Crise Humanitária em Tigray, Etiópia, Continua a Afetar os Mais Vulneráveis

O Bispo Tesfaselassie Medhin, da eparquia católica de Adigrat, alerta para a grave situação em Tigray, Etiópia, onde um conflito de quase três anos persiste, resultando em devastação humanitária. Apesar de um acordo de paz assinado em 2022, várias causas, incluindo bloqueios de ajuda humanitária, ocupação estrangeira e mudanças climáticas, contribuíram para uma crise sem precedentes.

Mais de um milhão de pessoas, incluindo idosos, mulheres e crianças, vivem em situações desesperadoras, muitas delas em tendas improvisadas e edifícios escolares. A tragédia é acentuada pelo êxodo de profissionais, como enfermeiros, médicos e professores, que deixaram suas casas para salvar vidas.

O conflito também devastou a infraestrutura agrícola, prejudicando as práticas agrícolas já precárias e aumentando a insegurança alimentar e a desnutrição. A destruição de recursos hídricos, como poços e sistemas de irrigação, agravou a crise de água.

O Bispo Medhin enfatiza que a população vulnerável é a mais afetada, e a abordagem do conflito e da seca é crucial para salvar vidas e reconstruir a região. Ele pede a plena implementação do acordo de paz de Pretoria, incluindo a retirada das forças de ocupação e o restabelecimento da ajuda humanitária.

Ele apela à comunidade internacional para quebrar o silêncio, pois milhares de vidas estão em risco não apenas em Tigray, mas em outras regiões da Etiópia que enfrentam violência e necessitam de paz, alimentos, serviços básicos e justiça.

Com informações da Agência Fides

Deixe uma resposta

sete + dezesseis =