduo na caridade e da firmeza na esperança em Jesus Cristo. Se isso saísse deste Sínodo, já teríamos feito uma verdadeira revolução em um sentido positivo", disse a religiosa; porque, acrescentou, "recebemos uma semente importante que Deus fará crescer através de nós ou conosco". Sobre esse princípio, irmã Samuela se referiu ao pensamento de São Francisco: "Hoje eu começo novamente a ser um cristão diferente". Se todos fizessem isso, ela relançou, "teríamos uma transformação".

O "Documento de Síntese" será divulgado no sábado à noite

Em resposta a uma pergunta, o prefeito Ruffini disse que a votação, com modalidades ainda a serem definidas, e a divulgação do Documento Síntese estão programadas para a noite de sábado. Com relação à segunda pergunta - se em um futuro conclave o atual Sínodo deve ser levado em consideração em termos de conteúdo e forma - o Cardeal Aguilar Retes explicou que se o que foi discutido e experimentado for colocado em prática, haverá um caminho a seguir. Tudo, acrescentou, depende do que será alcançado quando as pessoas retornarem às suas dioceses.

Outra pergunta se referia ao método escolhido para a Assembleia e à possibilidade de aplicá-lo na Igreja em todos os níveis, ampliando também a participação de leigos e mulheres. O Cardeal Schönborn recordou seu discurso em 2015 sobre o tema da sinodalidade, quando, a partir do Concílio de Jerusalém, explicou que, antes de tudo, o método é a escuta, ou seja, escutar o que Deus mostra por meio da experiência de caminhar. A conclusão do Sínodo vem dessa escuta, do discernimento comum. O cardeal disse que já estava acostumado com um método semelhante, praticado na Arquidiocese de Viena; e lembrou, a esse respeito, que de 2015 até hoje houve cinco assembleias diocesanas com 1400 participantes, uma expressão de todo o povo de Deus. Mesmo que não tenha havido votação, disse ele, a escuta e a comunhão foram experimentadas. O importante, enfatizou, é que no final as decisões devem ser tomadas. De fato, o Concílio de Jerusalém tomou uma decisão fundamental para a história da Igreja; e a maneira de chegar lá é como lemos nos Atos dos Apóstolos. Esse método é caracterizado pelos três estágios: escuta, silêncio e discussão.

A irmã Rigon salientou que o estilo de trabalho usado no Sínodo é um método, mas o aspecto essencial é ouvir. Todos, disse ela, precisam redescobrir essa dimensão, no local de trabalho, nas famílias, nas comunidades religiosas. Todos devem ter a oportunidade de compartilhar e de serem ouvidos. Não é por acaso que o primeiro mandamento da Bíblia é "escuta Israel".

A natureza do Sínodo não mudou

Em resposta às críticas que questionavam a integridade do Sínodo dos Bispos pelo fato de incluir leigos como delegados, o cardeal Schönborn ressaltou que, em sua opinião, isso não é um problema, pois continua sendo um Sínodo episcopal, embora tenha uma participação real de não-bispos. E constitui um órgão que serve para exercer a responsabilidade colegiada. Sua natureza não mudou; apenas foi ampliada e a experiência é definitivamente positiva. Por outro lado, disse o Cardeal, sempre houve especialistas leigos, com algumas intervenções muito importantes, mas agora há uma relação muito mais próxima: um Sínodo dos Bispos com participação ampliada.

Com relação à questão de saber se a perda da sinodalidade levou a Igreja à divisão e até que ponto todas as Igrejas podem ser convidadas a seguir um caminho comum, o mesmo cardeal dominicano apontou que a divisão dos cristãos é um obstáculo ao testemunho; mas, referindo-se às palavras de um monge ortodoxo copta, afirmou que talvez Deus permita essa "vergonha" porque ainda não se é capaz de fazer bom uso da unidade para o bem da humanidade.

Em seguida, o Cardeal Aguiar Retes se referiu à experiência da Conferência Episcopal Mexicana, em um país com 180 milhões de habitantes, 80% dos quais são católicos, unidos em torno de uma religiosidade ancorada em Nossa Senhora de Guadalupe. Há, no entanto, condições diferentes entre o norte, o sul e o centro do México. Em sua visita apostólica em 2016, o Papa pediu um processo seguro em resposta às necessidades do contexto sociocultural. E nisso, a diversidade não deve ser um obstáculo: há diferentes modus operandi, mas todos eles concentram seus esforços para o bem da Igreja.

Por sua vez, o cardeal Aveline enfatizou que um grande momento de unidade no Sínodo foi a vigília ecumênica de oração "Together": todos estavam presentes em torno de Cristo Crucificado, porque o desejo de unidade cresce na contemplação do Crucificado, pois a fraqueza de Cristo é o único caminho seguro para a unidade.

Alterações no Catecismo só podem ser feitas pelo Papa

Com relação ao fato de que algumas pessoas Lgbtq+ podem se sentir magoadas com as palavras do Catecismo da Igreja Católica que se referem à "desordem" moral, o cardeal Schönborn recordou que foi secretário da redação do próprio Catecismo. Segundo ele, esse é o trabalho da Igreja, promulgado pelo Papa. E, desde então, houve apenas uma mudança, quando Francisco interveio sobre a pena de morte. Se haverá outras, depende exclusivamente da decisão do Pontífice. O cardeal recomendou, então, sempre ler os textos como um todo. Essas são questões, acrescentou, que dizem respeito à teologia moral, mas o princípio é que existe uma ordem objetiva e existem pessoas humanas. Elas sempre têm o direito de serem respeitadas, mesmo que pequem, e o direito de serem aceitas, como são por Deus.

Finalmente, sobre a relação entre a atualidade do magistério e a contribuição dos teólogos e o sensum fidelium, foi novamente o cardeal Schönborn que explicou que precisamos olhar para São João XXIII e ouvir o que ele disse no início do Concílio Vaticano II sobre a imutabilidade da doutrina e a forma como ela é apresentada. O cardeal acrescentou que há grandes desenvolvimentos no nível de compreensão, mas há também a imutabilidade da fé: não se pode mudar a doutrina sobre a Trindade, a encarnação ou a instituição da Eucaristia. Sobre isso se funda um Credo que é válido em todo o mundo e, mesmo que as culturas sejam diferentes, a substância da fé não pode ser alterada, mesmo que tenha se desenvolvido tanto desde a época dos apóstolos.

Fonte: Vatican News
Foto: Vatican Media

Deixe uma resposta

dois × cinco =