Maria abre os caminhos da missão na Mongólia

Na Catedral de Ulaanbaatar há uma estátua da Virgem Maria que foi encontrada num aterro há mais de 15 anos por uma senhora de Darkhan, norte da Mongólia. Ninguém sabe de onde veio.

por Gianni Valente

Na Catedral de Ulaanbaatar há uma estátua da Virgem Maria que entrelaça de forma sugestiva o caminho da pequena comunidade católica mongol. Foi encontrada num aterro há mais de quinze anos por uma senhora de Darkhan, no norte da Mongólia. A senhora pegou-a e colocou-a no canto mais bem cuidado de sua Ger, a tradicional casa mongol.

O curioso é que não se sabe de onde veio a estátua de Maria encontrada no aterro. Na época da sua descoberta, não havia cristãos naquela parte da Mongólia. Os missionários salesianos chegaram a Darkhan vários anos mais tarde.

Hoje o padre Leung Kon Chiu, salesiano de Hong Kong, lê de forma sugestiva a história da estátua que em 2013 foi descoberta no Ger da senhora por uma freira, também salesiana: “Se aquilo que a senhora disse é verdade, ela encontrou esta estátua de Nossa Senhora antes que nós, padres e freiras, chegássemos a Darkhan. Então esta Nossa Senhora chegou a este lugar antes de nós. E preparou o terreno para nós.” E o fato de estarmos aqui é uma graça de Nossa Senhora”.

Sobre a estátua de Dharkan falaram também ao Papa. Dom Giorgio Marengo, prefeito apostólico de Ulaanbaatar, pediu que fosse levada para a catedral. E a estátua tornou-se “um símbolo da nossa Igreja Católica na Mongólia”. Eles a chamam de Mãe Celestial, e o bispo Marengo anunciou um Ano de Nossa Senhora da Mongólia que terminará em 8 de dezembro, festa da Imaculada Conceição.

A já iminente visita do Papa Francisco a Ulaanbaatar é vista como um “sinal de Deus” pelo missionário salesiano, que acrescenta: “Do que se trata exatamente, não posso dizer, porque não sei. Mas acho que a história nos dirá”.

Fonte: Agência Fides

Deixe uma resposta

quinze + 11 =